NFL

Desgastado e emocionado, Andrew Luck anuncia aposentadoria e o azar é todo nosso

Andrew Luck, quarterback do Indianapolis Colts

(Crédito: Twitter/reprodução)

Qualquer coisa que eu escreva será pouco para descrever como eu fui pego de surpresa. Estava saindo do cinema em plena noite de sábado e vejo as mensagens no meu celular. Andrew Luck está se aposentando? Como assim? Por algumas boas horas, me senti como um torcedor do Indianapolis Colts.

Time esse pelo qual tenho o maior respeito e admiração. Foi ‘culpa’ dessa franquia, em parte, por eu começar a gostar de futebol americano. Dela e de um tal de Peyton Manning. E, após Manning, Andrew Luck foi a personificação do que eu sempre gostei em um jogador de futebol americano.

Cara, essa bateu pesado. Eu assisti a coletiva, ainda sem a ficha cair, e comecei disposto a não chorar. Falhei nessa missão. Se alguém duvidar, basta perguntar à minha namorada Vitória. Foi o assunto da nossa janta tardia. Luck para lá, Luck para cá e tudo isso sendo exposto por um fã da bola oval totalmente perplexo.

E que coletiva, meus amigos! Em meio a uma notícia tão difícil de ser anunciada e o choro sendo segurado, enfrentando pausas doídas, Luck lançou no ar uma palavra positiva atrás da outra.

Lançou palavras do bem e agradecimentos com tanta competência quanto ele lançou para 23.671 jardas e 171 touchdowns em suas sete temporadas na National Football League.

 

Ver essa foto no Instagram

 

23,671 pass yards. 171 pass TD. 4x Pro Bowler. 2018 Comeback Player of the Year. Congrats on an incredible career, Andrew Luck.

Uma publicação compartilhada por NFL (@nfl) em

“Esta não é uma decisão fácil. Honestamente, é a decisão mais difícil da minha vida. Mas é a decisão certa para mim”, disse Luck, após a derrota dos Colts para o Chicago Bears por 27 a 17, em um jogo inútil de pré-temporada que ficou ainda mais em segundo plano. “Pelos últimos quatro anos, estive nesse ciclo de lesões, dores, reabilitação, lesão, dores, reabilitação, e tem sido incessante, implacável, tanto na temporada quanto na offseason, e me senti preso nisso. A única maneira que vejo de sair disso é não jogar mais futebol americano”, observou.

Lesões e mais lesões. O motivo para Luck ter se afastado do esporte que tanto ama. A sorte nunca esteve do lado dele como sempre esteve em seu sobrenome.

Luck ia anunciar a decisão apenas neste domingo, mas resolveu adiantar a coletiva depois que a notícia vazou, trazida em primeira mão pelo brilhante Adam Schefter, da ‘ESPN’.

“Eu não tenho sido capaz de viver a vida que quero viver. Isso tirou a alegria deste esporte… o único caminho a seguir para mim é me afastar do futebol americano”.

É uma pena mesmo. O azar maior dessa aposentadoria é nosso. Todos nós perderemos a chance de ver Luck no Hall da Fama um dia. Vamos ficar imaginando como teria terminado essa carreira se ele tivesse jogado 15, 16 anos na liga. O quanto esse camisa 12 teria nos dado melhores momentos. E, mais ainda, o quanto ele teria nos mostrado o que é ser um ídolo.

Jogador destemido, nunca teve medo de evitar contato. Isso para o seu bem e, sobretudo, para o seu mal. Últimos anos de linhas ofensivas porosas contribuíram muito para seus problemas físicos. Mas até mesmo os grandalhões da OL foram lembrados por ele com suas palavras lindas.

Prestes a completar 30 anos, já que faz aniversário no dia 12 de setembro, Luck deixa o futebol americano muito antes do que deveria. E do que merecia.

Selecionado com a primeira escolha geral do draft de 2012, teve um início de carreira promissor e liderou os Colts aos playoffs em cada uma de suas três primeiras temporadas na liga. Incluindo títulos consecutivos da divisão AFC South e à final da Conferência Americana (AFC) em 2014. Sim, aquele mesmo jogo do escândalo Deflategate, de Tom Brady, Patriots e suas bolas murchas.

E, infelizmente, a partir de 2015 tudo começou a ruir.

Luck sofreu uma lesão no ombro na semana 3 da temporada 2015 e perdeu 26 jogos desde então, incluindo toda a temporada 2017, devido a problemas no ombro, no rim e nas costelas. E foi durante aquele mesmo ano que Luck questionou se seria capaz de voltar a jogar.

2018 nos mostrou que sim.

O astro dos Colts voltou em nível espetacular e lançou para 4.593 jardas e 39 touchdowns, ganhando o prêmio de Comeback Player of the Year, dado ao jogador que superou adversidades e deu a volta por cima. Seu desempenho foi responsável em grande parte por levar Indianapolis de volta à pós-temporada pela primeira vez desde 2014.

Ele teria, inclusive, levado o prêmio de MVP não fosse Patrick Mahomes e sua fantástica temporada com o Kansas City Chiefs.

Mas a amostra que ele havia voltado a ser o grande Luck durou pouco.

Nesta offseason, um problema na panturrilha o atingiu e o tirou das atividades, incluindo a maior parte do training camp. E o problema também era na parte superior do tornozelo.

O desgaste mental e físico sugou de Luck toda a vontade que ele tinha de voltar. É totalmente compreensível. São as “cicatrizes emocionais”, como ele mesmo disse.

O pior foi saber que alguns torcedores do Indianapolis Colts vaiaram Luck enquanto ele saía de campo após o jogo deste sábado. “Eu estaria mentindo se dissesse que não ouvi. Sim, doeu”.

Uma dor que, possivelmente, tenha sido maior do que todas as lesões somadas. A dor de uma derrota que não foi culpa dele. Ser vencido é genuinamente humano também. Vaiar o QB que entregou tudo que tinha quando vestiu o ‘horseshoe’ é genuinamente desumano.

“Eu cheguei à proverbial bifurcação da estrada. Eu fiz uma promessa para mim mesmo que, se eu fizesse novamente, eu escolheria a inocência”.

Inocência que até está no brilho dos olhos de um QB que é um dos mais carismáticos e humildes que já vi. O signal caller que ama ler e indicava livros para seus companheiros no vestiário. O que usa sua offseason para tocar adiante seu clube do livro.

Mas não se engane. Essa inocência é só no olhar e no jeito. Dentro de campo, Luck é dono de um braço invejável, coragem, inteligência e postura que tanto faltam em muitos quarterbacks.

A notícia da aposentadoria de Luck pegou a gente de jeito. Imagine dentro dele.

Essa foi, certamente, uma das mais tristes que já vi em meus anos cobrindo futebol americano e amando esse esporte.

Nunca mais vou acreditar tanto na sorte como eu acreditei em Luck.

Assista a entrevista coletiva completa de aposentadoria de Andrew Luck:

 

Ver essa foto no Instagram

 

“This is the hardest decision of my life.”

Uma publicação compartilhada por NFL (@nfl) em

Comments
To Top