NBA

Reveja a campanha das equipes nos playoffs da Conferência Oeste na temporada 2013/14 da NBA

Crédito: Reprodução/Facebook

Crédito: Reprodução/Facebook

 

Conferência Oeste:

San Antonio Spurs (1º) 4 x 3 Dallas Mavericks (8º)

A primeira rodada dos playoffs da Conferência Oeste foi um clássico do Texas. Com a melhor campanha da NBA na temporada regular, os Spurs, que anotaram 62 vitórias e 20 derrotas, venceram o Dallas Mavericks por 4 a 3 na série. Os Mavs, em oitavo, tiveram 49 vitórias e 33 derrotas.

O AT&T Center recebeu o Jogo 1, onde os Spurs venceram a equipe de Dallas por 90 a 85. O confronto foi muito equilibrado. Os donos da casa até começaram melhor no primeiro quarto, mas perderam os dois primeiros períodos por 44 a 43, surpreendendo a todos no ginásio. Após o intervalo, a equipe de Tim Duncan conseguiu equilibrar novamente o duelo e igualar o placar. Assim, no último quarto, a experiência do San Antonio tomou conta jogo e a franquia venceu o duelo. Tim Duncan foi o cestinha com 27 pontos e Devin Harris foi o maior pontuador dos Mavs, com 19 pontos.

Os Mavs buscaram o empate na série ao vencer o Jogo 2 por 113 a 92. Monta Ellis teve grande atuação, marcando 21 pontos, pegando três rebotes e dando três assistências. Mesmo assim, o cestinha da partida foi do lado do Spurs: o argentino Manu Ginobili marcou 27 pontos. O pivô Tim Duncan disse que o Dallas jogou melhor que o Spurs e atribuiu a vitória aos 30 chutes que o Mavs teve a mais que o seu time.

No Jogo 3, Vince Carter decidiu a partida ao acertar uma bola de três pontos a um segundo do fim da partida e garantir a vitória do Dallas sobre os Spurs por 109 a 108. O primeiro quarto foi todo dominado pelos Spurs, com Tony Parker e Tim Duncan tomando conta do período. No segundo quarto a história foi outra. A defesa dos Mavericks passou a fazer uma marcação dobrada nos dois principais jogadores (Parker e Duncan) e os demais jogadores dos Spurs não conseguiram segurar o ritmo. Os times foram para o intervalo com a franquia de Dallas ganhando pelo placar de 59 a 54. O terceiro período foi extremamente nervoso, cheio de faltas e turnovers.Mas a combinação entre Ginobli e Splitter era precisa, assim como a combinação entre Dirk Nowitzki e Ellis era mortal para os Mavs. Quando faltavam 24 segundos para o final da partida, o placar mostrava um empate: 106 para cada lado.Foi então que Ginobli chamou a responsabilidade, infiltrou no garrafão de Dallas e botou os Spurs na frente. Mas Dallas ainda tinha mais uma posse de bola, com menos de dois segundos de jogo. Vince Carter, muito pressionado, recebeu a bola, fintou a marcação e cravou uma bola de três espetacular. 2 a 1 para os Mavs na série. Monta Ellis foi o cestinha da partida com 29 pontos.

No Jogo 4, os comandados de Gregg Popovich empataram a série ao vencer os Mavericks por 93 a 89 no American Airlines Center. No primeiro quarto, o Dallas foi ligeiramente melhor do que o adversário e, desta forma, os donos da casa venceram a parcial por cinco pontos de diferença (23 a 18). No segundo quarto, entretanto, os Mavs sofreram um verdadeiro apagão, os Spurs foram pra cima, marcaram 32 pontos e foram para o intervalo vencendo por 50 a 36. No segundo tempo os Dallas vieram melhor. Mas foi apenas no último período que os Mavericks conseguiram encostar no placar. Faltando 6min22s para o fim, o jogo estava empatado em 77 pontos. A partida seguiu bastante parelha e houve algumas trocas de liderança no marcador. Com menos de 1min o fim, o jogo estava empatado em 87 a 87. Foi então que Boris Diaw recebeu bela assistência de Tony Parker e acertou uma crucial bola de três para colocar os Spurs na liderança (90 a 87). Com 19s restantes, Dirk Nowitzki acertou uma bola de dois e diminuiu a desvantagem dos Mavs para apenas um ponto. Mas então apareceu Ginobili, que acertou três lances livres nos dez segundos finais e ajudou a equipe comandada por Gregg Popovich a chegar ao triunfo e renascer na série. O argentino foi o maior destaque dos Spurs na partida, com 23 pontos, três rebotes e cinco assistências, Do lado dos Mavs, quem brilhou foi Monta Ellis, com 20 pontos, quatro rebotes e três assistências.

O Jogo 5, no AT&T Center, teve vitória dos Spurs por 109 a 103. Mesmo jogando fora de casa, os Mavs começaram de forma equilibrada. Os Spurs, porém, dominaram o segundo quarto e foram para os vestiários vencendo por 58 a 49. No segundo tempo, a equipe de Dallas voltou a equilibrar o confronto, mas não conseguiu diminuir muito a diferença, apenas um ponto. No último período a equipe até esboçou uma reação, mas mesmo assim, foi derrotada pelos anfitriões.Tony Parker foi o maior pontuador do San Antonio, com 23 pontos. Vince Cartes foi o cestinha com 28 pontos.

No Jogo 6, no American Airlines Center, os Mavs forçaram o sétimo jogo ao vencer os Spurs por 113 a 111, em partida emocionante. O jogo começou equilibrado, com as equipes trocando liderança no primeiro tempo. Os Spurs foram para os vestiários vencendo por 58 a 52. No terceiro quarto, a situação da equipe de Dallas ficou complicada. Os Mavericks começaram o último quarto perdendo por cinco pontos (81 a 76), mas se recuperaram e venceram diante dos olhos de sua torcida. Vince Carter e Jose Calderon marcaram, deixando o Dallas apenas um ponto atrás. Nos minutos finais, o Dallas Mavericks encaixou melhor seu jogo e chegou a fazer 102 a 94 com menos de três minutos para o final. O San Antonio Spurs diminuiu a diferença para um ponto com 49s para o término, os Mavericks abriram seis pontos de vantagem pouco tempo depois (111 a 105), mas Danny Green converteu um chute de três pontos com 12s para o fim e fez a diferença cair para três pontos (111 a 108). Na sequência, Monta Ellis acertou dois lances livres e deixou o placar com 113 a 108 a favor dos Mavs, mas Patty Mills deu a resposta rápida, acertou um arremesso de três e voltou a deixar a diferença em dois ponto (113 a 111). Mas a noite era mesmo dos Mavs. Monta Ellis escapou das faltas e isolou a bola para gastar cronômetro. Mas ainda restava uma chance para os Spurs. Com 0,4s. Não deu nem tempo de o arremesso ser efetuado e os Mavericks confirmaram o triunfo. O grande destaque do Dallas Mavericks na partida foi o cestinha Monta Ellis, que terminou com 29 pontos, além de dois rebotes e duas assistências. Do lado do San Antonio Spurs, o francês Tony Parker se destacou com 22 pontos.

