Messi na MLS: Liga dos EUA facilita possível chegada do craque

Pedro Rubens Santos | 10/03/2023 - 15:57

“Eu sempre tive o sonho de poder viver nos Estados Unidos e experimentar como é a liga de lá” — Lionel Messi.

Lionel Messi disse essas palavras em uma entrevista ao canal “La Sexta”, lá em dezembro de 2020. Depois dessa declaração, o astro ainda concluiu sua passagem pelo Barcelona e rumou para a França, onde assinou com o Paris Saint-Germain, seu clube atual.

O contrato com o PSG, porém, está próximo do fim. Restam apenas quatro meses no vínculo do argentino, e os rumores de uma nova transferência, que naturalmente esquentam a cada dia, ganharam ainda mais força com a eliminação do clube na Champions League — na última quarta-feira, os franceses caíram diante do Bayern de Munique.

Messi PSG Bayern Foto: Reprodução/Twitter @ChampionsLeague
PSG de Messi foi eliminado da Champions League pelo Bayern de Munique Foto: Reprodução/Twitter/@ChampionsLeague

Com o novo fracasso na competição, cuja conquista é o principal objetivo dos astronômicos investimentos feitos pelo clube francês, o futuro em Paris é incerto para as estrelas Neymar, Messi e Mbappé.

Entre os interessados em assinar com o melhor jogador da última Copa do Mundo está o Inter Miami, da MLS. Segundo o jornal inglês The Times, o clube se aproximou de Lionel Messi no final de 2022 com uma oferta recorde que faria dele o atleta mais bem pago da história da liga de futebol dos Estados Unidos.

MLS abre caminho para Messi

No calendário da temporada 2023, a MLS reservou jogos do Inter Miami para estádios gigantescos. Isso abre a possibilidade de um grande espetáculo e, consequentemente, uma renda considerável nestas partidas, caso Messi esteja presente.

Segundo o GE, o planejamento busca incentivar a ida do craque do PSG para a liga norte-americana. Em dezembro, um dirigente da equipe da Flórida anunciou, em uma reunião do torneio, que as chances de seu clube contratar o argentino eram de 70%.

A agenda de partidas do Inter Miami inclui jogos em seis dos nove maiores estádios da MLS: Bank of America Stadium, Mercedes-Benz Stadium, Gillette Stadium, Soldier Field, Yankee Stadium e BMO Field.

Bank of America Stadium Charlotte FC Foto: Reprodução/Instagram @bofastadium
O Bank of America Stadium, casa do Charlotte FC, é o maior estádio da MLS Foto: Reprodução/Instagram @bofastadium

Todos esses duelos serão realizados a partir de junho, data do fim da temporada europeia e também da conclusão do contrato de Messi com o PSG. Vale lembrar que a temporada regular do futebol nos Estados Unidos começou em fevereiro e vai até outubro.

Ou seja, caso o destino do atual melhor jogador do mundo seja mesmo a Flórida, será possível que torcedores de grandes cidades como Atlanta, Boston, Chicago, Nova York e Toronto lotem os estádios para vê-lo jogar. Nesse cenário, o astro chegaria no meio da temporada, mas ainda estaria disponível para esses confrontos importantes.

O último jogo do ano, inclusive, está marcado para o local com maior capacidade de público. O Bank of America Stadium, em Charlotte, na Carolina do Norte, tem espaço para receber quase 75 mil pessoas e será o palco da partida final do Inter, contra o Charlotte FC, antes dos playoffs.

Onde Messi vai jogar?

Essa é a pergunta de 1 milhão de dólares. O craque ainda tem futuro incerto, pois não assinou renovação com o PSG e tampouco oficializou sua ida para outro clube. Especula-se que Barcelona e Inter Miami sejam os destinos mais prováveis.

Outras equipes também cotadas para seduzir o vencedor do prêmio The Best, entregue em fevereiro pela Fifa, são alguns milionários da Premier League, como Chelsea, Manchester City e Manchester United, além do alemão Bayern de Munique.

Se o argentino realmente decidir levar seu talento para Miami, ainda segundo o GE, um brasileiro pode acabar sendo a vítima para o limite de quanto um time pode gastar. O clube avalia alterar o contrato do volante Gregore, ex-Bahia, para abrir espaço ao mega acordo com Messi.

Na MLS, cada franquia pode ter apenas três jogadores com vencimentos acima do teto salarial. Eles são chamados de designated players. Quem ocupa esse patamar no Inter Miami, atualmente, é Gregore, o venezuelano Josef Martínez e o mexicano Rodolfo Pizarro. Portanto, o acordo de um deles teria que ser reformulado e reduzido. Ou então, negociado com outro clube.