NFL

Scramble: o que rolou na semana 3 da temporada 2020 da NFL

A semana 3 da temporada 2020 da NFL já está entre nós. E, aqui no Quinto Quarto, você tem a chance de conferir o nosso Scramble! Um post especial com tudo o que rolou de importante nos jogos da semana. Tudo concentrado em um só lugar!

Resumos das partidas, nossas análises (sempre esdrúxulas) e o que mais desejar. Siga abaixo a terceira semana da National Football League…

Monday Night Football – Baltimore Ravens (2-1) 20 x 34 Kansas City Chiefs (3-0)

por Bruno Bataglin

– A gente esperava um Monday Night Football digno de Ravens e Chiefs para fechar a semana 3 e foi o que tivemos. Uma partida de 54 pontos, mas 34 deles foram para o lado de Kansas City. A franquia do Missouri chega a 3-0 e impõe a primeira derrota na temporada à franquia de Maryland.

– Olha, eu sou daqueles que acha que, quando os Chiefs querem jogar, não tem para ninguém. E, quando Patrick Mahomes quer, aí já é meio caminho andado: 31 passes certos de 42 para 385 jardas e quatro touchdowns, além de 26 jardas corridas e um TD. Cinco TDs no total para o astro dos Chiefs. Tá bom ou quer mais?

– OK, você pediu: com a atuação nesta noite de segunda, Mahomes ultrapassou as 10 mil jardas de passe na carreira e chegou à marca da maneira mais rápida na história da NFL, em seu 34º jogo na liga. O recorde anterior era de Kurt Warner, um Hall of Famer, que superou essa ‘milhagem’ em 36 partidas.

– Confesso que a defesa dos Chiefs era o fator de desequilíbrio que mais me deixava receoso antes desta partida. Mas, dentro do possível, a defesa de Steve Spagnuolo se postou bem: foram apenas 228 jardas totais cedidas, sendo 158 terrestres. É muita jarda pelo chão, mas como o sistema limitou Jackson pelo ar, ficou tudo mais fácil.

– Por falar em Lamar Jackson, o quarterback dos Ravens teve números realmente modestos lançando a bola: 15/28 para 97 jardas e um TD. Ele compensou um pouco pelo chão: nove corridas para 83 jardas (média de 9,2 jardas por carregada).

– Fim da sequência de 14 vitórias na temporada regular dos Ravens. E continuação da série de 12 vitórias (incluindo playoffs) dos Chiefs. Terceiro ano consecutivo em que Kansas City leva a melhor sobre Baltimore.

PS: eu disse no último Quinto Quarto Expresso (ouça a edição #209 no final deste Scramble) que uma linha de handicap positivo de +3,5 a favor dos Chiefs me agradava. Fiz isso na minha banca pessoal e me dei bem. Quando as casas de apostas te dão essa barbada, você aproveita. E, mesmo que não bata a aposta, você dorme tranquilo. Bateu, melhor ainda…

O QUE FEZ O QUINTO QUARTO SORRIR

por Bruno Bataglin

– Nick Foles é o MVP da NFL saindo do banco

Na MLB, temos o rebatedor designado. E, na NFL, temos o ‘QB que sai do banco designado’. Essa posição foi inventada e aperfeiçoada por Nick Foles. Se houvesse uma regra na liga que obrigasse os times a trocar de quarterback no meio de uma partida, Nick Foles superaria o contrato que Patrick Mahomes assinou nesta offseason.

Matt Nagy perdeu a paciência com Mitchell Trubisky (13/22, 128 jardas, um TD e uma interceptação) no meio da partida contra o Atlanta Falcons. Nick Foles veio do banco e fez o que sabe fazer como ninguém entrando no meio da partida: lançou para 188 jardas e três TDs, virando o jogo para o Chicago Bears.

Foles, que foi MVP do Super Bowl LII com a camisa do Philadelphia Eagles, cansou de fazer isso no lugar de Carson Wentz, fez isso em sua época de Kansas City Chiefs e segue saindo do banco como ninguém. MVP da NFL se levarmos em conta todas as partidas em que ele não é titular.

– Seattle Seahawks x Dallas Cowboys foi tudo o que a gente esperava (e mais um pouco)

Apesar do Sunday Night Football entre New Orleans Saints e Green Bay Packers ter sido um jogo muito esperado neste domingo, Seahawks x Cowboys foi a partida mais aguardada por muitos. E entregou o que prometeu.

