Conheça os cinco melhores Mr. Irrelevant da história da NFL

André Garda | 25/04/2019 - 08:00
Ryan Succop, kicker do Tennessee Titans e Mr. Irrelevant de 2009
(Crédito: Twitter/reprodução)

Todo ano, por bem ou por mal, todos os sites especializados sérios acabam dando alguma atenção para o Mr. Irrelevant – último jogador a ser selecionado no draft da NFL. Contudo, até por terem sido uma escolha longínqua, eles acabam sendo esquecidos ao longo do tempo.

Sabendo disso, o Quinto Quarto separou uma lista especial com os cinco Mr. Irrelevant que tiveram mais destaque na história da liga. Além disso, colocamos um bônus no final do texto que irá trazer um pouco de história sobre este termo maravilhoso.

Ryan Succop

Última escolha geral do draft de 2009, o kicker do Tennessee Titans talvez seja o Mr. Irrelevant mais bem-sucedido da história da National Football League.

Depois de atuar no college por South Carolina, Succop foi escolhido na 256ª escolha pelo Kansas City Chiefs, equipe em que atuou até 2013. Após cinco anos no time do Missouri, ele foi contratado pelos Titans.

Uma curiosidade é que sua primeira partida pela equipe de Nashville foi justamente contra seu ex-time e ele acertou quatro field goals e todos os extra points. Como acertou 19 de 22 chutes naquele ano (2014), ele recebeu uma extensão de três anos e US$ 7,2 milhões.

Em sua carreira, Ryan Succop tem 83,6% de aproveitamento, sendo 235 field goals convertidos em 281 tentativas, sendo o mais longo de 54 jardas e, pelo menos, um de 51 jardas por temporada. Ele também tem o recorde de mais field goals consecutivos com 50 jardas ou menos.

Michael Green

Depois de jogar por Northwestern State, o defensive back natural da Louisiana foi escolhido na 254ª escolha do draft de 200 pelo Chicago Bears (2000-05). Sua carreira foi até 2008, ano em que se aposentou vestindo a camisa do Washington Redskins após não receber uma renovação contratual.

Green ainda vestiu as cores do Seattle Seahawks entre 2006 e 2007.

Ao longo de sua carreira, em que foi titular por duas temporadas com os Bears, o safety somou 426 tackles, seis sacks, quatro interceptações, 21 passes desviados e sete fumbles forçados.

Marty Moore

O linebacker, que foi de Kentucky no college, passou oito temporadas no New England Patriots, equipe que o selecionou na 222ª do draft de 1994. Com o time de Massachusetts, ele conquistou o Super Bowl XXXVI.

Moore ainda defendeu o Cleveland Browns em 2000 e finalizou sua carreira nos Pats em 2001.

Em 112 jogos na NFL, esse Mr. Irrelevant somou três interceptações, dois fumbles forçados e 146 tackles.

Jim Finn

Este fullback mostrou uma história de superação após ter sido a 253ª escolha de 1999. Escolhido pelo Chicago Bears, o jogador de Pennsylvania não atuou na NFL naquele ano e só teve sua primeira chance no ano seguinte pelo Indianapolis Colts (2000-2002).

Finn também teve passagem pelo New York Giants (2003-2007), equipe com a qual conquistou o Super Bowl XLII.

Ele somou 60 recepções para 423 jardas e um touchdown, além de 11 corridas para 30 jardas na sua carreira.

Matt Elliott

O guard de Michigan foi a 336ª escolha do draft de 1992. Escolhido pelo Washington Redskins, time em que jogou duas temporadas, Elliott também ficou três anos no Carolina Panthers.

No total, ele foi titular em 34 os 63 jogos que disputou na NFL.

Bônus: Jacque MacKinnon

Talvez o nome com mais sucesso desta lista não seja um verdadeiro Mr. Irrelevant. Isso porque o termo só passou a ser utilizado em 1976. Kelvin Kirk tem a honra – ou não – de ter sido o primeiro Mr. Irrelevant oficial.

Esse fullback/tight end foi escolhido na 280ª rodada do darft da NFL em 1961 e, no ano seguinte, na 264ª escolha do draft da AFL.

MacKinnon defendeu o San Diego Chargers entre 1961 e 1969 e ainda teve um ano de carreira no Oakland Raiders (1970).

Ele tem 112 recepções para 2.109 jardas e 20 touchdowns, além de 86 corridas para 381 jardas e dois TDs.

Além disso, o jogador de Colgate Raiders foi duas vezes All-Star na AFL, uma vez segunda equipe da AFL, campeão da AFL em 1963 e é membro do Hall da Fama dos Chargers.

Escrito por André Garda
Amante de esportes em geral e ex-jogador de beisebol. Apesar de preferir o passatempo americano e torcer pelo New York Yankees, me redimo ao acompanhar o sofrido Miami Dolphins na NFL e fico sem time da NBA.