NHL

Los Angeles Kings derrota New York Rangers, fecha série final com 4 a 1 e é campeão da Stanley Cup em 2014

Crédito: Instagram/ Reprodução

Crédito: Instagram/ Reprodução

Um grande jogo para fechar uma grande pós-temporada. Foi o que aconteceu na noite desta sexta-feira (13), no último duelo da NHL nessa temporada, que acabou com o Los Angeles Kings vencendo por 3 a 2, em embate com direito a duas prorrogações, e ganhando seu segundo título em três anos. A conquista da taça vinha se desenhando desde as partidas 1 e 2 da série, quando mesmo com tempo extra, o time de Los Angeles mostrou que não se abateria facilmente ante as adversidades do jogo, e duas vezes foi buscar uma desvantagem de dois gols no placar. No terceiro jogo da série, enfrentando um Madison Square Garden fervendo, os Kings deixaram claro que também sabiam administrar placares, e venceram o jogo na casa do adversário por 3 a 0. O único jogo que os campeões perderam na série foi muito disputado, mas a vontade dos Rangers de não serem varridos no melhor de 7 falou mais alto e eles triunfaram por 2 a 1 no jogo 4.

O jogo 5 da série foi o mais longo da história do time, e também entrará na história pela sua importância e amostra do quão disputado foi o confronto.

O jogo começou com dois times tomando posturas um tanto quanto conservadoras, já que ambos sabiam que um gol poderia mudar a história do jogo e da final. O placar de tiros ao gol do primeiro período foi baixo para o padrão da série: sete para os Kings contra seis para os Rangers. Mesmo com número baixo de tentativas de marcar, um gol saiu, e foi para explodir o Staples Center. Depois de um verdadeiro rebuliço criado em frente ao gol de Henrik Lundqvist após tiro de Willie Mitchell, Justin Williams aproveitou para abrir o placar para o time da casa. Era tudo que os mandantes precisavam para ficarem tranquilo na partida. O que se esperava a partir do gol era um Rangers partindo para o ataque, e os Kings explorando os contra-ataques. Mas o que se viu na prática foi exatamente o oposto.

Mesmo depois do gol, os Kings continuaram mandando no jogo, isso até o final do segundo período, quando o time de Nova York acordou para a partida. Em nenhum momento o time visitante se mostrou tenso e nervoso enfrentando um jogo de vida ou morte, mesmo Lundqvist, que vinha tendo suas atuações questionadas nos jogos das finais, pareceu nervoso ao longo da partida. E foi com essa calma que o time voltou a partida, inicialmente com um gol de Chris Kreider, em jogada de power play, e cinco minutos depois com gol short handed de Brian Boyle, após vacilo da defesa dos Kings

O time da casa queria fechar a série e garantir seu segundo título em três anos. Para isso partiu para cima do time dos Rangers, e o que se viu foi uma verdadeira blitz do time da casa. Anze Kopitar e Dustin Brown tiveram boas chances, mas Lundqvist estava determinado a apagar algumas más atuações que teve durante as finais. O placar de tiros ao gol no período foi de 12 a 3 para os Kings. “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, já diria o velho ditado. E a pedra só furou em jogada de power play, quando o goleiro de Nova York falhou em forte tiro de Drew Doughty. O goleiro soltou o puck, e logo a frente dele estava Marian Goborik, que se aproveitou para empatar a partida e levar o jogo para a prorrogação

O tempo complementar começou agitado, com dois times buscando o gol, e consequentemente a vitória. Os Rangers eram quem conseguiam as jogadas mais incisivas. E por muito pouco a equipe visitante não marcou com Ryan McDonagh, que atirou contra o gol de Quick, mas viu o puck andar caprichosamente à frente da linha fatal. Susto para os Kings.

O Los Angeles Kings, porém, era quem mais levava perigo ao oponente, e Lundqvist teve que fazer sequências de defesas em duas oportunidades para manter a série viva. Ainda no final do primeiro período complementar, o Rangers perderam um gol no breakaway, com Kreider.

O jogo foi para a segunda prorrogação, e o que se viu no rinque foram dois times cansados. Foram menos situações criadas do que no primeiro tempo complementar. O jogo parecia se arrastar para uma terceira prorrogação, e foi então que a estrela do defensor Alec Martinez apareceu. Tyler Toffoli escapou pela esquerda, atirou contra Lundqvist, que defendeu, mas deixou o rebote para Martinez, que marcou o gol mais importante de sua vida, o gol do segundo título da história do Los Angeles Kings.

O título vem para coroar um pós-temporada incrível do time, que na primeira rodada foi atrás de uma série que chegou a estar 3 a 0 para o San Jose Sharks. Depois, na segunda rodada, enfrentou outra série de sete jogos, dessa vez contra o Anaheim Ducks. Para ir às finais, enfrentou o forte time do Chicago Blackhawks, e com forte trabalho na defesa, venceu a série, novamente em sete partidas. Quis o destino que a série mais ‘fácil' nessa caminhada de Los Angeles fosse as finais da Stanley Cup, na qual o time venceu a melhor de sete por 4 a 1, fazendo sempre grandes partidas, até mesmo em sua única derrota.

O título de MVP dos playoffs foi para Justin Williams, que além de ter marcado um gol no jogo decisivo, anotou outros 23 pontos durante os playoffs. A escolha foi tida como surpresa, mas não deixou de ser merecida. Festa na Califórnia!

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popular

To Top