All-Star Game NBA deveria seguir modelo do Jogo das Estrelas NBB 2024?

Paola Zanon | 15/03/2024 - 08:00

O All-Star Game da NBA em 2024 reforçou ainda mais as críticas sobre a falta de competitividade, principalmente pelo alto número de arremessos da linha dos três pontos.

A ausência de dribles, tocos, infiltrações e um contra um acabaram deixando o jogo maçante, apesar de ter grandes nomes como LeBron James, Giannis Antetokounmpo, Nikola Jokic e Stephen Curry em quadra.

Algumas regras que fogem do regulamento da NBA poderiam ser implementadas para tornar o evento mais interessante, já que o objetivo não é fazer um jogo sério, e sim, algo mais festivo —como a própria liga e os jogadores descrevem.

Mas um bom modelo a ser seguido é o do Jogo das Estrelas NBB, que acontece entre sexta-feira (15) e sábado (16), com as principais estrelas do basquete brasileiro.

All-Star Game NBA x Jogo das Estrelas NBB

O formato do evento em 2024 traz uma novidade que poderia melhorar —e muito— o All-Star Game da NBA: quatro times disputam semifinais para, então, decidir os finalistas e o grande vencedor.

As equipes, lideradas por Márcio (Franca), Larry Taylor (Bauru), André Góes (Unifacisa) e Elinho (Corinthians), entram em quadra no sábado, primeiro para as semifinais. Os dois times vencedores disputarão a final no mesmo dia.

Apesar do clima também festivo e da amizade entre os jogadores, todos eles já deixaram clara a vontade de vencer; esse é um evento que todos os convocados querem participar. Quem avançar para as finais, terá mais oportunidade para isso —o que torna toda a coisa bem mais competitiva.

— Esse sistema favorece a competitividade. A gente quer estar aqui, isso já mostra a competitividade. A gente quer jogar, quer ganhar, até mesmo pela resenha de zoar os caras—, avaliou Elinho, capitão do Time Brasil 2.

Além de aumentar a competitividade do All-Star Game, a possibilidade de ter quatro times no evento também dá oportunidade para mais jogadores, que pela votação popular, acabam ficando de fora. Este ano, por exemplo, nomes como James Harden, Domantas Sabonis e De'Aaron Fox não participaram do evento.

A única coisa em comum entre o evento dos Estados Unidos e do Brasil é o dia de torneios individuais e jogos dos novatos, que seguem os mesmos moldes da NBA. Na sexta, haverá competição de enterradas, habilidades e três pontos, bem como o Desafio de Novas Estrelas, com os calouros do NBB.

E o desgaste físico?

Uma das questões mais levantadas por técnicos e jogadores para não levar o All-Star Game tão a sério assim é o desgaste físico dos jogadores bem na reta final da temporada regular da NBA.

De fato, para os times que avançarem para a final, o desgaste físico será maior. Em compensação, o tempo de jogo é bem menor —assim como já acontece no Rising Stars, que desde o ano passado, segue o formato de semifinal e final.

Nas semifinais, vence quem chegar aos 40 pontos primeiro, e a final vai até os 25 pontos. Os jogos do evento do NBB terão dois tempos de seis minutos cada.

Com tempo de quadra reduzido e o formato mata-mata, os jogadores não sofreriam tanto com o desgaste físico e passariam a ser mais competitivos, tornando o All-Star Game um evento mais atraente para o público.

Escrito por Paola Zanon
Paola Zanon é jornalista formada pela Cásper Líbero, repórter e redatora com passagens pelo Notícias da TV, R7 e UOL Esporte. A carreira no jornalismo esportivo começou com a cobertura dos Jogos Pan-Americanos de 2019 pelo R7 até chegar ao Quinto Quarto em fevereiro de 2023. São-paulina de coração e apaixonada por basquete, futebol e viagens.