Irã pede exclusão dos Estados Unidos da Copa

Letícia Oziecki | 28/11/2022 - 23:29

Em primeiro lugar, a supressão do símbolo de Alá da bandeira do Irã motivou uma queixa do país à FIFA contra a federação de futebol dos Estados Unidos, em vésperas de as equipas se defrontarem no Mundial 2022, nesta terça-feira (29), no Qatar.

“Num ato não profissional, a página do Instagram da Associação Americana de Futebol removeu o símbolo de Alá da bandeira iraniana”, denunciou agência de notícias oficial Irã, que revelou o fato da federação iraniana ter enviado um e-mail à FIFA “para exigir que envie um aviso sério” à sua congénere.

A bandeira da República Islâmica do Irã é composta pelas cores verde, branco e vermelho e no centro tem uma forma estilizada da palavra Alá, que foi retirada da bandeira numa publicação no Instagram da página da federação norte-americana.

O ato foi justificado pelos americanos como uma forma de “mostrar solidariedade com as mulheres do Irã”, recordando que a “bandeira nunca sofreu alterações no site da federação”.

Atualmente, o Irã é palco de um amplo movimento de protesto desencadeado em 16 de setembro com a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, enquanto estava sob custódia policial após sua prisão por desrespeitar o rígido código de vestuário islâmico do país.

Na publicação da Tasnim News Agency, o consultor jurídico da Federação Iraniana de Futebol, Safia Allah Faghanpour, afirma que entrará com queixa contra a seleção americana no Comitê de Ética da Fifa por desrespeito à bandeira nacional do Irã.

“Respeitar a bandeira nacional é uma prática aceita internacionalmente e que todas as nações devem estimular. A ação conduzida em relação à bandeira iraniana é antiética e contra a lei internacional”, disse o advogado à agência iraniana.

Contudo, Irã e Estados Unidos decidem, nesta terça-feira (29), às 16h (horário de Brasília) uma vaga nas oitavas de final, e ocupam, respectivamente, a segunda e terceira posições do Grupo B da Copa do Mundo. Os iranianos somam três pontos, enquanto os americanos têm dois. Portanto, além de ter sempre grande impacto político, vai decidir quem avança na competição.

Foto destaque: Divulgação/GES Sportfoto/Getty Images

Escrito por Letícia Oziecki
Concluí minha graduação em Jornalismo pela UNINTER e faço parte do QQ desde 2021. Tenho uma paixão pela NBA e pelo futebol brasileiro, sendo torcedora dos Celtics desde a era de Paul Pierce e do Palmeiras desde o berço. Tenho interesse pela história do esporte, sendo fã especialmente de Michael Jordan.