Play-in NBA: Como Lakers e Warriors podem acabar frente a frente mais uma vez

Matheus Costa | 16/04/2024 - 12:33

Duas das principais forças da NBA, o Los Angeles Lakers e o Golden State Warriors travaram grandes batalhas na temporada regular e proporcionaram grandes jogos para os fãs. Mesmo com um desempenho abaixo da média das duas franquias, um próximo embate ainda pode acontecer. Afinal, as duas equipes fazem parte dos quatro times que disputam o Play-In, o tradicional formato de repescagem para disputar as duas últimas vagas dos playoffs.

Os duelos começam nesta terça-feira (16) entre Pelicans contra Lakers às 20h30, e Warriors contra os Kings às 23h (horário de Brasília). No entanto, trata-se de quatro times bastante competitivos que prometem proporcionar duelos de tirar o fôlego dos torcedores, e o peso das camisas das duas franquias campeãs pode fazer a diferença na hora decisiva.

Por isso, o Quinto Quarto preparou uma prévia sobre as quatro equipes do play-in da Conferência Oeste, sobre como funciona o formato da repescagem da NBA e como os futuros de Warriors e Lakers podem, mais uma vez, se cruzarem na disputa por uma vaga nos playoffs.

Como funciona o formato do play-in?

Criado para a temporada de 2020 com a premissa de dar mais uma chance às equipes que tiveram boas campanhas na primeira fase de jogarem os playoffs, o formato do play-in se tornou um sucesso automático e criou duelos épicos desde sua primeira edição.

Neste ano, pela conferência oeste, o New Orleans Pelicans (7°) encara o Los Angeles Lakers (8°) e o vencedor garante uma vaga direta aos playoffs para enfrentar o Denver Nuggets. Quem perder este confronto irá enfrentar o vencedor do jogo entre Sacramento Kings (9°) e Golden State Warriors (10°) para definir o oitavo colocado, que enfrenta Oklahoma City Thunder.

Logo, existe a possibilidade de um novo confronto entre Lakers e Warriors pelo formato do play-in, assim como aconteceu em 2022-23. Se a franquia de Los Angeles for derrotada pelos Pelicans, basta uma vitória de Golden State sobre Sacramento para o confronto voltar a acontecer para definir a última vaga.

Destaques do New Orleans Pelicans

Zion Williamson foi o grande destaque dos Pelicans na temporada da NBA (Foto: Icon Sport)
Zion Williamson foi o grande destaque dos Pelicans na temporada da NBA (Foto: Icon Sport)

Os Pelicans foram surpreendidos com a disputa do play-in, já que deixaram a vaga direta aos playoffs escapar na última rodada, justamente com uma derrota para o Los Angeles Lakers. Mesmo assim, a equipe teve uma boa temporada e chega para fazer frente por uma vaga.

O grande destaque da equipe na temporada foi Zion Williamson, que superou as polêmicas externas e, enfim, assumiu o protagonismo da equipe em quadra. Com a maior quantidade de jogos de sua carreira, o ala-pivô foi o cestinha da franquia com médias de 22,9 pontos, 5,8 rebotes e 5,0 assistências por partida.

Além dele, Brandon Ingram voltou a se destacar com médias de 20,8 pontos, 5,1 rebotes e 5,7 assistências, sendo o garçom da equipe na temporada. Por outro lado, o veterano CJ McCollum performou bem com médias de 20,0 ponto, 4,6 assistências e 4,3 rebotes. Não menos importante, o pivô Jonas Valanciunas foi novamente peça importante na defesa de New Orleans, com médias de 12,2 pontos e 8,8 rebotes.

Destaques do Los Angeles Lakers

LeBron James e Anthony Davis lideraram novamente os Lakers na temporada (Foto: Icon Sport)
LeBron James e Anthony Davis lideraram novamente os Lakers na temporada (Foto: Icon Sport)

Com um desempenho abaixo do esperado em muitos momentos do ano, o Los Angeles Lakers mostrou novamente a força de suas estrelas nos momentos decisivos para conseguir chegar ao play-in em busca de uma vaga nos playoffs.