Apesar de todo o sufoco dos jogos anteriores, os Spurs fecharam a série em 4 a 3 ao vencer o Jogo 7 com uma vitória tranquila: 119 a 96, resultado que não deu chances para o rival texano. O San Antonio dominaou o adversário desde o primeiro quarto e fecharam a etapa inicial com 12 pontos de vantagem (35 a 23). No segundo quarto a equipe construiu uma boa vantagem e dominou o adversário tanto defensivamente quanto ofensivamente e foi para os vestiários vencendo por 68 a 46. Após o intervalo, os Spurs praticamente liquidaram a fatura. Com um ritmo mais tranquilo, os Spurs contaram com boas atuações de Kawhi Leonard, Danny Green e Manu Ginobili e foram para o último quarto com nada menos do que 26 pontos de vantagem (94 a 68). Nos últimos 12 minutos a equipe só precisou administrar a vantagem e venceu o duelo sem maiores problemas. O grande destaque dos Spurs na partida foi o francês Tony Parker, que foi o cestinha com 32 pontos, quatro rebotes e quatro assistências. Do lado dos Mavs, Dirk Nowitzki foi o melhor em quadra, com 22 pontos.

Oklahoma City Thunder (2º) 4 x 3 Memphis Grizzlies (7º)

OKC fechou a temporada regular com 59 vitórias e 23 derrotas contra 50 vitórias e 32 derrotas do Grizzlies. Com Kevin Durant brilhando em quadra, o Thunder bateu os Grizzlies por 4 a 3 na série.

O Chesapeake Energy Arena foi o palco do Jogo 1, onde o Oklahoma venceu Memphis tranquilamente por 100 a 86, largando na frente na série. O destaque do jogo foi Kevin Durant, com 33 pontos. Pelo lado do time visitante, o nervosismo ficou nítido, pois a equipe conseguiu pouco mais de 50% nos arremessos de lance-livre enquanto o OKC teve mais de 87%. A pressão da torcida ajudou muito os anfitriões. Zach Randolph foi o cestinha dos Grizzlies com 21 pontos, mas não foi o suficiente para dar a vitória ao seu time.

O Jogo 2, também em Oklahoma, teve vitória dos visitantes. Memphis bateu OKC por 111 a 105 e empatou a série em 1 a 1. O Memphis começou bem, com a defesa funcionando e um ataque eficiente. No segundo quarto, o Thunder equilibrou o jogo e foi para o intervalo perdendo por 46 a 43. Após o intervalo, o panorama do confronto não mudou. O equilíbrio foi tanto que as franquias empataram no terceiro quarto em 22 a 22 e os Grizzlies continuaram com a pequena vantagem de três pontos. O último e decisivo quarto teve trocas de liderança. Os visitantes manteram sua vantagem, mas desperdiçou lances livres nos últimos segundos e viu Kendrick Perkins marcar e levar a partida para a prorrogação. No tempo extra, a defesa de Memphis apareceu mais uma vez e o ataque não vacilou, garantindo a vitória dos Grizzlies. O cestinha do jogo foi Kevin Durant, com 36 pontos e 11 rebotes. Zach Randolph foi o maior pontuador dos Grizzlies, com 25 pontos e pegou seis rebotes.

No Jogo 3, o Memphis venceu em casa, no FedEx Forum, por 98 a 95 e virou a série, vencendo por 2 a 1. A partida foi, novamente, para a prorrogação. Nos cinco minutos finais de jogo, Memphis tinha uma vantagem de 10 pontos. Porém, nos minutos finais, OKC encostou no placar e, quando tinha a bola para o empate, Russel Westbrook perdeu a bola para Tony Allen, que deixou a vantagem em quatro pontos para Memphis. Após perder a bola, o armador do time visitante acertou uma bola de três pontos e ainda sofreu a falta. Com o lance livre convertido, o jogo ficou no empate e, após os dois times desperdiçarem seus últimos ataques, o jogo foi para a prorrogação. Nos cinco minutos extras, Memphis abriu boa vantagem, que, dessa vez, não conseguiu ser revertida por Oklahoma. O destaque do jogo pelo Memphis foi Mike Conley, com 20 pontos.Já pelo lado de OKC, 60 dos 95 pontos marcados pelo time foram da dupla Kevin Durant e Russel Westbrook. Cada um marcou 30 pontos. Westbrook ainda pegou 13 rebotes e deu duas assistências enquanto Durant terminou a partida com nove rebotes e três assistências.

O Jogo 4 também foi para a prorrogação, e novamente no FedEx Forum, o OKC venceu fora de casa por 92 a 89 e empatou a série. No lance final da prorrogação, Mike Conley teve a chance de acertar uma bola de três que forçaria o segundo período de prorrogação, mas errou a tentativa e viu a equipe comandada por Scott Brooks triunfar. O primeiro tempo foi dominado pelo Thunder, que foi para os vestiários vencendo por 42 a 35. A vantagem chegou a aumentar no terceiro período, com o Thunder fechando o tempo vencendo por 64 a 52. Mas, no último quarto, os Grizzlies saíram para o jogo e buscaram uma grande reação. Comandados principalmente por Mike Conley, os donos da casa conseguiram empatar a partida em 80 a 80 e forçaram a prorrogação.Os cinco minutos extras foram bastante disputados, com troca de lideranças. Na reta final, o OKC chegou a abrir três pontos de vantagem, mas os Grizzlies buscaram a recuperação com dois lances de Reggie Jackson e venceram o duelo. Jackson foi o cestinha com 32 pontos. Do lado dos Grizzlies, Marc Gasol se destacou com 23 pontos e pegou 11 rebotes.

No Jogo 5, os Grizzlies venceram fora de casa por 100 a 99, ficando na frente da série por 3 a 2. Foi a quarta partida consecutiva da série que a decisão foi para a prorrogação. Mike Miller foi o cestinha do Memphis com 21 pontos, enquanto Kevin Durante, cestinha da temporada, anotou 26 pontos e pegou oito rebotes, sendo protagonista dos momentos decisivos da partida. Quando o OKC perdia por 100 a 99 ele errou o lance livre com menos de 20 segundos. Já na última posse de bola e ainda perdendo por um ponto ele errou o chute que daria a vitória ao seu time. Russell Westbrook foi o cestinha do jogo com 30 pontos. Após o último arremesso de Durant ele deu um tapinha para a cesta nos segundos finais. Seria o herói do jogo se o tempo não tivesse acabado com a bola em sua mão.

O FeDex Forum recebeu o Jogo 6, onde o Thunder venceu por 104 a 84, forçando a realização do Jogo 7. Kevin Durant brilhou, anotou 36 pontos e pegou dez rebotes. O Thunder dominou a partida desde o início, mostrando que veio disposto a fechar a série em casa. No intervalo entre o segundo e terceiro quarto, o time visitante já estava com uma vantagem de 15 pontos, e nunca foram ameaçados. O time de Oklahoma teve um aproveitamento de quase 50% em tiros de quadra, que unido a uma forte defesa no perímetro, trouxe ao time a tranquilidade de fechar a série em casa.

No decisivo jogo 7, em Oklahoma, os donos da casa venceram o Memphis por 120 a 109, garantindo a classificação para as semifinais de conferência. O Thunder assumiu o controle da partida no segundo quarto e nunca mais saiu da liderança. Logo no primeiro quarto, com um line-up mais dinâmico e ágil, o Memphis abriu uma vantagem de 9 pontos – a única do jogo. A partir do segundo período, OKC dominou e acabou com as esperanças de Memphis.  Durant e Westbrook fizeram uma partida memorável. O primeiro anotou 33 pontos e 8 rebotes. Já Westbrook saiu de quadra com um triple-double: 27 pontos, 10 rebotes e 16 assistências. Gasol foi o nome dos Grizzlies, com 24 pontos.