Foram 69 pontos anotados no total, teve maluquice, safety, TD ridículo perdido (leia a parte de DK Metcalf feita por meu amigo Miguel Amado logo abaixo) e um Russell Wilson endiabrado. O camisa 3 de Seattle mostrou que é o principal candidato a MVP, acertando 27 passes de 40 para 315 jardas e absurdos cinco touchdowns. São 14 lançamentos para TD nas três primeiras semanas, um novo recorde da NFL (o anterior era de Patrick Mahomes, dos Chiefs, que lançou para 13 nas primeiras três semanas da temporada 2018).

– Josh Allen jogando como franchise quarterback

Em meio a tanta coisa legal de se destacar em um domingo agitado, eu fiz questão de separar um tópico para falar de Josh Allen. O cara simplesmente mostrou que é CLUTCH e colocou a terceira vitória do Buffalo Bills no bolso.

Sim, ele cometeu dois turnovers na partida (uma interceptação e um fumble), mas ainda assim o camisa 17 chamou a responsa quando foi preciso. E, com um passe de três jardas para Tyler Kroft a 15 segundos do término, ele deu a vitória de virada aos Bills sobre o Los Angeles Rams: 35 a 32.

Os Bills chegaram a estar vencendo por 28 a 3 no começo do terceiro quarto, cederam quatro TDs e tomaram a virada de 32 a 28, mas então Allen apareceu para ser o franchise QB de Buffalo. Números finais dele: 24/33, 311 jardas, quatro TDs e uma INT. Stats de respeito.

O QUE QUEBROU AS NOSSAS PERNAS

por Miguel Amado

– Ah, DK Metcalf, me respeita…

O nosso seguidor/inscrito no canal do YouTube, Victor Marinho, jogou a real:

Eu fui contra os Seahawks no jogo contra os Patriots e Seattle teve uma de suas maiores vitórias nos últimos anos. Dessa vez o pé gelado foi a favor e DK Metcalf faz isso (veja mais abaixo no Scramble o que ele aprontou).

Eu sei que os torcedores dos Seahawks já começaram a escrever o email carregado de ódio e raiva. Eu sei que toda minha paixão por bandas de Seattle de nada adiantaria. Mas não me culpem. Culpem esse ‘jênio’ marombado com mais piercings nasais que a Pitty.

– Dan Quinn definitivamente não tem mais clima

Já disse que não sei como Dan Quinn ainda está em Atlanta. Depois da pífia derrota na semana 2 para os Cowboys, pensava que não tinha como piorar. Mas aí chega a semana 3, os Falcons viram o último período vencendo por 16, chegam nos seis minutos finais com essa mesma vantagem e perdem para Nick Foles, que estava no banco de Mitch Trubisky no começo dessa partida.

Desde o famigerado 28 a 3, Quinn é o dono da zica, aquele personagem que vai para sempre lembrar todo mundo aquilo que aconteceu. Ele não teve tanta culpa – Kyle Shanahan teve mais – e ele não é um Bill O’Brien ridículo, mas a vida não é justa. O divórcio aqui vai ser bom para todos os lados, nível História de um Casamento, da Netflix. A Scarlett Johansson é o Matt Ryan.

– Empate entre Philadelphia Eagles e Cincinnati Bengals é a cara desses dois times

No podcast de quinta eu fui de Eagles. O Bruno foi de Bengals. Resultado: empate e os dois times seguem sem vencer. Não dá nem para falar que a temporada começa a ir para o buraco para Philly porque o líder da NFC East, os Cowboys, estão 1-2 e por pouco não começaram 0-3. O time de Washington também está 1-2 mas conseguiu a proeza de levar uma sacolada dos Browns.

Então ainda dá para reverter. Carson Wentz comandou uma bela campanha para empatar a partida, mas teve duas interceptações e só conseguiu 225 jardas mesmo tentando 47 passes. Já os Bengals não esperam muito desta temporada e estão apaixonadinhos por Joe Burrow. Sabe o que pode ajudar nesse relacionamento? PROTEGER O QB E NÃO DEIXAR ELE LEVAR OITO SACKS COMO FOI HOJE.

Sunday Night Football – New Orleans Saints (1-2) 30 x 37 Green Bay Packers (3-0)

por Bruno Bataglin

– O Sunday Night Football da semana 3 foi exatamente o que esperávamos: um jogaço. O equilíbrio foi extremo e, ao final, levou a melhor o time que cometeu menos erros.

