NFL

San Francisco 49ers tem que engolir derrota doída e tentar responder perguntas vitais

Kyle Shanahan, técnico do San Francisco 49ers

Claro que perder o Super Bowl nunca é algo agradável. Ainda mais quando você tem uma vantagem de 10 pontos faltando 7min13s para o fim do jogo, com o time rival em uma terceira para 15. Mas existem derrotas que são especialmente dolorosas e Kyle Shanahan tem duas para colocar na sua conta.

O 28 a 3 que não resultou em Super Bowl para Atlanta sempre estará nas memórias de todos. E pode ter certeza que Kyle se pega pensando no último quarto daquela partida quando está dirigindo e tem vontade de invadir a pista oposta e fazer seu carro rodopiar 15 vezes.

O último quarto deste domingo vai ser mais uma razão para ele ter raiva. Até porque seus times tiveram 0 pontos contra 46 pontos dos rivais nos últimos dez minutos dos dois Super Bowls que ele jogou. Foi Punt, Punt, Turnover on Downs e INT nas quatro campanhas para finalizar a partida.

O que acontece com Kyle Shanahan é uma das perguntas que vão ser ventiladas nesta offseason. Vamos evitar o termo “pipoqueiro”, mas está claro que algo está faltando para Shanahan na hora de matar o jogo mais importante. Curioso notar também que ele chegou ao Super Bowl atropelando rivais, sem ter que explorar os minutos finais para segurar uma vantagem ou reverter um placar.

É só uma triste coincidência ou seu desempenho nos minutos finais é afetado por algo psicológico ou má execução do que é treinado?

Mas a pergunta mais importante é mesmo: “Jimmy Garoppolo pode nos levar até lá?”

Depois de a bola não ter ficado em suas mãos, especialmente no jogo contra o Green Bay Packers, o camisa 10 não era a principal razão para a vitória dos Niners neste domingo. Nem a segunda. E quando teve a possibilidade de vencer a partida, não estava à altura, inclusive sendo interceptado no minuto final. Ele ainda foi interceptado no primeiro tempo em um passe displicente.

Claro, nem tão ao céu, nem tão ao inferno. Garoppolo teve bons momentos na temporada. Mas vimos a diferença que faz ter um QB de elite e um QB que está na média, ou pouco acima dela, neste Super Bowl LIV. Qualquer análise prévia ao jogo dava a vantagem clara ao elenco dos Niners comparado com o dos Chiefs. Mesmo com o resultado da partida dá para continuar dizendo isso. Mas Mahomes fez a diferença, apesar de não ter tido um jogo espetacular para seus padrões.

A reconstrução dos Niners após a tragédia que foi a saída de Jim Harbaugh e os dois anos que se seguiram foi muito bem feita. Mas a equipe não terá escolhas altas no Draft, que ajudaram a montar a defesa atual, nem espaço no teto salarial, que possibilitou nestes últimos anos a chegada de free agents.

Como a ‘ESPN’ americana projetou, serão apenas US$ 16 milhões sobrando e Arik Armstead, Emmanuel Sanders e Jimmie Ward ficando livres no mercado e DeForest Buckner, George Kittle e Richard Sherman prontos para serem cortejados para uma extensão.

A janela para vencer ainda existe, mas a offseason não será fácil para os Niners. O exemplo dos Rams é ótimo para ilustrar o perigo que os Niners correm.

Comments
To Top