Los Angeles Clippers (3º) 4 x 3 Golden State Warriors (6º)

 O confronto californiano entre Los Angeles Clippers e Golden State Warriors foi marcado pelo equilíbrio, mas os Clippers venceram os Warriors por 4 a 3 na série e se classificaram para a semifinal de conferência. A equipe de Los Angeles anotou 57 vitórias e 25 derrotas na temporada regular, diante das 51 vitórias e 31 derrotas do rival.

O Jogo 1 teve lugar no Staples Center, mas mesmo jogando fora de casa os Warriors venceram por 109 a 105 e abriram 1 a 0 na série.O grande nome dos Warriors no duelo foi Klay Thompson, que saiu de quadra com 22 pontos, sete rebotes e cinco assistências. Já do lado dos Clippers, Chris Paul fez uma boa partida, com 28 pontos, sete rebotes e oito assistências, mas não evitou o revés da equipe de Los Angeles. Jamal Crawford e DeAndre Jordan comandaram o início fantástico dos Clippers. Contudo, o ritmo da equipe de LA caiu e no segundo quarto e os Warriors encostaram no marcador. Após o intervalo, Golden State passou a dominar a partida. Veio o último período e os visitantes chegaram a abrir 11 pontos de vantagem. Mas Chris Paul acertou duas bolas de três e recolocou o time de LA no jogo. Faltando menos de 30 segundo para o término do jogo, as duas equipes estavam empatadas. Draymond Green foi para o lance livre e acertou as duas cobranças, recolocando Golden Sate na frente. Na sequência Chris Paul cometeu um turnover e Green foi de novo para o lance livre. Desta vez acertou um e deixou a vantagem em três pontos. No lance seguinte, Chris Paul foi para as cobranças de lance livre e perdeu as duas chances, decretando a derrota dos Clippers.

No Jogo 2, os Clippers deram uma lavada dos Warriors e venceram por 138 a 98 no Staples Center. O placar marcou o recorde de pontos anotados pela equipe em um confronto dos playoffs. Com Griffin bastante inspirado, os Clippers começaram a impor seu domínio em casa logo no primeiro quarto e abriram 11 pontos de vantagem (31 a 20) na primeira parcial. No segundo quarto, o LA se apresentou ainda melhor e venceu o primeiro tempo por 67 a 41. Com boa vantagem, a equipe da casa diminuiu um pouco o ritmo e fechou o terceiro quarto vencendo por 105 a 73. Alcançando os três dígitos ainda no terceiro período, a equipe voltou a vencer a última parcial por 33 a 25 e garantiu a vitória. O destaque dos Clippers foi Griffin, com 35 pontos. Pelos Warriors, quem brilhou foi Stephen Curry, com 24 pontos.

Realizado no Oracle Arena, casa dos Warriors, o Jogo 3 foi vencido pelos visitantes por 98 a 96. O Golden State teve um início de primeiro quarto em bom ritmo, mas acabou caindo um pouco de rendimento no fim do primeiro período e foi derrotado com placar parcial de 24 a 21. No segundo quarto, os donos da casa jamais estiveram na liderança do marcador e os Clippers foram para os vestiários vencendo por três pontos (46 a 43). Na volta do intervalo foi que os representantes de Los Angeles começaram a se soltar um pouco mais no jogo. Blake Griffin estava bastante inspirado e os Clippers chegaram a abrir 12 pontos de folga (56 a 44). No restante da etapa, os Clippers se mantiveram bem e foram para o quarto derradeiro com 11 pontos de frente (75 a 64). No último quarto, os Warriors, que contaram com Klay Thompson, chegaram a diminuir o prejuízo de forma considerável e o final do jogo foi bastante emocionante. Com pouco mais de cinco minutos para o fim da partida, Stephen Curry acertou uma bola de três e fez a diferença cair para apenas quatro pontos (85 a 81). Blake Griffin, entretanto, deu resposta rápida e converteu uma bola de dois para fazer a diferença subir para seis pontos. Apesar disso, a time da casa estava a fim de complicar a vida do rival de Los Angeles e, para isso, contaram com Klay Thompson, que acertou uma bola de três e um arremesso de dois pontos e deixou a diferença em apenas um ponto (87 a 86). O Los Angeles Clippers soube se controlar e manteve a liderança, chegou ver a diferença cair novamente para apenas um ponto (97 a 96) quando restavam 11s no relógio, mas então Chris Paul converteu um de seus dois lances livres, após sofrer falta, a defesa da equipe visitante apareceu e os Clippers confirmaram a suada vitória fora de casa. Blake Griffin foi o grande destaque com 32 pontos. Do lado dos Warriors, Klay Thompson foi o jogador que mais pontuou, anotando 26 tentos.

O Jogo 4 ocorreu um dia depois do escândalo envolvendo Donald Sterling e seus comentários racistas. Com grande partida de Stephen Curry, que anotou 33 pontos, os Warriors venceram os Clips por 118 a 97 na Oracle Arena e empataram a série em 2 a 2. A partida foi marcada pelos protestos dos jogadores da franquia de Los Angeles contra Sterling. Os atletas usaram fitas, munhequeiras e meias pretas, usaram camisetas de aquecimento sem o logo do time e o uniforme habitual foi jogado no chão, no meio da quadra. Desconcentrados, os Clippers deixaram os Warriors abrir vantagem de 15 pontos logo no primeiro quarto. A equipe de Oakland continuou com boa vantagem por toda a partida, vencendo o duelo com facilidade.

De volta a Los Angeles, o Jogo 5 ainda foi marcado pelos escândalos envolvendo Sterling. Mas mesmo assim, os Clippers venceram por 113 a 103, jogando no Staples Center. Atuando em um ginário lotado, os Clippers começaram com dificuldades, mas fecharam a primeira parcial vencendo por 31 a 21. No segundo quarto, os donos da casa chegaram a abrir 13 pontos de folga, mas Harrison Barnes respondeu imediatamente acertando uma bola de três. Os Warrios começaram a jogar melhor e diminuíram a vantagem para cinco pontos no fim do segundo quarto. Na volta do intervalo, o equilíbrio se manteve, mas o Los Angeles Clippers não demorou a retomar a ponta e entraram no último quarto com cinco pontos de vantagem (77 a 72). Nos primeiros minutos do último quarto, a vida dos Clippers seguiu bastante complicada e dos donos da casa jamais abriram mais de cinco pontos de folga. Porém, com menos de oito minutos para o fim em diante, o jogo dos representantes de Los Angeles começou a encaixar um pouco mais e, liderados por Chris Paul e DeAndre Jordan, os Clippers confirmaram o triunfo. DeAndre Jordan e Chris Paul foram os desatques. Jordan marcou 25 pontos contra 20 de Paul. Do lado do Golden State Warriors, todos os cinco titulares fizeram dez pontos ou mais, mas os reservas não tiveram grande contribuição. O cestinha da equipe de Oakland foi Klay Thompson, responsável por 21 pontos.