– Um pouco do equilíbrio da partida pode ser mostrado nos números: foram 369 jardas totais, 24 first downs e 5-11 em terceiras descidas dos Packers contra 397 jardas totais, 21 primeiras descidas e 5-11 em third downs dos Saints. O que fez a diferença foram os detalhes…

… leia-se faltas e turnovers. Os Saints cometeram oito faltas no jogo para perda de 83 jardas totais contra apenas duas dos Packers. E o único turnover da partida foi um fumble cometido por Taysom Hill. OK, houve algumas marcações bem questionáveis da arbitragem que favoreceram os Packers, mas não há desculpa. A franquia de Wisconsin se portou melhor em campo.

– Grande parte do mérito dos Packers está em mais uma excelente partida do quarterback Aaron Rodgers (21/32 para 283 jardas e três TDs – passer rating de 124.9). E, mesmo sem poder contar com Davante Adams, que foi desfalque, o camisa 12 usou e abusou do wide receiver Allen Lazard (seis recepções para 146 jardas e um TD) e do running back Aaron Jones (16 corridas para 69 jardas e um TD, além de duas recepções para 17 jardas).

– Do lado dos Saints, palmas mais uma vez para Alvin Kamara. O running back correu apenas seis vezes para 58 jardas, mas foi o melhor recebendo passes: foram 13 recepções para 139 jardas e dois TDs (incluindo essa pintura que você pode conferir abaixo). O quarterback Drew Brees também fez ótima partida: 29/36 para 288 jardas e três TDs – rating de 127.8.

– Precisamos também mencionar Emmanuel Sanders. O WR dos Saints fez quatro recepções para 56 jardas e anotou seu segundo touchdown em black and gold. Mas foi sua melhor atuação desde que ele chegou.

– Defensivamente, New Orleans continua tendo problemas. Precisamos elogiar a atuação do safety Malcolm Jenkins (nove tackles totais, um tackle para perda de jardas e uma pancada em Rodgers), mas lamentar a péssima apresentação de Janoris Jenkins: o cornerback cometeu dois pass interference na reta final que foram cruciais para Green Bay chegar ao TD que matou o jogo.

Domingo, jogos da faixa das 17h

Seattle Seahawks (3-0) 38 x 31 Dallas Cowboys (1-2)

por Bruno Bataglin

– Esse jogo foi tudo o que a gente imaginou e mais um pouco. Teve todas as loucuras possíveis e impossíveis, até DK Metcalf perdendo um touchdown CERTO e cometendo um erro completamente juvenil. Mas, no final, ele se redimiu.

– Russell Wilson mostrou mais uma vez por que é candidato ao prêmio de MVP, acertando 27 passes de 40 para 315 jardas e absurdos cinco touchdowns. Passer rating de 130.7. Isso sem falar nas 22 jardas corridas. 14º touchdown lançado por Wilson na temporada, maior marca da história nos primeiros três jogos.

– DK Metcalf perdeu um TD que poderia ter custado caro. Mas ele ainda finalizou a partida recebendo o touchdown da vitória e fechou com quatro recepções para 110 jardas. E Tyler Lockett também se destacou entre os wide receivers, com nove recepções para 100 jardas e três TDs.

– Do lado dos Cowboys, uma apresentação valente, mas as muitas faltas (10 para uma perda de 59 jardas totais) e turnovers (três, todos de Prescott) pesaram. O quarterback Dak Prescott (37/57, 472 jardas, três TDs e duas INTs) teve alguns bons momentos, mas sofreu com a pressão dos Seahawks na reta final. Michael Gallup (seis recepções para 138 jardas e um TD) e Cedrick Wilson (cinco recepções para 107 jardas e dois TDs) foram os melhores amigos de Prescott.

– Já Ezekiel Elliott não foi muy amigo. Zeke teve 14 corridas para apenas 34 jardas e um TD, e ainda cometeu muitos drops, agarrando apenas seis bolas (para 24 jardas totais) das 12 lançadas em sua direção.

Arizona Cardinals (2-1) 23 x 26 Detroit Lions (1-2)

por Miguel Amado

– Na temporada passada foi empate. Agora os Lions marcharam pelo campo e Matt Prater acertou um field goal de 39 jardas para Detroit vencer após 11 derrotas seguidas. Kyler Murray foi interceptado três vezes.

– Já os Panthers venceram sua primeira partida com Matt Rhule no comando com cinco field goals de Joey Slye e três turnovers forçados pela defesa. Justin Herbert passou das 300 jardas de novo, mas teve um fumble e uma interceptação.

