NFL

Scramble: o que rolou na semana 11 da temporada 2020 da NFL

Los Angeles Rams

A temporada da National Football League voa mais do que um Boeing 747 e já estamos na semana 11 da temporada 2020. Aqui no Quinto Quarto, você consegue conferir nossas análises dos jogos em um só lugar: o nosso Scramble.

Se você deseja conferir o que aconteceu nas partidas e os resultados da NFL, tem tudo aqui.

Bruno Bataglin, editor de NFL desta bagaça, e Miguel Amado, apresentador do Quinto Quarto Expresso, se dividem para escrever as análises rápidas das partidas e trazem os resultados de todos os jogos da semana de bola oval. E isso regado a uma boa dose de descontração e raciocínios esdrúxulos.

Então, sigamos para a semana de número 11 da temporada 2020 da NFL…

Monday Night Football – Tampa Bay Buccaneers (7-4) 24 x 27 Los Angeles Rams (7-3)

por Bruno Bataglin

– Nenhum dos dois quarterbacks jogou bem de verdade no Monday Night Football que fechou a semana 11. Mas Jared Goff (39/51, 376 jardas, três touchdowns e duas interceptações) foi melhor do que Tom Brady (26/48, 216 jardas, dois TDs e duas INTs). Isso explica em grande parte o resultado. Simples assim.

– Outra coisa em comum é que ambos os times tiveram ataques terrestres anêmicos, o que pode ser comprovado com ambos os QBs beirando os 50 passes na partida. A franquia da Flórida produziu apenas 42 jardas e um TD pelo chão, enquanto que o time da Califórnia teve pífias 37 jardas corridas. Ronald Jones (24 jardas) e Leonard Fournette (17 jardas e um TD) foram os melhores correndo do lado dos Bucs, e Malcolm Brown (20 jardas) e Cam Akers (15 jardas) foram os mais produtivos dos Rams.

– Se o duelo da noite era Brady contra Aaron Donald, ele foi minimizado pelo excelente trabalho da linha ofensiva dos Buccaneers na maior parte do jogo. Brady sofreu apenas um sack e não foi de Donald (foi de Samson Ebukam). A OL dos Rams também se portou muito bem, não cedendo um sack sequer e dando tempo para Goff.

– Os primeiros dois quartos foram dos ataques e foram bem competitivos, com dois TDs para cada lado e um FG dos Rams para deixar a vantagem em 17 a 14 antes do intervalo. Porém, as defesas apareceram no segundo tempo e forçaram duas interceptações de cada lado. Contudo, pesaram mais as duas que Brady lançou nas mãos do safety Jordan Fuller.

– Tampa Bay realmente foi péssimo ofensivamente nos dois quartos finais. Brady errou diversos lançamentos longos, além das INTs, e de bom mesmo só teve o TD de 13 jardas com Chris Godwin no último quarto.

– Se tivemos dois destaques ofensivos no jogo, estes foram Cooper Kupp (11 recepções para 145 jardas) e Robert Woods (12 recepções para 130 jardas e um TD). Os WRs dos Rams deitaram sobre a secundária defensiva dos donos da casa.

– Média de 3,7 jardas por jogada ofensiva dos Bucs nesta noite. Durmam com essa…

– O palco da partida da noite foi o Raymond James Stadium, casa do Super Bowl LV. Mas, se os Bucs continuarem jogando assim, eles vão passar fevereiro bem longe de lá.

PS: a aposta de Los Angeles Rams +4 entrou fácil, pondo um fim mais doce a mais uma semana triste nos palpites. Sigamos…

Sunday Night Football – Las Vegas Raiders (6-4) 31 x 35 Kansas City Chiefs (9-1)

por Bruno Bataglin

– Foi um Sunday Night Football SURREAL nesta semana 11. Houve seis trocas de liderança no placar, um verdadeiro ‘tiroteio’ no Allegiant Stadium, em Las Vegas. Mas, no final, prevaleceu a genialidade de Patrick Mahomes e seu Kansas City Chiefs.

– Mahomes foi consideravelmente limitado durante toda a noite por uma defesa dos Raiders que jogou de maneira intensa. Ainda assim, o camisa 15 não se cansa de nos mostrar porque ele ganhou o contrato que ganhou mesmo aos 25 anos de idade e acertou 34 passes de 45 para 342 jardas e dois touchdowns, incluindo o da virada nos segundos finais. Ele ainda foi interceptado por Trayvon Mullen, no final do segundo quarto, em um lance que acabou não gerando maiores consequências.

