Olimpíadas: EUA deve ter baixa importante no basquete feminina

André Merice | 08/06/2024 - 13:38

Caitlin Clark, a grande estrela do Indiana Fever, na WNBA, não deve integrar a lista inicial de atletas convocadas – 12 jogadoras – do time feminino de basquete dos Estados Unidos para as Olimpíadas de Verão, segundo o jornalista Shams Charania, do The Athletic and Stadium.

A equipe dos EUA parece estar priorizando jogadoras veteranas como A’ja Wilson, Breanna Stewart, Diana Taurasi, Brittney Griner, Alyssa Thomas, Napheesa Collier, Jewell Loyd, Kelsey Plum, Jackie Young, Sabrina Ionescu, Chelsea Gray e Kahleah Copper. Desde 1996, as americanas têm conquistado o ouro em todas as edições dos Jogos Olímpicos.

Entre as selecionadas, sete possuem experiência olímpica em jogos cinco contra cinco, enquanto outras duas têm experiência em competições 3×3. Isso resulta em apenas três estreantes olímpicas: Thomas, Copper e Ionescu. As jogadoras convocadas já começaram a receber seus uniformes olímpicos.

Diana Taurasi, que completará 42 anos durante os Jogos, participará de sua sexta Olimpíada, estabelecendo um recorde histórico. Suas companheiras de equipe do Phoenix Mercury, Brittney Griner, competiram em duas Olimpíadas anteriores. Breanna Stewart, duas vezes MVP da WNBA e das finais, estará em sua terceira Olimpíada, tendo alcançado médias de 15 pontos e 10 rebotes por jogo em Tóquio 2021, onde foi eleita a Jogadora Mais Valiosa do Torneio.

A’ja Wilson, também duas vezes MVP da WNBA, estreou em Tóquio com médias de 16,5 pontos por jogo e começou a atual temporada da WNBA com médias impressionantes de 28 pontos e 12,3 rebotes por jogo. Clark, Brionna Jones e Aliyah Boston provavelmente atuarão como reservas, caso uma das jogadoras principais não possa competir. Boston, companheira de equipe de Clark no Fever e Rookie of the Year da WNBA do ano passado, também não foi incluída na lista final.

Ausência de Caitlin Clark nas Olimpíadas

Clark teve uma carreira brilhante na NCAA com Iowa, tornando-se a maior artilheira de todos os tempos da Divisão I e conquistando dois prêmios de Jogadora Nacional do Ano. Recentemente, ela igualou seu recorde de pontos na WNBA, marcando 30 pontos na vitória sobre o Washington Mystics.

Em março, Clark foi uma das 14 jogadoras convidadas para o último campo de treinamento da seleção dos EUA antes dos Jogos Olímpicos, mas não pôde comparecer devido à participação de Iowa na Final Four. A equipe feminina dos EUA realiza campos de treinamento periódicos para os candidatos à seleção nacional, ajudando o comitê de seleção na escolha final das 12 representantes.

A lista final foi selecionada pelo comitê de basquete feminino, que inclui a técnica da Carolina do Sul e ex-técnica da equipe dos EUA, Dawn Staley, a tricampeã olímpica e assistente da LSU, Seimone Augustus, a duas vezes olímpica e técnica do Old Dominion, Delisha Milton-Jones, a presidente do Connecticut Sun, Jennifer Rizzotti, e a chefe de operações da WNBA, Bethany Donaphin.

A ausência de Clark não é totalmente surpreendente, dado que a seleção feminina de basquete dos EUA é uma das melhores do mundo. A falta de participação de Clark nos treinos, devido à sua temporada universitária, pode ter influenciado a decisão.

Possibilidade de participação de Clark nas Olimpíadas

Ainda há uma chance de Clark participar, caso Chelsea Gray, que sofreu uma lesão na perna nas finais da WNBA do último ano, não esteja disponível para os Jogos Olímpicos.

Se Gray estiver saudável, ela será a armadora titular. No entanto, Clark poderia substituir qualquer jogadora que sofra uma lesão antes do início das Olimpíadas.

Após o início da competição, porém, não serão permitidas substituições.

LEIA MAIS:

+ Chegou a hora da revanche? Kamilla Cardoso enfrenta Caitlin Clark, agora pela WNBA
+ Caitlin Clark recebe apoio de LeBron James em meio à pressão na WNBA
+ WNBA: estreia de Caitlin Clark dá mais audiência que jogos de Natal da NBA

Escrito por André Merice
No Quinto Quarto desde janeiro de 2021, André Merice cursa o 7º período de jornalismo na Universidade de Ribeirão Preto. Apesar de ser torcedor do São Paulo Futebol Clube, André se encontrou na área dos esportes americanos e hoje se tornou "torcedor LeBron" e um admirador de Stephen Curry, o "Víbora".