Outros resultados da segunda leva de jogos:

Los Angeles Chargers (1-2) 16 x 21 Carolina Panthers (1-2)

Indianapolis Colts (2-1) 36 x 7 New York Jets (0-3)

Denver Broncos (0-3) 10 x 28 Tampa Bay Buccaneers (2-1)

Domingo, jogos das 14h – coisas que o Quinto Quarto quer desabafar (e resultados)

Pittsburgh Steelers (3-0) 28 x 21 Houston Texans (0-3)

por Bruno Bataglin

– Olha, não foi a partida mais inspirada do Pittsburgh Steelers, mas o time de Mike Tomlin fez o suficiente para manter seus 100% de aproveitamento até agora e manter o Houston Texans sem vitórias na temporada 2020. No duelo dos irmãos Watt, deu T.J. em cima do irmão J.J.

– Falando em T.J. Watt, ele foi bem, com quatro tackles, um sack e dois tackles para perda de jardas, além de quatro pancadas em cima de Deshaun Watson. A defesa dos Steelers segue azeitada, com apenas 260 jardas cedidas aos texanos. O time foi especialmente bem na contenção do jogo terrestre, tomando pífias 29 jardas corridas de Houston (sendo 23 jardas e um TD de David Johnson).

– O ataque dos Steelers demonstrou inconsistência em determinados trechos da partida. Mas, quando funcionou, foi bem. O quarterback Ben Roethlisberger teve mais uma atuação sólida em 2020 (23/36, 237 jardas e dois TDs) e James Conner correu 18 vezes para 109 jardas e um TD, além de fazer quatro recepções para 40 jardas. Pelo ar, o tight end Eric Ebron (cinco recepções para 52 jardas) e o wide receiver JuJu Smith-Schuster (quatro recepções para 43 jardas) receberam os dois passes para TD lançados por Big Ben.

– Do lado dos Texans, o quarterback Deshaun Watson não foi de todo mal, acertando 19 passes de 27 para 264 jardas, dois TDs e uma interceptação. Mas os cinco sacks cedidos por sua linha ofensiva não ajudaram.

– Texans chegaram a abrir 14 a 3 no jogo, foram ao vestiário ganhando por 21 a 17. Mas a metade final de jogo foi dos Steelers. Resumo das campanhas ofensivas dos dois últimos quartos de Houston: punt, punt, interceptação e punt. Apenas 51 jardas e duas primeiras descidas no segundo tempo. Tenebroso.

– Para mim, em jogos apertados assim, eu sempre olho para as sidelines. Mike Tomlin é MUITO mais técnico do que Bill O’Brien. Nem sei porque eu estou falando isso e gastando linhas desta análise. É tipo comparar uma Lamborghini com um FIAT 147.

PS: Minha dica de Pittsburgh -4 nas apostas da semana bateu tranquilo. Bora!

Atlanta Falcons (0-3) 26 x 30 Chicago Bears (3-0)

por Bruno Bataglin

– Definitivamente… O ATLANTA FALCONS CURTE TOMAR UMA VIRADA! EU SOU TORCEDOR DO RIVAL, MAS VAI PROS INFERNOS…

– Talvez tenha começado de fato a era Nick Foles no Chicago Bears. O novo quarterback da franquia de Illinois assumiu no lugar de Mitchell Trubisky (13/22, 128 jardas, um TD e uma INT) no terceiro quarto e guiou o time a uma virada improvável. Os Falcons estavam vencendo por 26 a 10 até a metade do último quarto. Aí veio Foles…

– O camisa 9 dos Bears acertou 16 passes de 29 para 188 jardas e conectou TRÊS passes para TD no período final para virar a partida de maneira improvável. Teve ainda uma interceptação de Foles, mas não importa. Ele definitivamente é o melhor QB da história da NFL saindo do banco. Impressionante.

– Do lado dos Falcons, parabéns. Como um time consegue tomar DUAS VIRADAS ABSURDAS em duas semanas consecutivas? Matt Ryan fez partida bem mediana (19/38, 238 jardas, um TD e uma INT), mas o ataque terrestre segurou a bronca, com 144 jardas e dois TDs. Pelo ar, Calvin Ridley fez cinco recepções para 110 jardas.

– Primeira vez que os Bears começam com 3-0 desde 2013. Graças ao time de Dan Quinn. Aliás, se ele passar dessa semana no cargo, já é um milagre…

New England Patriots (2-1) 36 x 20 Las Vegas Raiders (2-1)

por Miguel Amado

– É amigos, os Patriots tão aí de novo. Cam Newton nem foi incrível – 17 de 28, 162 jardas, 1 TD e uma INT feia – mas o jogo terrestre entrou com 117 jardas em apenas nove carregadas de Sony Michel, 2 TDs de Rex Burkhead corridos e um aéreo e uma defesa intensa, que forçou três fumbles, um deles na end zone, que os Pats aproveitaram muito bem, obrigado.

