Lutas e MMA

Ares FC 2: fomos ao evento 100% francês de MMA!

Sábado, 11 de Dezembro de 2021, o Palais des Sports Marcel Cerdan em Levallois-Perret acolheu um evento algo especial, o Ares FC 2. Neste sábado, o salão que é tão acostumado a receber jogadores de basquete de Levallois Metropolitans, recebeu atletas de uma categoria completamente diferente. Desta vez, sem bolas, sem camisas, e até mesmo mesmo sapatos. Ao invés de tudo isso, uma gaiola, luvas e proteções bucais. Este é de fato o lugar que Fernand Lopez escolheu para acolher a segunda edição do Campeonato de Luta de Ares, esta liga 100% francesa de MMA que ele criou em 2019.

ARES FC 2

O UFC tinha anunciado que queria terminar o ano com um estrondo e criar um cartão de altíssima qualidade para o seu último combate do ano. Seguindo os passos do seu modelo, o Ares FC também colocou a barra muito alta, oferecendo nada menos que 10 combates, em mais de 6 categorias de peso diferentes (do peso vivo ao peso pesado). Um bom desempenho, considerando quão desigual é o nível nas categorias de peso mais elevadas no circuito europeu.

UM CARTÃO QUE CORRESPONDE ÀS EXPECTATIVAS

O trabalho meticuloso e complexo de fazer jogos compensou e esteve à altura da propaganda criada por “Le King” e os meios de comunicação especializados, uma vez que, das 10 lutas, apenas 3 foram para os juízes.

Ares 2 permitiu-nos testemunhar uma magnífica vitória por TKO do jovem em perspectiva Marsel Sychev (1-0), que pavimentou o seu adversário com uma soberba combinação direita 1-2, gancho esquerdo. O seu adversário, o polaco Pawel Biernat (2-0), não conseguiu encontrar soluções contra um adversário demasiado poderoso, e não deixou ao árbitro outra alternativa que não fosse terminar a luta no primeiro round.

ARES FC 2: SURTOS IMPREVISÍVEIS

Se os batedores não foram deixados de fora durante esta noite, foram sobretudo as submissões que estiveram no foco, mesmo em categorias normalmente reservadas aos lutadores. A vitória por submissão de Benjamin Sehicily (4-0) sobre Aboubacar Bathily (7-4) poderia ter surpreendido mais do que uma, porque poucos teriam apostado numa vitória por submissão para aquele que apresenta medidas de 2m por 120kg.

O confronto entre os “dois guerreiros Vikings” Emil Meek (9-5) e Louis Glismann (8-2) também teve a sua boa dose de surpresas. No papel, Louis Glismann não era o favorito: substituindo Thibault Gouti de última hora, o dinamarquês parecia ter poucas hipóteses contra o seu adversário, um antigo combatente UFC (4 combates). Logicamente, muitos esperavam uma vitória rápida. Depois de algumas trocas de golpes impressionantes, Glismann conseguiu trazer o seu oponente ao chão, onde ele cometeu o erro de o deixar tomar suas costas. Depois de um tempo na má posição, Meek levantou-se e parecia ter se livrado do seu oponente. Porém na realidade, ele aproveitou a oportunidade para aperfeiçoar a sua posição e lançou uma deslumbrante chave de braço do nada. Sob a dor, Meek não teve outra escolha senão bater e admitir a derrota. Uma vitória rápida, porém não aquela que todos esperávamos.

UM EVENTO DIGNO DA UFC

O evento principal foi sem dúvidas digno de uma luta UFC: entre os quatro, os principais lutadores (Lapilus, Reis, Contini e Abdouraguimov) acumularam nada menos que 87 lutas, incluindo mais de 15 no UFC.
A primeira luta no evento principal colocou Abdoul “Rei Preguiçoso” Abdouraguimov (12-1 e ex-campeão do Brave FC) contra Luciano Contini (13-3). Abdouraguimov fez barulho no Palácio dos Esportes assim que entrou na sala, com aquela mistura de descontração e anátema que lhe é própria. Famoso por ser um excelente lutador e muito completo no chão (evidenciado por sua faixa preta no jiu-jitsu brasileiro), o “Rei Preguiçoso” (Lazy King) também fez show na gaiola, conseguindo ditar seu ritmo e trazer a luta para o chão. Ele levou menos de um round para vencer por submissão, em uma luta que ele dominou do início ao fim.

“Fernand, me dê os 10.000 euros!”

Conhecido por suas acrobacias (ele celebrou notavelmente sua vitória realizando várias manobras), Abdouraguimov aproveitou a entrevista para desafiar Fernand Lopez com o bônus de 10.000 euros prometido ao lutador mais agressivo. Este “Fernand, dê-me os 10.000 euros!” fazia lembrar o famoso “Dana! 50Gs baby! “disse McGregor a Dana White, e os aplausos do público pareceram validar suas palavras.

Ares FC 2

Abdoul Abdouraguimov, logo após sua vitória por submissão.

Foi, portanto, em uma sala aquecida que ocorreu o evento principal entre Taylor Lapilus (16-3) e Wilson Reis (24-11). O francês anunciou seu desejo de terminar a luta prematuramente, vencendo por KO ou submissão . Ele havia nos explicado, em particular, que havia treinado boxe com isto em mente. Por sua vez, o brasileiro Wilson Reis, veterano do UFC e verdadeiro prodígio do jiu-jitsu brasileiro (vários títulos de campeão mundial) quis logicamente trazer a luta ao chão. O resultado foi uma luta dinâmica e equilibrada, durante a qual os dois lutadores tiveram muito boas aberturas (em golpes ou no chão). Lapilus acabou vencendo por decisão unânime dos juízes (27-30). Amigável e bom jogador, seu adversário reconheceu a superioridade do francês e o parabenizou com um aplauso estrondoso do público, que veio em grande número.

A aposta para o Ares FC 2 foi uma aposta ambiciosa: oferecer o maior evento de MMA em solo francês desde a chegada do Bellator em 2020. Mas o evento correspondeu às expectativas, e foi até mais além. O Ares FC 2 foi um grande momento de convívio, e acima de tudo um grande momento de esporte, onde os melhores ombros se esfregaram com os melhores, como havia sido anunciado.
Sem cansaço, Fernand Lopez já formalizou o Ares FC 3, que com toda a probabilidade deveria acontecer em Paris, no ano que vem, 2022. A saga continua…

Popular

Copyright © 2015-2021 - https://www.quintoquartobr.com/

+18 Jogue com responsabilidade


Copyright QuintoQuartoBR

To Top