COLUNAS

Campeões esquecidos do UFC – Ricco Rodriguez

Inicialmente, o Desbravando Lendas dessa semana fará uma viagem no tempo para resgatar a história de lutadores que já se sagraram campeões do UFC, mas que boa parte dos fãs de artes marciais mistas não sabem ou não se recordam. Sendo assim, nessa primeira coluna, começaremos os trabalhos contando um pouco da história de Ricco Rodriguez que em 27 de setembro de 2002 se tornava campeão peso-pesado da maior organização de MMA do mundo. Entretanto, poucas pessoas lembram desse fato, isso porque Ricco não teve um reinado duradouro e muito menos marcante na organização. Por isso, vamos lembrar este campeão um tanto esquecido e trazer um pouco de sua caminhada no mundo das lutas.

ANTES DO UFC

Ricco Rodriguez sempre teve uma veia voltada para lutas. Assim, lutou wrestling na Tottenville High School, quando ainda vivia em Nova Iorque. Logo após se mudar para a Califórnia, começou a praticar jiu jitsu, modalidade a qual se especializou. Assim, começou a disputar campeonatos, sendo um dos primeiros americanos a ser campeão mundial no jiu jitsu de pano, vencendo o torneio na faixa azul em 1997, na categoria absoluto. Nos anos seguintes, Ricco competiu no ADCC, onde se tornou medalhista de ouro na divisão Absoluto em 1998. No ano seguinte, ficou com a medalha de prata na divisão até 99 kg.

MIGRAÇÃO PARA O MMA E CHEGADA AO UFC

Nesse sentido, ele fez a sua estreia no MMA em 1999, no evento Extreme Cage. Diante de seu bom retrospecto, não demorou muito para chegar em eventos grandes, como por exemplo o extinto Pride, fazendo três lutas na organização e vencendo todas elas. Sendo assim, uma vitória por finalização e duas vitórias por decisão dos juízes.

Após o término do seu contrato com o evento japonês, ele teve uma passagem rápida pelo King Of The Cage, vencendo o cinturão Openweight (Peso Livre ou Absoluto) do evento, derrotando Paul Buentello por finalização, em fevereiro de 2001. Sendo assim, essa vitória levou Ricco a ser contratado pelo UFC.

CORRIDA ATÉ O CINTURÃO

Ricco chegou ao UFC em 2001, fazendo um enorme barulho, derrotando a então promessa da categoria, Andrei Arlovski, via nocaute técnico, logo em sua estreia, em junho de 2001. Após isso entrou em uma sequência de vitórias, vencendo mais três lutas seguidas, todas por nocaute técnico. Sendo assim, bateu Pete Williams, Jeff Monson e Tsuyoshi Khosaka. Assim, Ricco Rodriguez se credenciou como um dos principais nomes da divisão no Ultimate.

Logo, com o afastamento do então campeão Josh Barnett, devido a ter falhado no teste anti-doping, o nova-iorquino foi escalado para enfrentar Randy Couture, pelo título vago dos pesados.

CONQUISTA DO CINTURÃO

No dia 27 de setembro de 2002, Ricco Rodriguez foi escalado para o UFC 39, para encarar Randy Couture, pelo título peso-pesado vago. Assim, a luta começou equilibrada com uma leve superioridade a favor de Couture, aplicando o seu estilo costumeiro, o chamado “dirty boxe“. Ricco Rodriguez buscava a queda, entretanto sem sucesso. Por outro lado, Couture ia quedando apenas para garantir o round, enquanto Rodriguez tentava a raspagem. Deste modo, Couture garantiu os primeiros rounds. Rodriguez foi crescendo na luta e nos últimos rounds, conseguiu boas quedas e passou a explorar seu jiu jitsu buscando a finalização. Já no último round da luta, a qual estava perdendo por pontos, tendo passado pouco mais da metade do round, Rodriguez conseguiu uma queda, aplicando o ground and pound. Logo depois, Couture fez a desistência verbal e a luta foi interrompida.

Com isso, Ricco Rodriguez se tornou o primeiro lutador de descendência porto-riquenha a ganhar um cinturão do UFC, além de ter vencido um atleta que viria a se tornar Hall da Fama do UFC, e um dos maiores nomes do evento.

APÓS O CINTURÃO

Depois de ter ganho o cinturão do evento, Ricco perdeu logo na primeira defesa, para Tim Sylvia, em fevereiro de 2003. A derrota veio via nocaute. Tim Sylvia estava invicto e havia vencido as últimas cinco lutas por essa via. Sendo assim, o reinado do nova-iorquino durou apenas cinco meses, até por esse fato ele acabou esquecido do UFC. Além disso, um fato que pesou para esse “esquecimento” é que a categoria dos pesos-pesados na época era pouco povoada e tinha um nível menor do que o Pride, por exemplo, que tinha nomes como: Fedor Emilianenko, Rodrigo Minotauro, Kevin Randleman, Mark Keer, Mark Coleman, Dan Severn, Mirko Cro Cop, dentre outros que marcaram época no MMA.

Por outro lado, após perder o cinturão, Ricco retornou ao Pride, sendo derrotado por Rodrigo Minotauro por decisão unânime. Essa derrota o fez retornar ao UFC, sendo derrotado por Pedro Rizzo, também por decisão unânime. Ricco acabou novamente deixando o Ultimate, fazendo mais algumas lutas em eventos regionais onde obteve uma sequencia de cinco vitórias, até chegar ao WEC. Assim, Rodriguez logo chegou a organização lutando pelo cinturão. Entretanto, acabou derrotado por Ron Waterman, por decisão unânime, em agosto de 2005. Ricco ainda passou por outros eventos de expressão, como: EliteXC, PFL e Bellator. Assim, seguiu sua longa jornada no MMA.

Atualmente, podemos dizer que Ricco Rodriguez é um lutador semi-aposentado, pois não luta desde fevereiro de 2019. Ao todo, foram 82 lutas profissionais, com 54 vitórias e 27 derrotas, sendo obviamente a maioria das vitórias por finalização. E um dado interessante, é que ele já tem mais de 15 anos de carreira, com quase 100 lutas profissionais, mas nunca foi finalizado.

Foto: Reprodução / bloodyelbow

2 Comments

2 Comments

  1. Pingback: Campeões esquecidos do UFC - Tim Sylvia - Quinto Quarto

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popular

To Top