O Jogo 6 teve lugar na Oracle Arena e o time da casa venceu por 100 a 99, empatando a série em 3 a 3 e forçando o sétimo jogo. O confronto começou muito equilibrado. Após o primeiro quarto terminar empatado, os visitantes começaram a comandar a partida. Mesmo não tendo um grande desempenho dentro do garrafão, os Clippers venceram a primeira metade do jogo por 51 a 48. Depois o intervalo, os Warriors mostraram quem manda em casa. A defesa colaborou com o ataque e a equipe virou a partida e abriu três pontos de vantagem no terceiro quarto. No último período, os donos da casa mantiveram essa pequena diferença a seu favor até o final e, mesmo com a cesta três de Barnes faltando poucos segundos, deixando a diferença para apenas um ponto, o Golden State conseguiu a vitória. Stephen Curry foi o cestinha do duelo com 24 pontos. Jamal Crawford foi o maior pontuador dos Clippers, saindo do banco de reservas e anotando 19 pontos.

A série foi decidida na casa dos Clippers. Toda a confusão envolvendo Sterling e seus comentários racistas não estragaram a temporada da equipe, que deu mostras de união e cresceu no momento decisivo, vencendo os Warriors por 126 a 121 e se classificando para a semifinal da Conferência Oeste. O jogo não começou nada bem para os mandantes, com os Warriors abrindo vantagem durante o primeiro quarto, que acabou 32 a 22 para os visitantes. Com a entrada de Jamal Crawford, os Clippers melhoraram seu poderio ofensivo, mas foram para o vestiário perdendo por 64 a 56. Os Clippers voltaram para o segundo tempo muito melhores, e logo viraram o placar. As duas equipes continuaram pontuando freneticamente. Com 1:50 restando, DeAndre Jordan, deu um toco lindo em Curry e no contra-ataque Griffin enterrou, abrindo 112 a 109. Na jogada seguinte, Green errou a bola de três. No ataque, Jordan pegou o rebote ofensivo e também enterrou. O garrafão dos Clippers decidiu o jogo sete e fez a equipe passar de fase.

Houston Rockets (4º) 2 x 4 Portland Trail Blazers (5º)

 O Houston Rockets terminou a fase inicial do campeonato com 54 vitórias e 28 derrotas, enquanto que o Portland Trail Blazers teve exatamente a mesma campanha do rival. Mesmo assim, os Blazers bateram os Rockets ao vencer por 4 a 2 na série, e se classificaram para a semifinal da Conferência Oeste.

O primeiro confronto foi no Toyota Center, no Texas. Com direito a prorrogação, a equipe da casa perdeu por 122 a 120 e os Blazers largaram na frente, abrindo 1 a 0 na série. O jogo foi bastante físico, o que fica provado nos 79 lances livres e 65 faltas marcadas ao longo do duelo. O primeiro quarto de partida foi bastante disputado e o Portland Trail Blazers acabou vencendo o período pelo placar parcial de 27 a 20. Antes da ida aos vestiários, o Houston reagiu e conseguiu assumir a liderança por marcador (49 a 48). No terceiro quarto, os Rockets conseguiram manter a ponta no placar e foram para o último período vencendo por seis pontos de diferença (79 a 73). No último quarto, LaMarcus Aldridge e Damian Lillard apareceram para o jogo na reta final de confronto e ajudaram a empatar o duelo em 106 a 106, forçando a prorrogação. Nos cinco minutos extras, os Rockets animaram a torcida com cestas de Dwight Howard e Jeremy Lin, que abriram seis pontos de folga (112 a 106). A situação ligeiramente confortável para o time mandante durou muito pouco, já que LaMarcus Aldridge e Nicolas Batum acertaram bola de três pontos seguidas e empataram o jogo em 114 pontos. A partir deste momento, a partida ficou super equilibrada e nenhum time deixou o outro abrir uma vantagem maior do que dois pontos. No final do jogo, entretanto, os Trail Blazers converteram uma série de lances livres importantes e largaram em vantagem na série. Aldridge foi o grande nome da partida, com 46 pontos e 18 rebotes. Do lado do Houston Rockets, os cestinha foram James Harden e Dwight Howard, cada um responsável por 27 pontos da equipe da casa.

No Jogo 2, novamente em Houston, os Blazers venceram os anfitriões por 112 a 105 e abriram 2 a 0 na série. No primeiro quarto de partida, os Rockets conseguiram vencer por 31 a 23. No segundo quarto, os visitantes equilibraram as ações e os dois times foram para os vestiários empatando a partida por 53 a 53. Foi no terceiro período que a situação do Houston começou a ficar mais delicada. LaMarcus Aldridge chamou a responsabilidade, fez 16 pontos no período e foi fundamental para os Trail Blazers terminaram o terceiro quarto vencendo por seis pontos (83 a 77). No início do quarto quarto, os Rockets chegaram a diminuir a desvantagem para apenas dois pontos (83 a 81), quando faltavam 9min23s para o término do confronto, mas então Mo Williams e Dorell Wright acertaram duas bolas de três seguidas e deixaram a vantagem do time de Portland em oito pontos (89 a 81). A partir deste momento, os visitantes mantiveram uma vantagem quase sempre oscilando entre sete e nove pontos, viram os Rockets encostarem no placar quando faltavam 1min07s para o fim do jogo (102 a 98), mas souberam fechar bem a partida e confirmaram o triunfo. Aldridge foi novamente o cestinha da partida com 43 pontos. Pelos Rockets, Dwight Howard se destacou com 32 pontos e 14 rebotes.

Após perder os dois primeiros jogos, os Rockets venceram fora de casa, e jogando no Moda Center, a equipe venceu os Blazers por 121 a 116 na prorrogação. O Houston teve um herói improvável no duelo, já que o reserva Troy Daniels acertou uma bola de três pontos na prorrogação e assegurou o triunfo da equipe do Texas. O Portland chegou a estar perdendo por 11 pontos no último quarto, mas reagiu e, com uma bola de três acertada por Nicolas Batum, o jogo foi empatado em 110 pontos, forçando a prorrogação. No tempo extra os visitantes jogaram melhor e confirmaram a vitória. James Harden foi o principal destaque dos Rockets, anotando 37 pontos, a melhor marca de sua carreira nos playoffs. Do lado do Portland, Damian Lillard foi o maior pontuador, com 30 tentos.

