Phoenix Suns corre risco de não jogar os Playoffs da NBA

Antônio Henrique Pires Collar | 26/03/2024 - 16:03

O Phoenix Suns tinha tudo para vencer seu terceiro jogo seguido diante de um San Antonio Spurs desfalcado de Victor Wembanyama, na noite de segunda-feira (25). Mas um arremesso de Jeremy Sochan a 29 segundos para o final deu a vitória por 104 a 102 para o pior time da NBA, apenas a sua 16ª em 72 rodadas.

O tropeço inesperado fez a equipe perder uma posição para o Dallas Mavericks, passando do oitavo para o sétimo lugar. Com 10 partidas para o fim da temporada regular, os Suns ainda seguem muito vivos na briga por uma classificação imediata para os Playoffs, mas o risco de cair ainda mais na tabela aumentou depois da noite passada.

Hoje, Phoenix tem o mesmo número de vitórias tanto do Sacramento Kings quanto dos Mavs, sexto e sétimo, respectivamente. Estes dois se enfrentarão na quarta-feira, e um inevitavelmente abrirá vantagem. Com relação ao Los Angeles Lakers, nono da Conferência Oeste, a diferença a favor do time de Kevin Durant e Devin Booker é de três jogos.

Phoenix Suns tem a pior tabela da NBA

Na prática, perder para o San Antonio Spurs significou colocar desperdiçar o último compromisso considerado fácil que faltava. Daqui até a segunda semana de abril, todos os adversários que restam estão em zona de classificação direta para os Playoffs, sejam eles do Leste ou do Oeste. Os dois próximos desafios, por exemplo, serão fora de casa contra o líder Denver Nuggets e o vice Oklahoma City Thunder.

E as dificuldades não param por aí. A projeção é de que o grupo treinado por Frank Vogel encare o calendário mais difícil da NBA nas próximas semanas, com o aproveitamento médio dos oponentes ficando acima dos 64%. Para efeitos de comparação, a segunda jornada vista como mais complicada é a do Charlotte Hornets, que enfrentará uma média de aproveitamento na casa dos 59%.

Apesar de ainda ter 10 partidas pela frente, são apenas sete adversários no caminho. Serão dois jogos contra Minnesota Timberwolves, New Orleans Pelicans e Los Angeles Clippers, terceiro, quarto e quinto colocados da conferência. O Phoenix Suns, aliás, já entrou em quadra 13 vezes contra os sete rivais que reencontrará nos próximos dias.

O aproveitamento contra eles foi de 46.15% (seis vitórias e sete derrotas). Levou a melhor sobre Timberwolves (1-0), Pelicans (1-0) e Cavaliers (1-0), mas sofreu contra Thunder (0-2) e Clippers (0-2). Ainda empatou com Kings (2-2) e Nuggets (1-1). Se quiser ter chances de confirmar pelo menos a sexta posição, este rendimento precisará melhorar, especialmente se considerarmos que os Mavericks venceram oito dos últimos 10 duelos, e os Kings sete.

Aliás, a vaga antecipada nos Playoffs já não deve ser a única preocupação da franquia do Arizona. Cavar uma melhor colocação no Play-in também é algo a ser levado em consideração neste momento. O oitavo lugar não ofereceria risco de eliminação em caso de uma derrota, mas faria com que este jogo fosse fora de casa. Hoje, o adversário seria exatamente o Dallas Mavericks de Luka Doncic e Kyrie Irving. Em três encontros entre as equipes neste ano, foram duas vitórias para o time do Texas.

Outro risco é a perda de mais uma posição, sendo ultrapassado pelos Lakers. Isso significaria ter de enfrentar duas fases na repescagem, sendo a primeira em casa e a segunda fora. Também ofereceria o risco de ser eliminado caso perdesse o primeiro desafio. A distância para Los Angeles ainda é relativamente confortável, de três jogos, mas LeBron James e Anthony Davis terão um dos calendários mais fáceis da liga nos próximos dias (47% de aproveitamento dos adversários, segundo mais baixo do Oeste).

Jogos que restam para o Phoenix Suns

27/3: Denver Nuggets (fora)
29/3: OKC Thunder (fora)
01/4: New Orleans Pelicans (fora)
03/4: Cleveland Cavaliers (casa)
05/4: Minnesota Timberwolves (casa)
07/4: New Orleans Pelicans (casa)
09/4: Los Angeles Clippers (casa)
10/4: Los Angeles Clippers (fora)
12/4: Sacramento Kings (fora)
14/4: Minnesota Timberwolves (fora)

Escrito por Antônio Henrique Pires Collar
Formado em jornalismo pela PUCRS e em Basketball Analytics pela Sports Management Worldwide. Com passagem de 6 anos e meio pela editoria de Esportes do jornal Zero Hora e do portal GZH, de Porto Alegre.