– E olha que, do lado dos Raiders, Derek Carr teve uma atuação basicamente impecável. Ele acertou 23 passes de 31 (e olha que tiveram alguns drops dos recebedores que complicaram sua vida, né, Nelson Agholor?) para 275 jardas e três touchdowns. O QB dos Raiders foi interceptado por Daniel Sorensen nos segundos finais, quando já tinha que ir para o desespero para tentar mais uma virada.

– Os Chiefs contaram com o talento extraterrestre de Mahomes no final. Mas, durante boa parte da partida, eles impuseram mesmo foi o jogo terrestre (108 jardas corridas no jogo). O calouro Clyde Edwards-Helaire correu para 69 jardas e dois TDs, e Le’Veon Bell correu para 25 jardas e um TD.

– Pelo ar, os maiores amigos de Mahomes foram o tight end Travis Kelce (sempre ele) com oito recepções para 127 jardas e um TD (o de 22 jardas que garantiu a vitória), e o wide receiver Tyreek Hill, que fez 11 recepções para 102 jardas e um TD.

– Já Carr teve um ataque terrestre regular no máximo (89 jardas totais), com Josh Jacobs (55 jardas e um TD) liderando as ações. No ar, Agholor (seis recepções para 88 jardas e um TD) e Darren Waller (sete recepções para 88 jardas e um TD) foram os destaques. E o interminável tight end Jason Witten recebeu o TD de uma jarda que foi a última virada dos Raiders no jogo.

– Com a vitória, os Chiefs abrem boa vantagem na liderança da AFC West. E os Raiders perdem uma oportunidade de ouro de ‘varrer’ o rival na temporada e deixar a briga pela ponta mais emocionante nas seis semanas finais.

Domingo de NFL, jogos das 18h

Indianapolis Colts (7-3) 34 x 31 Green Bay Packers (7-3)

– Um zilhão de faltas, emoção, boa atuação de Aaron Rodgers, alguns bons passes de Philip Rivers. Os Packers tiveram um segundo quarto explosivo, mas um segundo tempo apagado no ataque. Por isso, com pouco mais de dois minutos faltando, os Colts tinham a faca e o queijo (rá!) na mão para matar o relógio e vencer por 3 pontos. Mas os Colts com quatro faltas, estragaram essa possibilidade.

– E aí, meu amigo, Aaron Rodgers tirou um lindo passe da manga para Valdez-Scantling. A campanha avançou e até teve a chance de um TD para encerrar o jogo, mas o time se contentou com um field goal e a prorrogação.

– No tempo extra a pane foi de Valdez-Scantling, que sofreu um fumble na segunda jogada do ataque e os Colts só precisaram de um field goal de 39 jardas de Rodrigo Blankenship para vencer a partida.

Minnesota Vikings (4-6) 28 x 31 Dallas Cowboys (3-7)

– Dalvin Cook teve mais um bom jogo, Kirk Cousins não foi interceptado. Então como os Vikings, que sonhavam até como playoffs, viram sua sequência de três jogos com vitórias não chegar a quatro contra um time dos Cowboys ruim? Bom os dois citados sofreram um fumble cada, que viraram um TD e um field goal de Dallas.

– E com o placar 28 a 24 para os Vikings, Andy Dalton comandou uma boa campanha que terminou com passe para seu semi-xará, Dalton Schultz. E agora os Cowboys, 3-7, estão apenas meio jogo atrás do líder da divisão, o Philadelphia Eagles. Expliquem essa, ateus…

Outros resultados:

Denver Broncos (4-6) 20 x 13 Miami Dolphins (6-4)

Los Angeles Chargers (3-7) 34 x 28 New York Jets (0-10)

Domingo de NFL – Jogos das 15h

Baltimore Ravens (6-4) 24 x 30 Tennessee Titans (7-3) – OT

por Bruno Bataglin

– Foi uma partida extremamente disputada do início ao fim, tanto que tivemos prorrogação. Mas o Tennessee Titans mandou no jogo da metade final do terceiro quarto em diante. E, depois de virarem para 24 a 21, a 2min18s para o final, eles cederam um field goal de 29 jardas para Justin Tucker que forçou a prorrogação.

– Na campanha da virada dos Titans no último quarto, o destaque foi A.J. Brown. O wide receiver quebrou muitos tackles em quase duas jogadas consecutivas, incluindo a do belíssimo touchdown de 14 jardas em passe de Ryan Tannehill. Brown saiu de campo com quatro recepções para 62 jardas e o TD. Mas, recebendo bolas, o destaque mesmo foi Corey Davis, com cinco recepções para 113 jardas do lado de Tennessee.