Para a surpresa de absolutamente ninguém, o ‘Rei’ LeBron James teve mais uma temporada histórica ao se tornar o maior pontuador da história do basquete mundial. De quebra, ele liderou os Lakers em pontos, assistências e roubadas de bola na temporada, registrando médias de 25,7 pontos, 8,3 assistências, 7,3 rebotes e 1,3 roubada de bola por jogo aos 39 anos.

O pivô Anthony Davis também foi bastante importante na tumultuada temporada dos Lakers. Liderando a equipe em rebotes e tocos, o ‘monocelha’ registrou médias de 24.7 pontos, 12,6 rebotes, 3,5 assistências, 2,3 tocos e 1,2 roubadas de bola. Dois coajuvantes também foram fundamentais na rotação: o armador D’Angelo Russell com médias de 18,9 pontos e 6,3 assistências, e o ala-armador Austin Reaves com 15,9 pontos e 5,5 assistências por jogo.

Destaques do Sacramento Kings

De'Aaron Fox e Domantas Sabonis brilharam na temporada do Sacramento Kings (Foto: Icon Sport)
De’Aaron Fox e Domantas Sabonis brilharam na temporada do Sacramento Kings (Foto: Icon Sport)

Convivendo com muitos problemas na defesa ao longo da temporada, o Sacramento Kings foi, sem dúvidas, um dos times mais empolgantes no setor ofensivo. Nono colocado na conferência oeste, a capacidade ofensiva da franquia da Califórnia impressionou em diversos momentos do ano na NBA.

O armador De’Aaron Fox registrou a melhor temporada de sua carreira ao quebrar seu recorde de média de pontos com 26,6 pontos, 5,6 assistências, 4,6 rebotes e 2,0 roubadas de bola por jogo com 74 aparições. Além dele, o ala-pivô Domantas Sabonis teve um ano histórico ao quebrar o recorde de duplos-duplos em uma só temporada com 74. Ele liderou os Kings em rebotes e assistências no ano, registrando médias de 19,4 pontos, 13,7 rebotes e 8,2 assistências.

Três coadjuvantes também se destacaram na rotação dos Kings durante o ano. O ala-armador Malik Monk anotou médias de 15,4 pontos e 5,1 assistências, enquanto o ala-pivô Keegan Murray marcou 15,2 pontos e 5,5 rebotes. Por fim, o ala veterano Harrison Barnes 12,2 pontos e 3 rebotes por partida.

Destaques do Golden State Warriors

Curry foi, novamente, a estrela do Golden State Warriors no ano (Foto: Icon Sport)
Curry foi, novamente, a estrela do Golden State Warriors no ano (Foto: Icon Sport)

Em uma temporada bem conturbada com diversos problemas dentro e fora de quadra, o Golden State Warriors ainda, sim, mostrou sua força para conseguir a última vaga da disputa do play-in. Mesmo que tenha sido de forma atabalhoada.

O grande destaque da temporada foi o armador Stephen Curry, que foi o cestinha da equipe com 26,4 pontos, 5,1 assistências e 4,5 rebotes por jogo. Além dele, o veterano Klay Thompson também cresceu no fim do ano e construiu médias de 17,9 pontos e 3,3 rebotes.

A grata surpresa do ano dos Warriors foi o crescimento do ala-pivô Jonathan Kuminga, que ‘explodiu’ para marcar 16,1 pontos e 4,8 rebotes por jogo. Outro coadjuvante de luxo, Andrew Wiggins teve um ano mais tímido, marcando 13,2 pontos e 4,5 rebotes por partida. O armador veterano Chris Paul liderou a equipe em assistências e roubadas de bola com médias de 9,2 pontos, 6,8 assistências, 3,9 rebotes e 1,2 roubadas de bola. Enquanto isso, Draymond Green foi o grande reboteiro da franquia, com médias de 8,6 pontos, 7,2 rebotes e 6,0 assistências por jogo.

Escrito por Matheus Costa
Matheus Costa é jornalista, repórter e redator com passagens por MMA Brasil, LANCE!, O Dia, Yahoo! e outros. Sua carreira no jornalismo iniciou na cobertura do MMA, depois se expandindo para a cobertura do futebol e dos bastidores de televisão esportiva brasileira. Já cobriu in loco eventos de MMA, futebol, basquete e jiu-jítsu.