No Jogo 4 os Blazers venceram por 123 a 120 na prorrogação, levando a equipe a liderar a série por 3 a 1. A partida começou equilibrada, mas os Rockets abriram uma pequena vantagem no fim do primeiro quarto e venceram a primeira parcial por 29 a 23. No segundo quarto, a equipe se manteve na liderança e foi para o intervalo vencendo por 61 a 51. No segundo tempo, o Portland não melhorou muito, mas na reta final do período, LaMarcus Aldridge, Wesley Matthews e Damian Lillard apareceram bem e fizeram a diferença ficar em cinco pontos (84 a 79). No período final os Blazers se recuperaram e, a menos de três minutos do fim, abriram vantagem de cinco pontos (102 a 97). Os Rockets engaratam uma boa sequência e voltaram a ficar na liderança (104 a 102). Mo Williams marcou de três e Dorell Wright converteu um lance livre, e o Portland voltou a ficar na frente (106 a 104). Com três segundos para o fim, Dwight Howard enterrou e empatou o jogo, que foi para a prorrogação. O tempo extra foi bastante disputado. Nicolas Batum apareceu bem a favor do Portland Trail Blazers, quando a partida estava empatada em 110 pontos, e marcou cinco pontos seguidos, permitindo que a equipe da casa abrisse 115 a 110. Pouco depois, Damian Lillard fez dois pontos, James Harden deu a resposta e, na sequência, LaMarcus Aldridge deu a resposta e os Blazers abriram sete pontos de folga (119 a 112) com menos de dois minutos para o término. Faltando 1min27s, Troy Daniels converteu um arremesso de três pontos e, pouco depois, aproveitando um turnover do adversário, James Harden fez uma cesta de dois e diminuiu a desvantagem dos Rockets para apenas dois pontos (119 a 117). Pouco tempo depois, Lillard converteu dois lances livres e colocou a vantagem dos Trail Blazers na casa dos quatro pontos (121 a 117). Restando 11s para o fim, LaMarcus Aldridge não foi bem e desperdiçou dois lances livres. Em seguida, quando faltavam oito segundos para o término, Dorell Wright cometeu um grande erro e fez falta enquanto Troy Daniels tentava um arremesso de três. Os árbitros assinalaram a cobrança de três lances livres e o novato dos Rockets converteu todos, fazendo a diferença cair para apenas um ponto. Mo Williams sofreu uma falta, converteu dois lances livres e a vantagem dos Trail Blazers era de três pontos, com apenas sete segundos no cronômetro. O Houston Rockets, sem tempos para pedir, teve que começar o ataque, para tentar empatar o jogo, do fundo da quadra. Porém, Patrick Beverley, que estava com a bola no meio do quadra, perdeu a posse para Wesley Matthews e os donos da casa confirmaram o triunfo. LaMarcus Aldridge fez mais uma grande partida e fechou como o cestinha, com double-double de 29 pontos e dez rebotes, além de ter dado quatro tocos. Do lado do Houston Rockets, o jogador mais produtivo em quadra foi James Harden, responsável por 28 pontos, quatro rebotes e seis assistências.

No Jogo 5, bastava uma vitória para os Blazers avançaram na competição, mas os Rockets venceram a partida por 108 a 98 e deixaram a série ainda mais emocionante. Desde o primeiro quarto, o Houston deu a impressão que entraria em quadra para buscar o resultado e avançar na série, vencendo o primeiro quarto por 30 a 27. No segundo quarto, os texanos chegaram a abrir 17 pontos (51 a 34), mas os Trail Blazers encostassem pouco antes do intervalo (56 a 48). No terceiro período, Wesley Matthews e Nicolas Batum se destacaram e levaram o Portland a diminuir um pouco mais a desvantagem, e fechou o terceiro quarto perdendo por apenas cinco pontos (82 a 77). No último período, quando restavam pouco mais de nove minutos para o término da partida, os representantes de Oregon começaram a reagir e conseguiram uma sequência de oito pontos consecutivos sem tomar nenhum. Assim, o Portland Trail Blazers fez a diferença cair para apenas um ponto (91 a 90). O Houston soube manter o controle no momento decisivo e, com uma sequência de oito pontos seguidos, os donos da casa fecharam o placar. O grande destaque do Houston Rockets na partida foi o gigante Dwight Howard, que anotou 22 pontos e pegou 14 rebotes. Apesar dos bons desempenhos dos Rockets, o cestinha da partida foi o atleta dos Blazers, Wesley Matthews, que terminou a partida com 27 pontos.

O Jogo 6 acabou de maneira muito emocionante. Faltando 0,9s para o fim da partida, Nicolas Batum lançou para Damian Lillard, que mostrando uma frieza imensa, acertou o arremesso no estouro do relógio e garantiu a vitória dos Blazers sobre o Houston Rockets pelo placar de 99 a 98. Com o resultado, a franquia de Portland fechou a série em 4 a 2 avançou à semifinal da Conferência Oeste. O Portland começou melhor na partida e conseguiu uma sequência de 7 a 0 no início, obrigando o Houston a pedir tempo. Após a pausa, o duelo se equilibrou e os Rockets terminaram a primeira etapa vencendo por um ponto 29 a 28. No segundo período, os times se alternaram algumas vezes na liderança do placar, mas os texanos fecharam bem a etapa e foram para os vestiários triunfando por 58 a 56. No terceiro quarto, os Rockets abriram 62 a 56. Com menos de sete minutos para o término da etapa, os visitantes chegaram a abrir sete pontos de folga (70 a 63), mas o Portland conseguiu diminuiu a desvantagem para um ponto (79 a 78). Nos primeiros minutos da etapa final, os Blazers chegaram a fazer 85 a 81, mas a alegria durou pouco e, com pouco mais de três minutos para o fim, os Rockets recuperaram a dianteira (93 a 91). O final da partida foi disputadíssimo. Com 39s restantes e com os Trail Blazers perdendo por dois pontos, quem apareceu foi Nicolas Batum, que converteu uma complicada cesta para deixar o jogo empatado em 96 pontos. Faltando dois segundos, Chandler Parsons conseguiu pegar um rebote improvável no garrafão, depois que Robin Lopez falhou em agarrar o rebote defensivo, e acertou uma bandeja que colocou o Houston Rockets na liderança a menos de um segundo do final. Mas como o basquete é imprevisível, o jogo não estava resolvido. Restando apenas 0,9s no cronômetro, os Blazers iniciaram o ataque com bola na lateral da quadra de ataque. Batum mandou a bola para o ágil Damian Lillard, que se desvencilhou da marcação e fez uma belíssima bola de três no estouro para garantir a vitória e a classificação. O cestinha do duelo veio do lado dos Rockets: James Harden anotou 34 pontos. Apesar do lance heroico de Lillard, o destaque do Portland foi LaMarcus Aldridge com double-double de 30 pontos e 13 rebotes. Já Lillard anotou 25 pontos.

SEMIFINAIS DE CONFERÊNCIA

San Antonio Spurs 4 x 1 Portland Trail Blazers

Cinco jogos foram necessários para os Spurs baterem os Trail Blazers e se classificarem para a final da Conferência Oeste pelo terceiro ano consecutivo.

O primeiro confronto foi realizado na casa do San Antonio, no AT&T Center, e a equipe texana largou na frente ao derrotar o adversário por 116 a 92. Tony Parker e Marco Belinelli tiveram boas atuações. A equipe de San Antonio começou bem a partida, vencendo o primeiro quarto por 29 a 16. No segundo período, os mandantes encaminharam a vitória e com Belinelli e Leonard, foram para os vestiários vencendo por 65 a 39. Após o intervalo os Spurs diminuíram o ritmo de jogo, administraram o resultado e não deram chance para os Blazers buscarem uma reação, garantindo a vitória. O cestinha da partida foi o armador francês Tony Parker, com 33 pontos. Do lado dos Blazers, quem mais pontuou foi LaMarcus Aldridge, com 32 pontos.

