NFL

Ross bate recorde e Watson brilha entre QBs; veja resumo do sábado de Combine

Deshaun Watson durante o Combine

(Crédito: Instagram/reprodução)

O NFL Scouting Combine, evento em que os prospectos do próximo draft fazem testes físicos e técnicos, continuou neste sábado (4) com quarterbacks, wide receivers e tight ends mostrando suas habilidades no Lucas Oil Stadium, em Indianápolis, e o Quinto Quarto, como sempre, faz um resumo para te deixar informado sobre o que rolou de melhor.

Não podemos começar este texto sem destacar o desempenho de encher os olhos de John Ross no tiro de 40 jardas. Como já falamos mais neste sábado, o wide receiver de Washington quebrou o recorde da atividade e percorreu a distância em 4.22 segundos, superando a marca anterior de Chris Johnson.

Ross demonstrou toda a sua habilidade atlética também no pulo vertical, onde cravou uma altura de 37 polegadas e ficou empatado na nona colocação entre os melhores de maneira geral. No salto em distância, Ross ficou com marca de 133 polegadas e também se destacou bastante.

No geral, é difícil dizer se o recorde vai ajudar o wideout de Washington a subir posições no draft, mas ele certamente foi bem. John Ross tem velocidade e provou isso, mas os problemas físicos, incluindo uma ruptura de ligamento cruzado anterior em seu histórico, podem atrapalhar a sua vida um pouco no draft. Ele sofreu com cãibras neste sábado, depois do recorde, e não conseguiu completar as atividades.

Chris Godwin também se destacou entre os wide receivers. O prospecto de Penn State conseguiu um bom tempo de 4.42 na corrida de 40 jardas e foi um dos melhores no 20-yard shuttle, que serve para avaliar a agilidade na mudança de direção, com tempo de quatro segundos. Nos testes de recepções, Godwin mostrou que tem boas mãos e um trabalho de pés muito afinado, o que o coloca como um eventual futuro wide receiver número 1 e deve atrair os olhares dos times.

Entre os WRs que decepcionaram neste sábado estão Isaiah Ford, de Virginia Tech, e Cooper Kupp, de Eastern Washington, que fizeram tempos na marca de 4.6 segundos no tiro de 40 jardas e decepcionaram bastante na atividade. Na atividade de receber passes, Ford deixou algumas bolas caírem e piorou ainda mais a impressão que passou aos olheiros.

DeShaun Watson, quarterback de Clemson, foi um dos jogadores que mais se destacou. Ele ficou entre os melhores tempos na corrida de 40 jardas (40-yard dash), tendo como sua melhor marca 4,66 segundos. Além disso, ele demonstrou ótima precisão nos passes curtos e de distância média, contudo não foi tão bem nos passes longos. Watson também surpreendeu bastante pelo seu ritmo e equilíbrio e mostrou excelente trabalho de pés.

Mitch Trubisky, de North Carolina, também chamou a atenção dos olheiros. Muito bem cotado desde antes do Combine, ele mostrou uma mecânica boa e eficiente, com boa precisão e arremessos suaves. Ele também mostrou um atletismo excepcional e teve tempo do tiro de 40 jardas similar ao de Watson.

Patrick Mohomes II, de Texas Tech, também precisa ser citado, já que mostrou sua força no braço, teve precisão nos passes longos e conseguiu provar que seus arremessos têm boa trajetória. Já Davis Webb, de California, se destacou nos lançamentos de rotas profundas e ao conseguir atingir os receptores no momento da passada, algo difícil de se conseguir quando não se conhece os receptores. Esse tipo de passe também é um dos mais difíceis entre os que se pede no Combine.

Quem deixou a desejar foi Brad Kaaya. O quarterback do Miami Hurricanes não estava em seu melhor dia e errou alguns passes de distância intermediária e longa, o que trouxa à tona algumas questões sobre a sua precisão. Além disso, ele não conseguiu mostrar seu atletismo, já que ficou de fora do 40-yard dash. O que pode vir a ajudá-lo é o desempenho que teve no college, já que o Combine não é o único parâmetro utilizado na hora da decisão.

DeShone Kizer, de Notre Dame, também não empolgou muito. Além de não ter tido um dos melhores tempos na corrida de 40 jardas, ficando com 4,83 segundos, seu trabalho de pés não foi dos melhores. Ele mostrou problema com o seu equilíbrio em alguns momentos e a precisão foi de razoável para ruim, já que os recebedores precisaram ajustar a rota algumas vezes. Por outro lado, não restou dúvidas do talento do braço dele e a bola saiu de sua mão tão bem como os outros signal callers.

O dia também foi dos tight ends. Para se ter uma noção do quanto eles foram bem, segundo o ‘NFL Research’ a classe de 2017 teve uma média de tempo de 4.66 segundos na corrida de 40 jardas, a mais rápida de um grupo de TEs desde 2003.

O maior destaque entre os tight ends, sem dúvida, foi Evan Engram, de Mississippi, que cravou o melhor tempo de jogadores de sua posição no tiro de 40 jardas, com 4.42 segundos, e ainda fez um pulo vertical de 36 polegadas, quinta melhor marca. Engram também fez uma excelente atividade específica de posição, mostrando que sabe muito bem percorrer rotas, e tem um porte físico bom. Impressionou e é considerado um dos grandes TEs híbridos deste draft.

Outro dos grandes destaques de TEs é O.J. Howard, de Alabama, que é cotado para ser selecionado na primeira rodada do draft. Ele fez o segundo melhor tempo do 40-yard dash (4.51 segundos), e ainda fez 22 repetições no levantamento de peso, sendo o terceiro melhor entre tight ends, empatado com outros três concorrentes.

Howard parece bom de maneira geral, mesmo tendo deixado alguns passes caírem, mas isso não deve afetar a grande impressão que deixou.

Comments
To Top