– Tannehill (22/31, 259 jardas, dois touchdowns e uma interceptação) fez mais uma partida muito boa em termos gerais, ainda correndo para 35 jardas. Ele foi auxiliado pelo running back Derrick Henry, que correu 28 vezes para 133 jardas e um TD (o da vitória na prorrogação).

– O ataque terrestre dos Ravens funcionou até, correndo para 129 jardas, sendo 70 e um TD de J.K. Dobbins. Mas, o quarterback Lamar Jackson, que correu para 51 jardas, continua fazendo partidas bem fracas lançando a bola: 17/29, 186 jardas, um TD (recebido pelo tight end Mark Andrews) e uma interceptação.

– Com a vitória, os Titans seguem bem na AFC South, enquanto que os Ravens já começam a ligar a luz amarela com a campanha de 6-4. John Harbaugh precisa se virar.

New Orleans Saints (8-2) 24 x 9 Atlanta Falcons (3-7)

por Bruno Bataglin

– New Orleans Saints sem Drew Brees? Todo mundo desconfiou. Mas essas pessoas não contavam com uma atuação impressionante do reserva Taysom Hill. Eu sigo insistindo que não acho ele o pocket passer do futuro dos Saints. Mas dá para contar com ele quando precisa. Foram 18 passes certos de 23 para 233 jardas (sem TDs e INTs) e 10 corridas para 51 jardas e dois touchdowns. Passer rating de 108.9. Impressionante. A única falha de Hill foi um fumble perdido e só.

– Depois de um 3 a 3 no primeiro quarto, os Falcons abriram 9 a 3 com dois field goals longos (51 e 52 jardas) de Younghoe Koo (olha a quinta série!). Mas, a partir daí, só deu Saints. Foram três TDs corridos, um com Alvin Kamara (que correu para 45 jardas) e os dois de Hill.

– Não teve Brees, mas o alvo preferido de Hill também foi Michael Thomas (nove recepções para 109 jardas).

– A defesa dos Saints entrou em campo com o modo ‘devastador’ ligado. Foram oito sacks aplicados, duas interceptações e apenas 248 jardas totais cedidas. O grande destaque foi Cameron Jordan (três sacks, três pancadas no QB e três tackles para perda de jardas), com David Onyemata e Trey Hendrickson logo atrás, com dois sacks cada. Demario Davis completou os oito na tarde.

– Do lado dos Falcons, partida tenebrosa do quarterback Matt Ryan (19/37, 232 jardas e duas interceptações). O passer rating foi de 48.5. E o ataque terrestre produziu pífias 52 jardas. O único jogador de mais destaque foi o wide receiver Calvin Ridley (cinco recepções para 90 jardas).

– Os Saints com 8-2 se firmam de vez na ponta da NFC South e jogam a pressão para o lado do Tampa Bay Buccaneers, que joga neste Monday Night Football contra o Los Angeles Rams. Já os Falcons seguem com mais um ano perdido e melancólico.

Washington Football Team (3-7) 20 x 9 Cincinnati Bengals (2-7-1)

por Bruno Bataglin

– Nada é mais importante nesta partida do que a lesão gravíssima sofrida por Joe Burrow. O quarterback calouro dos Bengals, selecionado com a primeira escolha geral do Draft NFL 2020, vinha fazendo mais uma grande partida (22-34, 203 jardas e um touchdown). Mas então, no terceiro quarto, o mundo desabou sobre o camisa 9. Ele ficou em um sanduíche entre dois defensores de Washington e seu joelho dobrou de maneira horrível. Sério, gelou a espinha só de ver. E partiu meu coração.

– Eu estava (e ainda estou) bem encantado com Burrow. Como eu escrevi semanas atrás em um texto especial, o calouro dos Bengals vinha demonstrando tudo que um grande QB na NFL tem. Então, quando algo assim acontece, a gente fica muito triste. A lesão exata ainda não foi confirmada, mas o próprio novato publicou um tweet agradecendo o amor demonstrado por todos e já dizendo: “vejo vocês no próximo ano”.