Os Spurs também venceram o Jogo 2 com um placar elástico, batendo a equipe de Portland por 114 a 97. O primeiro quarto foi bastante equilibrado e o time de San Antonio só conseguiu vencer a parcial por três pontos. No segundo quarto, já jogando um basquete mais inspirado, os Spurs triunfaram na parcial por 41 a 25 e se encaminharam aos vestiários com 19 pontos de frente (70 a 51). Na terceira etapa, os Blazers tentaram voltar ao jogo, mas pode se dizer que em nenhum momento os visitantes ameaçaram de fato de fato, já que a menor vantagem dos Spurs no período foi de 12 pontos (81 a 69), com pouco mais de dois minutos restando no terceiro quarto. Mesmo assim, os Spurs terminaram a etapa com 16 pontos de folga (87 a 71). Já com a fatura praticamente liquidada, o San Antonio Spurs conseguiu administrar bem a partida no último quarto, venceu a parcial por 27 a 26, confirmando o triunfo por 17 pontos de diferença. Um dos pontos fortes dos Spurs foi a defesa: a equipe forçou 13 turnovers, roubou sete bolas e deu oito tocos. Os grandes destaques foram Kawhi Leonard, cestinha com 20 pontos, e Tony Parker, com 16 pontos e dez assistências. Na equipe de Portland, Nicolas Batum foi o cestinha com 21 pontos.

O Jogo 3, no Moda Center, em Oregon, também foi vencido pelos comandados de Gregg Popovich. A equipe de San Antonio ficou a uma vitória de avançar na NBA após bater os Blazers por 118 a 103. Jogando fora de casa, os Spurs abriram grande vantagem desde os dois primeiros quartos e, desta forma, a equipe visitante não teve problemas para confirmar o triunfo. O San Antonio Spurs começou em ritmo acelerado desde o início da partida e, no primeiro quarto, o time visitante abriu dez pontos de frente (28 a 18). Contando com bom trabalho coletivo, os texanos foram muito bem novamente no segundo período e, assim, terminaram a primeira metade de jogo com 20 pontos de vantagem (60 a 40). Os texanos souberam se recuperar dentro do quarto e foram para o último período com 14 pontos de frente (83 a 69). O último quarto começou movimentado e o Portland Trail Blazers conseguiu fazer a diferença cair para 11 pontos (90 a 79) a pouco mais de dez minutos para o final. Entretanto, apesar dos esforços dos mandantes, o San Antonio Spurs engatou uma boa sequência nos minutos seguintes e venceu tranquilamente. Tony Parker foi o melhor jogador em quadra com 29 pontos. O cestinha da equipe de Oregon foi Wesley Matthews, que anotou 22.

Os Spurs poderiam ter decidido a série no Jogo 4, mas perderam para os Blazers fora de casa e adiaram a decisão ao sofrerem a derrota por 103 a 92. O Portland Trail Blazers contou com grande atuação de seus principais jogadores no primeiro quarto e venceu a etapa com placar parcial de 29 a 24. No segundo quarto, o San Antonio Spurs conseguiu equilibrar as ações e foi para os vestiários com apenas dois pontos de desvantagem (50 a 48). O terceiro quarto começou bastante acirrado, e nos primeiros sete minutos, foi o Portland que começou melhor e abriu 65 a 59. Os donos da casa seguiram atuando em um bom ritmo, dominaram os Spurs completamente na etapa e venceram a parcial por 35 a 20. A equipe começou o último quarto vencendo por 85 a 68, administrou a vantagem e conquistou a vitória. Os Spurs até esboçaram uma reação no minuto final, mas uma bola de três de Will Barton consagrou o trunfo dos Blazers. Damian Lillard, cestinha do jogo, foi o grande destaque do Portland ao anotar 25 pontos. No San Antonio, o cestinha da equipe foi o Tony Parker com 14 pontos.

No Jogo 5, os Spurs aproveitaram o mando de quadro para superar os Blazers e chegar à final do Oeste. A equipe jogou no AT&T Center e, mesmo sem Tony Parker, que se lesionou no primeiro quarto e saiu sem pontuar, venceu Portland por 104 a 82 e chegou pela terceira vez consecutiva às finais de conferência. O primeiro quarto de partida foi bastante equilibrado e nenhuma das equipes conseguiu abrir grande vantagem no marcador. Assim, a etapa terminou empatada em 19 pontos. No segundo quarto, entretanto, os donos da casa melhoraram um pouco, venceram com placar parcial de 32 a 25, principalmente por conta da Danny Green e Kawhi Leonard, e foram para os vestiários com sete pontos de frente (51 a 44). Na volta do intervalo, os Spurs retornaram bastante ligados, engataram uma sequência de 8 a 0 e, a pouco mais de dez minutos para o fim da etapa, venciam com 15 pontos de margem. Os Trail Blazers até tentaram equilibrar as ações, mas os donos da casa conseguiram realizar uma etapa um pouco melhor e foram para o último quarto com 14 pontos de vantagem (77 a 63). Com uma folga ligeiramente confortável, bastou aos Spurs manterem o ritmo no período final para confirmarem a vitória e a classificação. Liderados por Danny Green e Kawhi Leonard, os texanos administraram a liderança no marcador e jamais foram ameaçados no último quarto. Assim, o triunfo por 22 pontos de diferença não foi grande surpresa. Os destaques do San Antonio Spurs na partida foram Danny Green e Kawhi Leonard, com 22 pontos cada. Pelos Blazers, LaMarcus Aldridge se destacou com 21 pontos e dez rebotes. O banco de reservas foi um fator relevante na vitória dos Spurs. Enquanto os reservas da equipe texana contribuíram com 40 pontos no total, os suplentes do Portland Trail Blazers foram ineficientes e foram responsáveis apenas por míseros oito pontos da equipe de Oregon.

Oklahoma City Thunder 4 x 2 Los Angeles Clippers

O Oklahoma City Thunder do MVP Kevin Durant bateu o Los Angeles Clippers por 4 a 2 na série e se classificou para a final da Conferência Oeste.

No Jogo 1, os Clippers jogaram na Chesapeake Energy Arena e bateram os anfitriões por 112 a 105, abrindo 1 a 0 na série. O primeiro quarto começou equilibrado e o Thunder chegou a ter uma vantagem de seis pontos (16 a 10) a sete minutos do final do período, mas então os donos da casa sofreram uma grande apagão nos minutos finais da etapa e deixaram os Clippers abrirem nada menos do que 14 pontos logo no primeiro período (39 a 25). No segundo quarto, o duelo foi ligeiramente mais equilibrado, mas mesmo assim os visitantes conseguiram aumentar um pouco mais a vantagem e foram para os vestiários com 17 pontos de frente (69 a 52). Foi na volta do intervalo que a situação de OKC começou a ficar realmente complicada. Começando muito bem o terceiro quarto, o Los Angeles Clippers abriu uma margem de 26 pontos (82 a 56) a pouco mais de oito minutos para o encerramento do período. A equipe mandante até tentou reagir, mas terminou o penúltimo quarto com desvantagem de 26 pontos (104 a 78). Comvantagem elástica no placar, os Clippers diminuíram o ritmo e usaram seus reservas no último período, garantindo a vitória tranquilamente. O grande destaque da partida foi Chris Paul. O armador do Los Angeles Clippers comandou sua equipe e fechou com double-double de 32 pontos e dez assistências, sendo o cestinha da partida.  O maior pontuador da equipe da casa foi Russell Westbrook, que fechou com 29 pontos, quatro rebotes e quatro assistências.