– Se não foi a explosão aérea do Sunday Night Football, foi um jogo de xadrez que os Patriots logo dominaram: aproveita os erros do rival e corre com a bola sem parar no segundo tempo. Bruno de Abreu Bataglin acertou em cheio no seu post de apostas da sexta.

Buffalo Bills  (3-0) 35 x 32 Los Angeles Rams (2-1)

por Miguel Amado

– Mas os Patriots não são líderes da AFC East porque os Bills tomaram vergonha depois de levar uma virada após estarem 25 pontos à frente. O jogo estava 28 a 3 com um passe de Josh Allen para Stefon Diggs, o quarto drive seguido com TD. Mas em apenas 1:55 os Rams conseguiram dois TDs, com Allen sendo interceptado e mais tarde sofrendo um fumble, forçado por você sabe quem (ele tem primeiro nome Aaron e segundo Donald).

– Os Rams continuaram pressionando e com o terceiro touchdown seguido, viraram para 32 a 28. Mas Josh Allen voltou a campo com 4:30, se beneficiou de uma face mask e de uma quarta para oito na linha de 13 que teve interferência e Tyler Kroft fez o TD da vitória com 15 segundos faltando. Jogaço. Vitória dos Bills, mas os Rams saem de cabeça erguida do estado de Nova York.

Outros resultados da primeira leva de jogos:

Philadelphia Eagles (0-2-1) 23 x 23 Cincinnati Bengals (0-2-1)

New York Giants (0-3) 9 x 36 San Francisco 49ers (2-1)

Minnesota Vikings (0-3) 30 x 31 Tennessee Titans (3-0)

Cleveland Browns (2-1) 34 x 20 Washington Football Team (1-2)

Thursday Night Football – Jacksonville Jaguars (1-2) 13 x 31 Miami Dolphins (1-2)

por Bruno Bataglin

– Abrindo a semana 3, um duelo entre dois dos piores times da National Football League. Mas, pelo menos, o Thursday Night Football foi divertido. Ao menos para quem assistiu e não torceu para os Jaguars, que tiveram uma partida tenebrosa.

– Na defesa, os Jaguars não foram capazes de conter Ryan Fitzpatrick (18/20, 160 jardas e dois TDs) e o ataque corrido dos Dolphins, que produziu 138 jardas terrestres e dois TDs. E, no ataque, a linha ofensiva porosa dificultou a vida de Gardner Minshew, que sofreu quatro sacks e fechou a partida com apenas 30 passes certos de 42 para 275 jardas e uma interceptação.

– A vida de Minshew não foi facilitada pela ausência do wide receiver D.J. Chark, que foi desfalque nesta partida. E muito menos pelos drops de Chris Conley, que teve oito bolas lançadas em sua direção e agarrou apenas três para 34 jardas. Muitas não-conversões de terceiras descidas foram na conta dele.

– Do lado dos Dolphins, Fitzpatrick foi arrojado e ganhou boas jardas com as pernas, somando 38 jardas corridas e um TD. E o ‘barba’ foi tão monstruoso na noite que até lançou um passe para ele mesmo. Incrível.

– FitzMagic até estabeleceu algumas marcas legais na noite (dados do NFL Research): terceiro jogo dele com 25 ou mais jardas corridas e pelo menos um TD terrestre com mais de 35 anos de idade. Os únicos jogadores na era Super Bowl com jogos assim nesta idade são Marcus Allen, John Riggins, Emmitt Smith e Steve Young, todos Hall of Famers.

Além disso, Fitzpatrick é o segundo jogador desde, pelo menos, 1948 a ter dois ou mais passes para TD, um TD corrido, 20 ou mais jardas corridas e uma recepção no mesmo jogo. O outro foi Walter Payton, Hall of Famer, na semana 3 da temporada 1983 contra o New Orleans Saints.

– Alguns números que resumem bem a noite tenebrosa dos Jags: apenas três de 10 conversões de terceiras descidas, oito faltas para perda de 63 jardas e dois turnovers. Isso sem falar na ejeção do left tackle Cam Robinson no terceiro quarto por fazer contato físico com um árbitro. Pesadelo.

PS: que arrependimento de ter passado a dica de vitória dos Jaguars no podcast. Prometo refletir e melhorar nas próximas. Que time HORRENDO!

Para iniciar as atividades, o Quinto Quarto Expresso #209…

Comments
To Top