– Tragédia de Burrow à parte, do outro lado do campo estava outro guerreiro que viveu uma tragédia pessoal: Alex Smith, que sofreu sua própria lesão grave em 2018, quando teve uma fratura severa na perna. Neste domingo, Smith (17/25, 166 jardas, um TD e uma INT) obteve sua primeira vitória desde 11 de novembro de 2018, uma semana antes de se lesionar severamente. Ah, as ironias da vida…

– Smith foi auxiliado pelo ataque terrestre de Washington, que somou 164 jardas terrestre, sendo 94 e um TD com Antonio Gibson. Pelo ar, o principal alvo de Smith foi Terry McLaurin (cinco recepções para 84 jardas).

– A defesa que o head coach Ron Rivera vem implementando em Washington é realmente muito promissora. Foram quatro sacks no total, apenas 272 jardas cedidas no total e dois turnovers forçados (uma interceptação do quarterback reserva Ryan Finley – 3/10, 30 jardas – e um fumble de Burrow).

Outros resultados:

Jacksonville Jaguars (1-9) 3 x 27 Pittsburgh Steelers (10-0)

Houston Texans (3-7) 27 x 20 New England Patriots (4-6)

Cleveland Browns (7-3) 22 x 17 Philadelphia Eagles (3-6-1)

Carolina Panthers (4-7) 20 x 0 Detroit Lions (4-6)

Thursday Night Football – Seattle Seahawks (7-3) 28 x 21 Arizona Cardinals (6-4)

por Bruno Bataglin

– O Seattle Seahawks vinha de derrotas seguidas para Buffalo Bills e Los Angeles Rams e estava se complicando na briga pela ponta da NFC West. Mas, neste Thursday Night Football, Russell Wilson voltou a jogar seu melhor futebol americano, a defesa mostrou outra pegada e os comandados de Pete Carroll voltaram ao caminho da vitória no Lumen Field (ainda vou demorar para me acostumar, preferia CenturyLink Field).

– Foi um jogo extremamente disputado e equilibrado até o final, mas as muitas faltas do Arizona Cardinals pesaram bastante contra a franquia de Glendale. Foram 10 faltas para uma perda total de 115 jardas. E talvez a falta mais custosa foi o holding na própria end zone, o que caracterizou um safety e tirou a partida do eixo.

– Russell Wilson (23/28, 197 jardas e dois touchdowns) voltou a jogar da maneira que o colocou nas conversas para o prêmio de MVP. Além disso, ele contou com seu ataque terrestre, que produziu 165 jardas corridas e foi liderado por Carlos Hyde (14 corridas para 79 jardas e um TD). O próprio Wilson correu para 42 jardas.

– No jogo aéreo, Tyler Lockett (nove recepções para 67 jardas e um TD) e DK Metcalf (três recepções para 46 jardas e um TD) novamente foram os melhores amigos de Wilson. E olha que Metcalf ‘dropou’ uns passes tensos, um deles que teria resultado em um TD no final do segundo quarto.

– A defesa de Seattle demonstrou outra pegada, pressionou Kyler Murray e o destaque maior foi Carlos Dunlap, adquirido em troca recente com o Cincinnati Bengals. O camisa 43 aplicou dois sacks dos três que os Seahawks fizeram no jogo, incluindo o último do jogo que selou o triunfo dos donos da casa.

– Do lado dos Cards, Kyler Murray (29/42, 269 jardas e dois TDs) teve mais uma grande atuação, mas não conseguiu evitar a derrota. O ataque terrestre pobre (57 jardas totais e apenas um TD com Kenyan Drake) e as muitas faltas, sobretudo de seu ataque, complicaram a vida do quarterback.

– O tempo passa, o tempo voa… e Larry Fitzgerald continua produzindo. O wide receiver de 37 anos de idade liderou Arizona com oito recepções para 62 jardas. Contudo, os TDs lançados por Murray foram agarrados por Chase Edmonds (quatro recepções para 36 jardas) e Dan Arnold (uma recepção para quatro jardas).

– Os Seahawks ainda perderam o tight end Greg Olsen para uma lesão no pé no último quarto. O veterano saiu sentindo muitas dores e foi ajudado para deixar o campo e ir até a tenda médica. Vale lembrar que Olsen tem histórico de contusões no pé nos últimos anos. Agora, vamos aguardar para saber a gravidade.

– A NFC West volta a ser liderada pelos Seahawks e os Cardinals, com 6-4, caem para a terceira posição. Mas essa divisão ainda vai dar muito o que falar…

PS: nossa aposta de Cardinals +3 não rolou. Vamos em frente para o restante da semana.

Para iniciar as atividades, o Quinto Quarto Expresso #217…

Comments
To Top