No Jogo 2, o Thunder empatou a série em 1 a 1 ao vencer por 112 a 101, jogando em casa. OKC fez um primeiro quarto bom e terminou a etapa vencendo por 37 a 28. No segundo período, o Los Angeles Clippers conseguiu equilibrar um pouco as ações e, com triunfo parcial por 28 a 24, os visitantes foram para o intervalo com apenas cinco pontos de desvantagem (61 a 56). No terceiro quarto o Thunder praticamente garantiu a vitória e foram para o último quarto com 17 pontos de folga no marcador (94 a 77). Assim, o OKC venceu com folga. Os destaques foi Kevin Durant. O MVP fez 32 pontos, 12 rebotes e deu nove assistências. Russel Westbrook anotou 31 pontos, pegou dez rebotes e deu dez assistências. Pelos Clippers, J.J. Redick, que foi o cestinha da equipe, com 18 pontos.

O Jogo 3 teve lugar no Staples Center. Mesmo jogando fora de casa, o Thunder bateu os Clippers por 118 a 112 e virou a série, liderando por 2 a 1. Com o apoio de sua torcida, a franquia da Califórnia começou o duelo na frente. A defesa forçou erros do adversário e isso fez com que os Clippers abrissem uma pequena vantagem ainda no primeiro quarto. Porém, o OKC não se abalou e conseguiu manter o equilíbrio na partida. Assim, os anfitriões venceram a primeira metade do jogo por 63 a 62. Após o intervalo, a dinâmica do jogo não mudou. Os donos da casa continuaram melhores, mas com o Thunder sempre muito perto no placar. Até que no último quarto tudo mudou. O Oklahoma conseguiu fazer um grande período e virar o placar, vencendo o quarto por 32 a 22 e garantindo a vitória. O MVP Durant foi o cestinha da partida com 36 pontos. Blake Griffin foi o maior pontuador dos Clippers com 34.

No Jogo 4, os Clippers empataram a série em 2 a 2 ao vencer o OKC em casa, com o apoio da torcida, por 101 a 99. A equipe esteve atrás durante quase toda a partida, mas na reta final buscou a virada e anotou o triunfo. Até o intervalo, o Thunder liderava por 57 a 46. Durante o jogo, o time conseguiu abrir 22 pontos de vantagem sobre os Clippers. No último quarto, a equipe entrou perdendo por 15 pontos. Nos últimos instantes de jogo, Darren Collison marcou duas cestas que colocaram o Los Angeles Clippers em vantagem e com 101 pontos no placar. Com um segundo restando para o término, Westbrook tentou a cesta de três pontos que daria a vitória ao seu time, mas não conseguiu acertar. O grande destaque dos Clippers foi o armador Chris Paul, que marcou 23 pontos e deu dez assistências. Pelo lado do Thunder, o MVP da temporada, Kevin Durant foi, mais uma vez, o cestinha da partida, anotando 40 pontos.

O OKC venceu o Jogo 5 no sufoco, por 105 a 104 jogando em casa. Apesar de ter passado a maior parte do tempo na liderança do marcador, o Los Angeles falhou nos momentos decisivos, sobretudo no minuto final, quando Chris Paul cometeu uma série de erros fatais, e perdeu um jogo que estava praticamente resolvido a seu favor. Os Clippers começaram bem na partida e venceram o primeiro quarto por 34 a 25. No segundo período, o Oklahoma melhorou e venceu a parcial por 27 a 24, indo para os vestiários perdendo por apenas seis pontos (58 a 52). O terceiro quarto seguiu equilibrado e as duas equipes fizeram 28 pontos cada na etapa. Assim, os Clippers foram para o último quarto exatamente com a mesma vantagem de seis pontos de antes do intervalo (86 a 80). O último período iniciou bem parelho, mas o Los Angeles Clippers não deixava o OKC passar à frente no placar. E, perto da metade do quarto, os visitantes engataram uma boa sequência de ataques e abriram 13 pontos de folga (101 a 88). Nos minutos seguintes, foi a vez do Thunder melhorar bem ofensivamente e engatar uma boa sequência. Assim, com 1min24s para o término, o placar marcava 101 a 97 a favor dos Clippers. Os californianos até aumentaram a vantagem para 104 a 97, logo na sequência, mas ainda havia bastante tempo restante. Com 49 segundos remanescentes na partida, Chris Paul acertou uma bola de dois e deixou a diferença em sete pontos a favor dos Clippers. Pouco depois, Kevin Durant acertou uma bola de três para diminuir a desvantagem dos donos da casa para quatro pontos (104 a 100). Na sequência, Jamal Crawford errou a bandeja e, no contra-ataque, novamente Durant foi bem, fez mais dois pontos e deixou o placar marcando 104 a 102. Instantes depois, Chris Paul errou o passe, o Oklahoma City Thunder recuperou a bola já na quadra de ataque, com Russell Westbrook, e ele converteu seus três lances livres, após falta cometida por Chris Paul novamente, virando o jogo para o Thunder. Ainda restavam seis segundos e o Los Angeles Clippers teria uma chance. No lance decisivo, bola na mão de Chris Paul, que teve a chance de se redimir. Porém, aconteceu exatamente o contrário, já que o camisa 3 do time da Califórnia, ao tentar partir para a bandeja que daria a vitória, perdeu a bola e viu o adversário confirmar o suado triunfo. Russel Westbrook foi o cestinha com 38 pontos. Pelos Clippers, o homem do jogo foi Blake Griffin, com 24 pontos e 17 rebotes.

No Jogo 6, marcado por erros de arbitragem, o Thunder bateu os Clippers e confirmou a classificação para a final de conferência. No Staples Center, a equipe da casa venceu por 104 a 98 e fechou a série em 4 a 2. Foi a equipe de LA que começou melhor. Os primeiros minutos foram equilibrados, mas logo os anfitriões abriram boa vantagem e fecharam o primeiro quarto vencendo por 30 a 16. No segundo período, OKC aumentou sua produção e foi para o intervalo perdendo por apenas oito pontos (50 a 42). O Thunder voltou dos vestiários com tudo e, com excelente atuação do MVP Kevin Durant, a equipe visitante diminuiu a diferença e empatou o jogo em 72 pontos. Na última etapa, Durant e Westbrook cresceram e abriram vantagem, e o Thunder se manteve à frente no placar durante todo o quarto. Nos minutos finais, a arbitragem marcou faltas duvidosas para os dois lados, deixando ambos os técnicos descontentes, mas mesmo assim o OKC confirmou a vitória e a classificação. A estrela do jogo foi Durant, com 39 pontos e 16 rebotes. Pelos Clippers, Chris Paul foi o maior pontuador ao anotar 25 pontos e 11 assistências.

FINAIS DE CONFERÊNCIA

San Antonio Spurs 4 x 2 Oklahoma City Thunder

San Antonio Spurs e Oklahoma City Thunder duelaram pela final da Conferência Oeste. Seis jogos foram necessários para os Spurs vencerem a série e se classificarem para as Finais da NBA pelo segundo ano seguido. Spurs foi o primeiro do Oeste com 62 vitórias e 20 derrotas e o Thunder foi o segundo, com 59 vitórias e 23 derrotas. Na temporada regular, as equipes se encontraram quatro vezes o a equipe de Oklahoma venceu os quatro duelos, o que preocupou o time texano. Mas os Spurs quebraram o tabu e garantiram a classificação.

