Jon Jones luta neste sábado pelo posto de ‘maior da história’ do MMA

Igor Ribeiro | 03/03/2023 - 21:38

Ele está de volta. Após três anos parado, Jon Jones retorna ao palco que o consagrou como lenda do MMA e, no UFC 285 deste sábado (4/3), tem a chance de acabar com a discussão de o “maior de todos os tempos”. Contra Ciryl Gane, o norte-americano estreia nos pesos-pesados (até 120,2kg) e busca fazer história mais uma vez.

Em sua última apresentação, Jon superou Dominick Reyes pelo título dos meio-pesados (até 93kg.), no confronto que aconteceu em fevereiro de 2020. O duelo causou polêmica pelo equilíbrio técnico entre os lutadores, mas parecia ser o ponto de partida de “Bones” na categoria. Sedento por desafios, o norte-americano optou por se afastar com o intuito de preparar sua sonhada transição aos pesados. Ele também tentava um novo e atrativo contrato com o UFC. E teve êxito em ambos.

– Eu acho que Deus me abençoou com grande talento e é meu dever colocá-lo em jogo. Não tenho nada a provar, mas quero inspirar as pessoas no futuro – declarou Jones em coletiva de imprensa.

Devorador de lendas

Aos 35 anos, Jones não é apenas mais um lutador de MMA. Ele soma um cartel de 26 resultados positivos e apenas um negativo. O revés, inclusive, nem foi uma “derrota” pelo caminho comum. Diante de Matt Hamill, ele foi desclassificado por cotoveladas ilegais, enquanto brutalizava o rival no cage. O domínio foi tão claro que até mesmo o presidente do UFC, Dana White, tentou reverter sem sucesso o resultado.

Jon é um verdadeiro devorador de lendas. No UFC desde 2008, já venceu sete outros campeões de sua antiga categoria – com Maurício Shogun, Vitor Belfort, Glover Teixeira e Lyoto Machida, todos brasileiros, na lista de vítimas-. Tudo isso depois de se tornar o campeão mais jovem da história da organização, aos 23 anos.

12 anos depois, a história mudou. Algumas lendas já se aposentaram, enquanto outros grandes nomes surgiram e desapareceram com derrotas. E Jon Jones segue perto do topo, apesar de afastado. Passe o tempo que for, o legado já está construído.

Um desafio e tanto…

A geração mudou. E, se mudou, novos e mais fortes atletas apareceram. Um dos maiores nomes é, justamente, o de seu rival neste sábado. Ciryl Gane começou sua carreira em 2018, quando Jones já havia batido todos os lutadores já citados. Ainda assim, o francês teve uma ascensão meteórica e é tido, por muitos, como o nome a quebrar mais um ícone do esporte.

No maior compromisso de sua carreira, Gane vislumbra vestir pela primeira vez o cinturão linear no Ultimate. O francês vem de triunfo diante de Tai Tuivasa, em luta no UFC Paris em outubro de 2022 e totaliza um retrospecto é de 11 vitórias e uma derrota. Contudo, o destaque de Gane não se restringe ao cartel. Com movimentação particular, o lutador sequer faz lembrar a geração mais antiga de pesos-pesados, que dependiam apenas de um golpe singular.

É o tipo de lutador que combina estratégia, precisão e muito talento. Para os entusiastas, poderia até mesmo competir nos meio-pesados. Seria ele o nome certo para bater a cara do esporte e trazer à tona a discussão sobre quem seria o melhor de todos os tempos? É hora do show!

Jones x Gane – A encarada

Estrelas principais do UFC 285, Jon Jones e Ciryl Gane ficaram frente a frente pela última vez antes de medirem forças no octógono em Las Vegas. Na encarada para o evento, realizada nesta sexta-feira (3/3), os lutadores se encararam fixamente, em clima amistoso. Eles se enfrentam na madrugada de sábado para domingo pelo cinturão vago dos pesos-pesados (até 120,2kg).

Escrito por Igor Ribeiro
Igor Ribeiro é especialista em lutas e MMA e começou a carreira na área como redator e repórter do site Super Lutas, até se tornar coordenador. Foi reporter do Quinto Quarto até julho de 2023.