Com Mariano Rivera perfeito, Hall da Fama do beisebol ganha quatro integrantes

André Garda | 22/01/2019 - 21:46
Mariano Rivera, ex-fechador do New York Yankees
(Crédito: Instagram/reprodução)

O Hall da Fama do beisebol anunciou, nesta terça-feira, os seus novos integrantes. O mais marcante foi o quarto nome revelado durante a cerimônia. Mariano Rivera, fechador do New York Yankees e último jogador a vestir a camisa 42 (e provavelmente único a entrar em Cooperstown com o número de Jackie Robinson), se tornou o primeiro jogador na história a receber 100% dos votos. Junto com ele, Edgar Martinez e os arremessadores Mike Mussina e Roy Halladay tiveram os seus nomes eternizados.

Curt Schilling, com 60,9% dos votos, foi o nome que ficou de fora mais perto de atingir os 75% necessários, seguido de Roger Clemens (59,9%) e Barry Bonds (59,1%), dois jogadores que tiveram problemas com doping na sua carreira.

Mariano Rivera entrou na Major League Baseball em 1995 e atuou suas 19 temporadas pelo New York Yankees. Jogador com mais saves na história da liga (652), o panamenho de 49 anos conquistou a World Series em cinco oportunidades, sendo MVP em uma oportunidade. Além disso, ele foi 13 vezes All-Star, liderou a MLB em saves três vezes, conquistou oito prêmios de relievers e ainda levou o Comeback Player of the Year da Liga Americana em 2013.

Entrando sempre com Enter Sandman em campo, Rivera tem ERA de 2,21, Whip de 1 e 1.173 strikeouts em 1.115 partidas e 1.283 2/3 entradas. Na pós-temporada ele tem o incrível ERA de 0,70, 42 saves em 47 oportunidades e 110 strikeouts em 141 entradas.

Edgar Martinez, que estava em sua última oportunidade de entrar no Hall da Fama pelo meio tradicional, teve 85,4% dos votos. Slugger do Seattle Mariners entre 1987 e 2004, ele foi cinco vezes Silver Slugger, sete vezes All-Star, liderou a Liga Americana em RBIs em uma oportunidade e em aproveitamento no bastão duas vezes. Ele ainda ganhou o Roberto Clemente Award.

Natural de Nova York, o ex-rebatedor designado e terceira base de 56 anos, teve aproveitamento no bastão de 32,1%, com 2.247 rebatidas, 309 home runs e 2.261 corridas impulsionados ao longo de sua carreira.

Roy Halladay, que morreu em acidente de avião em novembro de 2018 e estava em seu primeiro ano de elegibilidade, teve 85,4% dos votos e sua família foi lembrada na hora do anúncio. O ex-arremessador do Toronto Blue Jays e do Philadelphia Phillies venceu o prêmio Cy Young duas vezes, liderou a MLB em vitórias em duas oportunidades e ainda foi oito vezes All-Star.

Ao longo de sua carreira, o ex-jogador que faleceu aos 40 anos teve 203 vitórias e 105 derrotas. Seu ERA foi de 3,38 e ele ainda teve 2.1117 strikeouts. Além disso, ele teve um no-hitter na pós-temporada de 2010 e teve, no mesmo ano, um perfect game.

Mike Mussina, ex-arremessador do New York Yankees e do Baltimore Orioles, foi uma das surpresas dessa classe e teve 76,7% dos votos. Ao longo de sua carreira, o ex-jogador de 50 anos teve 270 vitórias e 153 derrotas, com 3,68 de ERA e 2.813 strikeouts. Ele foi cinco vezes All-Star e venceu sete Luvas de Ouro.

Escrito por André Garda
Amante de esportes em geral e ex-jogador de beisebol. Apesar de preferir o passatempo americano e torcer pelo New York Yankees, me redimo ao acompanhar o sofrido Miami Dolphins na NFL e fico sem time da NBA.