Oklahoma City Thunder vai acabar? Votação coloca time da NBA em risco

Paola Zanon | 12/12/2023 - 16:10

Na noite desta terça-feira (12), uma votação popular irá decidir o futuro do Oklahoma City Thunder na NBA; se vai para uma nova cidade, ou se permanecerá por ali mesmo.

A votação é para decidir se a prefeitura da cidade deve ou não entrar com recursos para bancar 95% dos custos de construir uma nova arena para a franquia; o gasto seria de aproximadamente US$ 900 milhões (R$ 4,4 bilhões, na cotação atual). Os outros 5% seriam arcados pelos executivos do Thunder.

Caso os moradores votem pelo “sim”, uma nova arena será construída para abrigar a equipe pelos próximos 25 anos, mas se a população não quiser apoiar a ideia, o time deverá deixar a cidade e ir para outro mercado —podendo até mudar de nome mais uma vez.

— A multidão está animada e pronta para votar ‘sim'. Essas crianças querem ver os jogos do Thunder pelos próximos 30 anos. Vamos fazer isso!—, disse David Holt, prefeito da cidade, otimista com o resultado positivo em suas redes sociais.

O político ainda garantiu que os impostos não irão aumentar para a população; uma taxa da receita que já é gerada anualmente será realocada para a construção da arena.

Apesar do aumento dos gastos, manter o Thunder em Oklahoma City seria um bom investimento a longo prazo para a cidade, especialmente pelo momento da franquia. Atualmente, a receita gerada pelo time é de US$ 590 milhões anuais (R$ 2,9 bilhões).

Com Shai Gilgeous-Alexander e Chet Holmgren como rostos do time, o OKC tem a segunda melhor campanha da Conferência Oeste na temporada 2023-24, com 15 vitórias e apenas sete derrotas, e deverá voltar a disputar os playoffs depois de três anos se o ritmo for mantido.

Além disso, a capital de Oklahoma ainda é um mercado muito pequeno e inexplorado quando se trata de ligas esportivas dos Estados Unidos; além do Thunder, a cidade não é abrigo de nenhuma outra franquia, seja da NFL, MLB ou MLS.

Ou seja, manter uma equipe da NBA por lá é um grande atrativo. A arena ainda poderia ser usada para shows; hoje em dia, artistas optam por outras cidades do Estado porque a infraestrutura do Paycom Center não suporta esse tipo de evento.

Thunder x SuperSonics

Oklahoma City é a casa do Thunder desde 2007, quando  Howard Schultz, proprietário do Seattle SuperSonics, promoveu um leilão e vendeu a franquia por US$ 350 milhões (R$ 1,7 bilhões) para um grupo de investidores da capital de Oklahoma liderados por Clay Bennett. O negócio, que foi aprovado pelos donos da NBA, incluiu também o Seattle Storm, da WNBA.

O que os executivos da liga não sabiam é que Bennett tinha outros planos para os SuperSonics: mudar o time para Oklahoma City assim que o contrato com a KeyArena expirasse.

A própria cidade tentou processar o investidor para impedi-lo de fazer a mudança, mas o grupo conseguiu um acordo e pagou US$ 45 milhões (R$ 220 milhões) para deixar o local, sob a condição de mudar o nome, o logo e as cores do time, na intenção de preservá-los para uma possível nova franquia em Seattle.

Por ironia do destino, uma das cidades visadas pelos donos do Thunder caso a votação não seja favorável ao gasto de recursos públicos é justamente Seattle, por já ter torcedores e um mercado forte de ligas esportivas.

Isso, no entanto, atrapalharia os planos de Adam Silver em expandir a NBA com duas novas franquias: uma em Seattle, revivendo os SuperSonics, e outra em Las Vegas, começando do zero.

Escrito por Paola Zanon
Paola Zanon é jornalista formada pela Cásper Líbero, repórter e redatora com passagens pelo Notícias da TV, R7 e UOL Esporte. A carreira no jornalismo esportivo começou com a cobertura dos Jogos Pan-Americanos de 2019 pelo R7 até chegar ao Quinto Quarto em fevereiro de 2023. São-paulina de coração e apaixonada por basquete, futebol e viagens.