NFL

Lesões no futebol americano: entenda as mais comuns

Nós amamos de paixão o futebol americano. E você que está lendo este texto aqui no Quinto Quarto provavelmente também. Mas as lesões no futebol americano são comuns, afinal é um esporte de extremo contato e muito intenso.

Contudo, muitas pessoas, quando leem os termos em inglês, não sabem exatamente o que são essas lesões no futebol americano. E é por isso que estamos aqui.

Neste conteúdo especial que o Quinto Quarto está preparando, vamos trazer algumas das lesões mais comuns no esporte da bola oval. E explicar de maneira simples (sem entrar em muitos detalhes técnicos) o que cada uma significa.

Vamos conhecer mais sobre as lesões no futebol americano?

Tipos mais comuns de lesões no futebol americano:

Distensão no músculo posterior da coxa (hamstring strain)

Os músculos isquiotibiais, mais conhecidos como músculos da parte posterior da coxa, se estendem da parte inferior das nádegas até a parte de trás dos joelhos.

Ao sofrer uma lesão deste tipo, o atleta geralmente sente uma dor aguda e repentina na parte de trás da coxa, geralmente levando a mão até o local. Normalmente, ocorre na corrida ou ao efetuar um chute ou movimento que exige uma grande extensão da perna.

Demais lesões musculares

Lesões musculares no geral estão entre as mais frequentes em jogadores de futebol americano.

As distensões e rupturas musculares ocorrem a todo momento no esporte, geralmente nos músculos da parte posterior da coxa e no quadríceps (parte frontal da coxa ou parte anterior da coxa).

Lesões nos ligamentos do joelho

Os ligamentos são os responsáveis pela conexão dos ossos. E quatro ligamentos do joelho prendem o osso da coxa ao osso da canela:

Ligamento cruzado anterior (LCA ou ACL, em inglês) – localizado no centro do joelho, ele controla o movimento para a frente e a rotação do osso da canela;

Ligamento cruzado posterior (LCP ou PCL, em inglês) – igualmente localizado no centro do joelho, ele impede que a canela deslize para trás;

Ligamento colateral medial (LCM ou MCL, em inglês) – localizado na parte interna do joelho, proporciona estabilidade à parte interna da articulação;

Ligamento colateral lateral (LCL, tanto em português quanto em inglês) – localizado na parte externa do joelho, proporciona estabilidade ao joelho externo.

Geralmente, nestas lesões no futebol americano, vemos a variante “torn” acompanhada, que nada mais é do que a ruptura ou rompimento do ligamento. Eventualmente, há a “sprain”, que é a entorse ligamentar, esta menos grave.

Quando há contusões nestes ligamentos, os jogadores são impedidos de dobrarem o joelho adequadamente.

Geralmente, essas lesões ocorrem quando há mudança de direção repentina ao correr e quando há pancadas diretas no joelho. São lesões no futebol americano muito comuns.

Problema no manguito rotador (rotator cuff)

O manguito rotador apoia o braço na articulação do ombro. Quatro músculos compõem o manguito rotador e eles são essenciais para estabilizar a articulação.

Os sintomas deste tipo de lesão geralmente envolvem dores que se desenvolvem de maneira repentina no ombro e, em alguns casos, os atletas podem ter uma sensação de ruptura. A dor pode ser intensa e espalhar pelo braço.

Entorse no tornozelo (ankle sprain)

As entorses no tornozelo são lesões bastante frequentes nos esportes e, sobretudo, no futebol americano. As entorses podem ser leves a graves.

Um atleta de futebol americano pode até continuar a treinar ou jogar se a entorse for leve. Mas caso ele continue a praticar o esporte com uma entorse mais severa, ele pode lesionar ainda mais o local ou desacelerar o processo de reabilitação.

Problema no tendão de Aquiles (Achilles)

A tendinite no Aquiles é comum e causa dores, inflamação e há até mesmo o potencial para uma degeneração do tendão de Aquiles, que é localizado na parte de trás do tornozelo.

Os sintomas variam de agudos (que são resolvidos em poucas semanas) até crônicos e duradouros. Os sintomas agudos geralmente causam mais dores e podem impedir que um jogador entre em campo. Já os problemas crônicos podem acompanhar o atleta mesmo quando ele joga, mas podem afetar o desempenho.

A ruptura no tendão de Aquiles (torn Achilles) também é uma lesão comum e, geralmente, tira o atleta de combate por mais de seis meses.

Joelho do saltador (Jumper’s Knee)

Também conhecida como tendinite patelar, a contusão chamada de joelho do saltador é responsável por causar dores no tendão que liga a patela à canela.

A lesão chamada de Jumper’s Knee é uma contusão de desgaste causado por esforço repetitivo.

Dor na canela

As dores na canela são comuns em jogadores de futebol americano. Geralmente, os médicos tratam esses problemas como síndrome do estresse tibial.

A dor é o resultado da inflamação dos músculos, tendões e do tecido ósseo ao redor da tíbia ou do osso da canela.

Ainda que não seja um problema considerado sério, a dor por ser intensa e levar a complicações mais severas caso não seja tratada de maneira apropriada com gelo, repouso e alongamento.

Geralmente, é uma contusão causada por mudanças nas atividades, corridas em excesso, e utilização de calçados velhos ou inadequados. O fato de o atleta ter pés chatos pode favorecer esta condição.

Fratura por estresse no metatarso (metarsal stress fractures)

Uma fratura por estresse no metatarso é uma fratura muito fina em um dos ossos do pé. Os ossos do metatarso são ossos longos e delgados localizados entre o meio do pé e os dedos dos pés, dando ao pé o formato de arco característico.

Cada pessoa transfere o peso dos dedos dos pés para os ossos do metatarso ao caminhar.

O sintoma mais comum de uma fratura por estresse no metatarso é uma dor no pé que se desenvolve de maneira gradual.

Os traumas diretos de um tackle, desgaste e rotação excessiva podem causar fraturas por estresse no metatarso.

Os ossos metatarsais são os mais fraturados no pé, pois há muito tecido mole protegendo a parte superior do pé, e entre as lesões no futebol americano, essas são bem comuns.

Concussão (concussion)

Entre as lesões no futebol americano, são algumas das mais temidas. De todos os esportes, o futebol americano é o que apresenta o maior risco de concussões.ões.

De fato, todos os jogadores da modalidade – inclusive aqueles no colegial – têm 75% de chance de sofrer uma concussão. E as concussões representam 7,4% de todas as lesões em jogadores de futebol americano universitário, de acordo com a National Collegiate Athletic Association (NCAA).

A concussão é um trauma sério no cérebro que afeta como ele funciona. Geralmente, as concussões causam efeitos temporários incluindo dores de cabeça e problemas com memória, concentração, julgamento, equilíbrio e coordenação.

Uma concussão normalmente ocorre durante um tackle, em um contato de capacete contra capacete, ou quando a cabeça atinge e colide com o chão.

Fonte: Revere Health

Comments
To Top