Micheal Pineda, pine tar e muita hipocrisia

Joao Fraga | 25/04/2014 - 18:15
Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

Infelizmente o assunto que dominou a MLB nesta semana não foi nenhuma jogada espetacular, muito menos uma atuação dominante. O acontecimento que mais rendeu comentários e análises acerca da MLB foi o caso Michael Pineda. O arremessador do New York Yankees entrou em campo com uma substância ilegal no seu pescoço. Pine tar, uma espécie de resina extraida do pinheiro e que melhora, consideravelmente, a aderência entre a bola e a a mão do arremessador, proporcionando mais firmeza ao apertar a bola.

Segundo as regras da MLB, “é proibido o uso de qualquer substância estranha no manejo da bolinha”. Dentre as tais substâncias ilegais, o pine tar é o mais comum, porém não é o único. Protetor solar e vaselina possuem um histórico imenso dentro da liga, sem falar no própio suor dos atletas que misturado com a terra do montinho forma uma lama pegajosa ideal para dar firmeza nos arremessos.

Pineda infringiu a regra e foi expulso de campo pelo ábitro principal. Quem “dedurou” Pineda foi o manager do Boston Red Sox, John Farrell, que apenas indicou algo que todos estavam enxergando. O arremessador dos Yankees exagerou, passou dos limites, era visível uma camada de pine tar em seu pescoço. Em sua defesa, Pineda alegou que a noite estava fria e que o pine tar ajudaria em um melhor contato com a bolinha.

Pineda não mentiu. Realmente a noite em Boston estava fria, prejudicando o contato da bola com a mão. Os grandes erros de Pineda foram o local escolhido e a quantidade escolhida de pine tar. Tanto é que ninguém de dentro da MLB se espantou com o uso da substância. A grande surpresa ficou por causa do descuido de Pineda, que deveria ter sido mais cauteloso. E por que isso? Ora, porque todos que convivem com o baseball diariamente sabem que o uso de qualquer substância na bolinha é comum. E mais que isso, o pine tar, assim como outras substâncias não interferem na qualidade e eficiência dos arremessos.

Pineda não foi o primeiro, muito menos o último. Todavia, todos sabem que isso é ilegal e que pode acarretar em suspensão do atleta. O grande problema está na direção da MLB. Os mandatários da liga fecham os olhos para essa questão, se encolhem por trás da regra, sem discuti-la, sem revisá-la, sem ao menos buscar um melhor entendimento e um diálogo com os jogadores, que também são hipócritas, só pensam no seu desempenho individual e são os primeiros a denunciar seus companheiros “fora da lei”. E com isso a hipocrisia reina no melhor baseball do mundo. Michael Pineda é o bode expiatório da vez.

 

 

Escrito por Joao Fraga
Nature agronome. Un Viking de São Paulo qui aime le Brésil, mais qui encourage les Twins des Twin Cities. Il reprend ses études de journalisme et écrit pour Quinto Quarto. Il préfère les lacs aux loups gris et a une véritable passion pour la nature sauvage.