UFC surpreende e define próximo adversário de Deiveson Figueiredo

Igor Ribeiro | 13/04/2023 - 15:00

A espera acabou. Deiveson Figueiredo está recuperado da lesão no olho que resultou em derrota para Brandon Moreno no UFC 283, no Rio de Janeiro. O ex-campeão dos pesos-moscas (até 56,7 kg) já tem data e adversário por seu retorno ao octógono. 

De acordo com Carlos Legaspi, da ESPN Desportes, Deiveson tem luta encaminhada contra o angolano-português Manel Kape. O confronto estaria sendo trabalhado para acontecer na edição de número 290, em 8 de julho, em Las Vegas, nos Estados Unidos. 

Caso o duelo seja confirmado, Figueiredo mudaria de ideia sobre uma possível subida em definitivo para os pesos-galos (até 61,2 kg). O lutador lida com problemas no corte de peso e já falhou na balança em outras oportunidades. Ainda assim, deve optar por mais uma experiência na categoria que o consagrou.  

VEJA TAMBÉM

+ UFC: Alex Poatan bate o martelo e toma decisão sobre carreira no MMA

++ UFC: lenda do MMA toma as dores de Poatan e detona Adesanya

Aos 35 anos, o Deus da Guerra, como é conhecido, soma um cartel de 21 vitórias, três derrotas e um empate – incluindo atuações de gala contra Alexandre Pantoja, Alex Perez, Brandon Moreno e Joseph Benavidez. 

Rival perigoso para Deiveson

Manel Kape é um dos maiores prospectos dos pesos-moscas da atualidade. O angolano-português começou sua trajetória com duas derrotas, mas conseguiu reviravolta e emplacou três vitórias seguidas. O Starboy ocupa a nona colocação no ranking da divisão e ostenta retrospecto de 18 resultados positivos e seis negativos. 

O lutador, inclusive, já havia provocado Deiveson nas redes sociais e acusou o brasileiro de ser trapalhão, falador e ‘bunda mole’. Manel também criticou a postura do brasileiro fora do octógono e o acusou de priorizar apenas o dinheiro.  

Além de Deiveson e Kape, o Ultimate também já negocia a luta entre Brandon Moreno e Alexandre Pantoja pelo título dos pesos-moscas (até 56,7 kg). O duelo marca a primeira tentativa do mexicano de defender o cinturão da categoria, logo após unificar o ouro em janeiro.