Aaron Rodgers prometeu ‘vingança’ na NFL e fez milagres pelos Packers

Pedro Rubens Santos | 24/04/2023 - 21:10

A brilhante passagem de Aaron Rodgers pelo Green Bay Packers chegou ao fim, oficialmente, nesta segunda-feira (24). A equipe fez um acordo e enviou o quarterback para o New York Jets.

Os quatro troféus de MVP não mentem e provam que a trajetória de Rodgers nos Packers foi uma das histórias mais extraordinárias já vistas na NFL.

Campeão do Super Bowl 45 e vencedor do prêmio de melhor jogador da liga em 2011, 2014, 2020 e 2021, o QB operou alguns milagres durante seu tempo em Green Bay e fez um time em especial se arrepender amargamente de não tê-lo selecionado no draft.

VEJA TAMBÉM

+ Aaron Rodgers deixa os Packers e fecha com os Jets em troca bombástica

++ Tom Brady fala sobre voltar à NFL por time rival: ‘Muitos amigos jogam lá’

Em 2005, o San Francisco 49ers detinha a primeira escolha geral do draft da NFL e teve que decidir entre Rodgers e Alex Smith para ser seu quarterback do futuro.

A franquia foi com Smith e viu Rodgers, torcedor dos Niners na infância, ser selecionado na 24ª escolha pelos Packers.

Depois do evento, A-Rod foi perguntado se estava desapontado com o fato de não ter tido seu nome chamado pelos 49ers. Sua resposta entrou para a história:

— Não tão desapontado quanto os 49ers ficarão por não terem me draftado.

Desde então, 18 temporadas se passaram. Mas o torcedor de San Francisco com certeza ainda pensa como tudo poderia ter sido diferente caso a equipe tivesse chamado outro nome naquela noite.

Com o fim de sua gloriosa passagem por Green Bay, relembramos alguns dos momentos mais marcantes da carreira de Aaron Rodgers na NFL.

Lesão e virada incrível contra os Bears

A semana 1 da temporada 2018 da NFL foi marcada por uma das maiores atuações da carreira de Rodgers. Não só pelos três touchdowns anotados, mas por todo o contexto daquele jogo entre os rivais Green Bay Packers e Chicago Bears.

Com uma lesão no joelho, o QB dos Packers precisou ser carregado para fora do campo ainda no segundo quarto.

Com o time perdendo por 20 a 0, ele retornou ao campo mesmo sem estar se sentindo 100% e liderou uma virada impressionante no último período.

Playoffs contra os Cowboys

Na rodada divisional dos playoffs da temporada 2016-17, Aaron Rodgers e os Packers encararam os Cowboys em Dallas por uma vaga na final de conferência.

Com poucos segundos restando no relógio, Rodgers estendeu a jogada e encontrou um passe inacreditável para Jared Cook no limite da linha lateral.

A conexão permitiu aos Packers chutarem o field goal para vencer a partida no estouro do cronômetro.

Hail Mary (todas elas)

Se conseguir um touchdown em uma jogada de ‘Hail Mary’ já é uma raridade, imagine três delas. Só Aaron Rodgers mesmo para alcançar tal feito.

A primeira vítima foi o Detroit Lions. O jogo da semana 13 da temporada 2015 chegou à jogada final com o placar em 23 a 21 para os donos da casa.

Foi aí que o QB tirou da cartola uma jogada improvável, fez a bola voar por mais de 65 jardas e achou Richard Rodgers na endzone para virar e vencer a partida, que ficou conhecida como ‘o milagre de Detroit’.

Ele também foi o autor de uma das campanhas mais incríveis já vistas em um campo de futebol americano. Naquele dia, Rodgers só não fez chover.

Os Packers perdiam para o Arizona Cardinals na rodada divisional dos playoffs da temporada 2015-16, e a situação não era nada favorável: apenas 54 segundos no relógio e Green Bay em uma 4ª para 15 jardas na sua própria endzone. Seria um jogo perdido para qualquer um.

Mas o quarterback era Aaron Rodgers, que encontrou um passe absurdo de 61 jardas e manteve o drive vivo. Na sequência, quando faltavam 5 segundos, ele lançou mais uma Hail Mary, agora para Jeff Janis, e empatou o confronto.

Nos playoffs da temporada seguinte, contra o New York Giants, ele aprontou de novo.

Logo antes do intervalo, o QB dos Packers lançou a bola de trás do meio do campo e encontrou Randall Cobb no ponto final da endzone para anotar os seis pontos.

‘Run the table’

Em 2016, as coisas não iam bem para os Packers, que chegaram à semana 12 com uma campanha de quatro vitórias e seis derrotas. Aaron Rodgers então disse que o time poderia “run the table”, ou, traduzindo, vencer todos os jogos restantes e ainda chegar aos playoffs.

Promessa é dívida. Daquele momento em diante, a equipe não perdeu mais na temporada regular e emendou seis vitórias consecutivas para assegurar um lugar na pós-temporada. Rodgers ainda liderou Green Bay até a final de conferência, fase na qual o time foi derrotado pelo Atlanta Falcons.

Na impressionante sequência invicta, o QB teve 69% de passes completos, 2,384 jardas, 21 touchdowns e apenas uma interceptação.

Título do Super Bowl 45

A temporada 2010-11 foi conquistada pelo Green Bay Packers, com vitória sobre o Pittsburgh Steelers no Super Bowl 45 e Aaron Rodgers como MVP da partida.

Depois de uma campanha 10-6 e o segundo lugar da NFC North, os Packers passaram por Philadelphia Eagles, Atlanta Falcons e Chicago Bears para chegar até a grande final.

Na decisão, Rodgers foi melhor que o adversário Big Ben e, com 24/39 passes certos, 304 jardas e três touchdowns, conduziu o time ao triunfo por 31 a 25.