NFL

Assinar Ryan Tannehill foi um acerto, um erro, uma obrigação e o começo de uma preocupação

Derrick Henry, running back do Tennessee Titans, e o quarterback Ryan Tannehill

Pois bem, não teremos Mike Vrabel treinando Tom Brady. O Tennessee Titans saiu fora da novela e acertou com Ryan Tannehill um contrato de encher os olhos: quatro anos e US$ 118 milhões. Dois anos são garantidos e o terceiro se torna garantido em caso de lesão ou se os Titans nada fizerem até março de 2021.

Isso para um cara que um ano atrás ninguém fez questão em Miami e chegou em Tennessee para ser reserva de Marcus Mariota.

Confira também: Novo Acordo Trabalhista da NFL – O que muda?

Para começar a explicar o título, os Titans têm que comemorar que a posição de quarterback está garantida por pelo menos duas temporadas. Esta é uma franquia que teve Steve McNair sendo o MVP em 2003, que cortou ele por lesão dois anos depois e desde lá gastou três escolhas altas no Draft para ter um franchise QB.

Vince Young chegou em 2006 – terceira posição – com um currículo incrível no College e até teve bons momentos na NFL, mas não conseguiu aguentar as pressões e responsabilidades.

Jake Locker foi draftado em oitavo em 2011 e até mostrou alguma qualidade, mas seu corpo não estava pronto para defensive ends cheios de carinho.

Por fim veio Mariota, segunda escolha em 2015. Ele não foi um bust, mas foi escolhido lá em cima porque era o protagonista de um ataque frenético em Oregon. O camisa 8 chegou até a ganhar jogo de playoffs dando um passe para ele mesmo. Aliás, que jogo incrível: os Chiefs tiveram boa campanha, jogavam em casa, abriram 21 a 0 no intervalo e perderam de 22 a 21. Aqueles Titans eram uma aberração tão grande que eles jogaram no Divisional Round, algo que ninguém esperava, perderam para os Patriots e o treinador foi demitido.

Três escolhas altas não solucionaram o problema. Teve que vir Tannehill, que também foi selecionado perto do topo, mas pelo Miami Dolphins. E anos se passaram na Flórida com poucos resultados bons, muitos ruins, gigantesca disfunção na franquia e lesões.

Por isso é completamente explicável o contrato.

Mas ele também é um pagamento exagerado.

O MVP do ataque dos Titans foi Derrick Henry. Tannehill somou bons números até os playoffs – 2742 jardas, 22 TDs e 6 INTs em 10 jogos -, mas porque sempre teve a ameaça de Henry no jogo terrestre. Suas 72 jardas contra os Patriots e 88 contra os Ravens dizem muito do que ele poderia oferecer nesses maiores palcos: ser um game manager. Ele foi bem melhor contra os Chiefs, mas também porque teve que correr atrás no placar depois de Kansas City explodir na pontuação.

Pagar quase 30 milhões de dólares por ano para um quarterback que provavelmente já teve seus melhores anos na carreira é algo que dói. Você consegue imaginar que Ryan Tanehill tem mais um nível para subir? Ser candidato a MVP? Ter 4500 jardas? 38 TDs? Que ele pode cobrir qualquer decadência ou possível lesão de Derrick Henry, coisas esperadas tendo em vista as trajetórias das carreiras dos running backs?

Mas também, como fazer diferente? Você deixa Tannehill ir embora e tenta a sorte com outro quarterback low profile que tem gasolina no tanque? Ninguém irá para Nashville como free agent se tem mercados mais apetitosos à sua procura. Aliás se Tom Brady realmente está procurando novas opções, você consegue imaginar ele em um jogo contra o Jacksonville Jaguars no Nissan Stadium ou espera que ele vá para Los Angeles ou Las Vegas?

Então vamos amarrar todas as pontas. Assinar Ryan Tannehill era algo necessário para uma franquia que passou uma década e meia escolhendo quarterbacks lá em cima no Draft e se decepcionando. E era uma obrigação depois que Tannehill e Henry ligaram o turbo e levaram um time medíocre para a final da AFC derrubando dois favoritos.

Mas é um erro pagar muito para alguém pela performance que teve, e não pelo que virá. E o timer já está ligado: ele passou de história fofa chegando sem atenção alguma para franchise QB com o peso nas costas e um contrato gigante que ele precisa provar que merece. E outra, as lesões marcaram a carreira de Ryan Tannehill.

Se você fosse o GM dos Titans, o que faria?

 

Comments
To Top