Jogando no AT&T Center, os Spurs não deram chance para o Thunder e venceram o Jogo 1 por 122 a 105, largando na frente da série.Os Spurs souberam se impor e triunfaram diante da torcida, com destaque para Tim Duncan, que marcou  27 pontos. Serge Ibaka, com contusão na panturrilha, desfalcou o OKC, e Durant foi o cestinha do jogo, com 28 pontos. O primeiro quarto começou equilibrado, mas o San Antonio se impôs e terminou o primeiro quarto vencendo por 30 a 27, mantendo a boa sequência no segundo período e indo para o intervalo com oito pontos de vantagem (67 a 59). No terceiro quarto, o Thunder buscou uma recuperação e chegou a ficar na frente do placar, mas com boa atuação de Ginobili e Boris Diaw, os donos da casa recuperaram a liderança e fecharam o terceiro quarto vencendo por 89 a 82. Na etapa final, os Spurs entraram bem e aumentaram a vantagem. A partir de então, a equipe conduziu bem o resultado e não chegou a ser ameaçada, vencendo a partida.

O Jogo 2 foi um massacre dos Spurs sobre o Thunder. Os donos da casa venceram facilmente por 112 a 77, abrindo 2 a 0 na série. Mesmo sem Ibaka, o Thunder começou bem e fechou o primeiro quarto vencendo por 26 a 24. Mas logo os Spurs se recuperaram, forçando o jogo dentro do garrafão e metendo algumas bolas de três, e os anfitriões foram, para os vestiários vencendo por 58 a 44. No segundo tempo o massacre continuou. Com defesa forte e boa movimentação de bola no ataque, os Spurs definiram o jogo no terceiro período ao abrirem uma diferença de quase 30 pontos no placar. No último quarto as duas equipes jogaram com os reservas e os Spurs anotaram a vitória. O francês Tony Parker foi o cestinha com 22 pontos. Durant e Westbrook foram os destaques do OKC, com 15 pontos cada.

Com o retorno de Serge Ibaka, a equipe de Oklahoma venceu o Jogo 3 por 106 a 97. Jogando na Chesapeake Energy Arena, os comandados de Scott Brooks diminuíram a desvantagem na série para 2 a 1. Ibaka jogou bem e mostrou boa evolução na recuperação, anotando 15 pontos, pegando sete rebotes e dando quatro tocos. Russell Westbrook foi o cestinha da partida com 26 pontos. Pelos Spurs, quem se destacou foi o argentino Manu Ginobili, com 23 pontos e quatro assistências. O primeiro quarto de partida foi extremamente equilibrado e o San Antonio venceu a parcial por 29 a 28. No segundo quarto, o Oklahoma começou a fazer valer o mando de quadra e, liderado por um Westbrook inspirado, a equipe virou o jogo e foi para os vestiários com quatro pontos de frente (57 a 53). Na volta do intervalo, o Thunder engatou uma boa sequência de pontos e segurou os Spurs. A equipe texana seguia com dificuldades mas, na metade do terceiro quarto, fez a diferença cair para seis pontos (71 a 65). Mesmo assim, OKC foi capaz de administrar bem a vantagem e terminou o terceiro quarto com sete pontos de frente (83 a 76). Nos primeiros dois minutos do último período, o Thunder abriu 14 pontos de vantagem no marcador (90 a 76), e administrando a vantagem, venceu sem maiores perigos. Nos minutos finais Gregg Popovich colocou os reservas, se conformando com a derrota.

O Thunder empatou a série no Jogo 4 ao vencer em casa por 105 a 92. A franquia de Oklahoma entrou forte desde o início e venceu o primeiro quarto por 26 a 20. No segundo quarto, os donos da casa renderam ainda mais e, contando com Westbrook e Durant, o Thunder foi para os vestiários com 15 pontos de vantagem (58 a 43). O terceiro período foi um pouco mais equilibrado, mas o OKC se manteve na frente com folga e fechou o terceiro quarto vencendo por 83 a 67. Na etapa final a equipe de Oklahoma só precisou administrar a vantagem para confirmar o triunfo. Ibaka jogou novamente, mesmo com a lesão na panturrilha, e anotou nove pontos. Novamente a dupla Westbrook e Durant foram os destaques do Thunder. Westbrook anotou 40 pontos e fez dez assistências, enquanto o MVP anotou 31 pontos. Os Spurs tiveram uma atuação fraca e seus cestinhas, Tony Parker e Boris Diaw, marcaram apenas 14 pontos cada.

No Jogo 5, após duas derrotas, os Spurs venceram jogando em casa e retomaram a liderança na série ao bater o Thunder por 117 a 89. O primeiro quarto foi bastante equilibrado e as duas equipes marcaram muitos pontos, terminando assim empatadas em 32 pontos. Foi a partir do segundo quarto que os Spurs se sobressaíram e foram para os vestiários vencendo por 65 a 55. Na terceira etapa, os anfitriões praticamente a vitória ao fecharem o período vencendo por 94 a 74. Administrando a vantagem com pouca pressão e apoio da torcida, Popovich colocou os reservas e garantiu a vitória. O cestinha do jogo  foi Durant com 25 pontos. Pela equipe vitoriosa, Tim Duncan se destacou com um duplo-duplo de 22 pontos e 12 rebotes.

No Jogo 6, os Spurs jogaram fora de casa, na Chesapeake Energy Arena, bateram o Thunder por 112 a 107 na prorrogação e fecharam a série por 4 a 2, chegando mais uma vez nas finais da NBA. No primeiro quarto de partida, o OKC foi ligeiramente melhor do que o rival e, com boa de Westbrook, a equipe da casa venceu a parcial por 23 a 20. No segundo quarto, o Thunder até chegou a perder a liderança do marcador, ficando quatro pontos atrás (33 a 29) quando restavam pouco menos de seis minutos para o intervalo, mas o time de Oklahoma se recuperou na sequência da etapa e foi para o intervalo com sete pontos de folga (49 a 42). No terceiro quarto, o San Antonio Spurs cresceu consideravelmente e o Thunder não se encontrou mais dentro de quadra. Assim, a franquia do Texas fechou o período vencendo por 79 a 69. A equipe comandada por Scott Brooks chegou a ficar 12 pontos atrás no início da etapa final, mas buscou uma reação e empataram o jogo em 101 a 101, forçando o tempo extra. Na prorrogação, a equipe da casa ainda saiu na frente com dois lances livres convertidos por Ibaka. As franquias se revezaram na frente do placar, mas faltando 19 segundos para o fim, Tim Duncan meteu uma bola de dois pontos que deixou os Spurs na frente por 110 a 107. Quatro segundos depois, Diaw converteu um lance livre e aumentou a folga para quatro pontos. Faltando cinco segundos para o fim, o mesmo Diaw converteu mais um lance e garantiu a vitória de sua equipe. O OKC cometeu muitos erros, não pontuou nos últimos dois minutos e foi eliminado. Com 26 pontos, quatro rebotes e duas assistência, Boris Diaw foi o cestinha da partida. Duncan anotou um duplo-duplo com 19 pontos e 15 rebotes. Pelo Thunder, Westbrook foi o maior pontuador com 34 pontos, além de sete rebotes, oito assistências e seis roubadas de bola. O MVP Durant encerrou sua participação na temporada anotando um duplo-duplo de 31 pontos e 14 rebotes. A partida ainda foi marcada pela saída de Tony Parker, que sentiu dores no tornozelo esquerdo e não voltou para o segundo tempo. Mesmo assim, os Spurs garantiram sua classificação para as Finais da maior liga de basquete do mundo.

Popular

Copyright © 2015-2021 - https://www.quintoquartobr.com/

+18 Jogue com responsabilidade


Copyright QuintoQuartoBR

To Top