NFL

Philip Rivers oficialmente não vai seguir nos Chargers; veja boletim

Philip Rivers, quarterback do Los Angeles Chargers

O quarterback Philip Rivers oficialmente será um free agent na offseason deste ano. O Los Angeles Chargers e o signal caller anunciaram de maneira oficial que o QB ficará livre no mercado em 2020, encerrando assim sua passagem de 16 anos pela franquia californiana.

Os Chargers e Rivers emitiram um comunicado nesta segunda-feira (10) definindo a decisão do jogador, com o general manager Tom Telesco observando que o timing do anúncio permitirá que todos se coloquem “na melhor posição para o sucesso em 2020”.

Atualmente com 38 anos de idade, Rivers é o quarterback mais bem-sucedido da história dos Chargers. Oito vezes selecionado ao Pro Bowl, ele passou para 4.615 jardas e 23 touchdowns (esta última a menor marca desde 2007), com 20 interceptações, na temporada 2019.

O desempenho ruim do camisa 17 coincidiu com a campanha decepcionante dos Chargers, que terminaram com 5-11, na última colocação da divisão AFC West.

Rivers havia indicado que sua passagem pela organização estava chegando ao fim quando ele se mudou em janeiro com sua família de San Diego para a Flórida.

“Depois de nos afastarmos um pouco da última temporada, nos reconectamos com Philip e seus representantes para ver como 2019 se desenrolou, avaliar nossos objetivos futuros, avaliar o estado atual do elenco e ver se havia um caminho a seguir que fizesse sentido para ambos. Enquanto conversávamos sobre vários cenários, ficou evidente que seria melhor para Philip e os Chargers virarem a página do que realmente foi uma caminhada notável”, falou Telesco, em nota oficial. “Nós concordamos que tomar essa decisão bem antes da free agency permitiram que todos se colocassem na melhor posição para o sucesso em 2020”, completou o executivo.

Rivers é o sexto na história da NFL em jardas de passe na carreira (59.271) e passes para touchdown (397). Ele ajudou a levar os Chargers aos playoffs em seis oportunidades em seus 14 anos como titular do time, incluindo uma aparição na final da Conferência Americana (AFC) de 2007.

“Eu sou muito grato à família Spanos (proprietária dos Chargers) e à organização Chargers pelos últimos 16 anos. Em qualquer coisa que você faça, são as pessoas com quem você faz que tornam isso especial. Existem tantos relacionamentos e memórias com treinadores, equipe de apoio e companheiros de equipe que durarão para sempre, e por isso sou muito grato”, falou Rivers, em nota oficial. “Nunca encarei como desdém a oportunidade de liderar esse time em campo em 235 jogos. Tivemos muitos bons momentos, começando em San Diego e depois terminando em Los Angeles. Desejo aos meus colegas de equipe e treinadores nada além do melhor daqui em diante. Não tenho certeza do que o futuro reserva, mas minha família e eu estamos ansiosos para ver o que Deus planejou para nós a seguir”, frisou.

Rivers será um dos grandes QBs à disposição na free agency de 2020. Outros grandes nomes que podem ficar à disposição no mercado são: Tom Brady, Drew Brees, Ryan Tannehill, Jameis Winston e Teddy Bridgewater.

Os 224 jogos consecutivos de Rivers como titular o deixam em segundo lugar entre quarterbacks na história da NFL, atrás apenas de Brett Favre (297).

Rivera foi selecionado pelo New York Giants com a quarta escolha geral do draft de 2004, mas foi trocado com os Chargers em uma negociação no dia do draft por Eli Manning. Ele então acabou estabelecendo 30 recordes com os Chargers e suas 123 vitórias representam a nona maior marca entre QBs na história da NFL.

“Há apenas um Philip Rivers, e tivemos a sorte de chamá-lo de nosso QB1 por quase duas décadas. Não podemos agradecer a Philip o suficiente por dar tudo de si em todas as ocasiões e pelas memórias que ele criou, que durarão por toda a vida”, falou Dean Spanos, dono dos Chargers.

O L.A. Chargers tem a sexta escolha geral do draft de 2020 e também possui o quarterback veterano Tyrod Taylor no elenco. Ele estará entrando em sua décima temporada na NFL e soma 46 jogos como titular com as camisas do Buffalo Bills e do Cleveland Browns.

Confira mais movimentações importantes na NFL nesta segunda (10):

– O linebacker Sean Lee tomou uma decisão sobre seu status em 2020. “Eu vou jogar”, disse o linebacker do Dallas Cowboys à ‘ESPN’ norte-americana.

Ainda que uma continuidade nos Cowboys em sua 11ª temporada na liga não esteja fora de cogitação, Lee deve se tornar um free agent em março.

Prestes a completar 34 anos em julho, ele atuou em todo jogo de Dallas na temporada 2019 e fez 109 tackles (segundo registros dos treinadores), segunda maior marca do time.

“Simplesmente amo o esporte e sinto que ainda posso ajudar um time a vencer. É sempre bom fazer parte da NFL e jogar o esporte que você ama”, afirmou o defensor.

Selecionado na segunda rodada do draft de 2010 pelos Cowboys, Lee cogitou se aposentar nos últimos dois anos, mas ele ficou empolgado com seu desempenho em 2019, especialmente na reta final da temporada, quando ganhou espaço na defesa titular logo depois que Leighton Vander Esch sofreu uma lesão no pescoço que o tirou do restante do campeonato.

– O Baltimore Ravens fechou uma extensão de contrato de três anos com o safety Chuck Clark, como anunciou o time nesta segunda.

Os detalhes financeiros não foram divulgados, mas o jornalista Adam Schefter, da ‘ESPN’, apurou que o valor da renovação é de US$ 15,3 milhões. A extensão deixa Clark com vínculo com os Ravens pelos próximos quatro anos por US$ 16 milhões. Ele estava entrando no último ano de seu contrato de calouro em 2020.

Atualmente com 24 anos de idade, Clark, que foi selecionado pela franquia de Maryland na sexta rodada do draft de 2017 (186ª escolha geral), se tornou titular na defesa na semana 6 da temporada 2019. E ele teve a melhor temporada de sua carreira profissional, somando uma interceptação, dois fumbles forçados, um sack, nove passes defendidos e 68 tackles.

A extensão de contrato de Clark aumenta as chances de o time cortar Tony Jefferson, cuja lesão grave no joelho abriu espaço na secundária titular para Clark. Os Ravens podem abrir US$ 7 milhões no teto salarial se cortarem Jefferson.

“Chuck é uma ótima história sobre trabalho duro, paciência, preparação e paixão. Ele esperou sua chance e aproveitou a oportunidade. Chuck é um bom jogador de futebol americano, um excelente companheiro de equipe e um líder respeitado. Ele é o tipo de jogador que queremos em nossa defesa há muito tempo. Parabéns a Chuck e sua família”, falou o general manager Eric DeCosta ao site oficial do Baltimore Ravens.

– Suspenso, o defensive end Myles Garrett, do Cleveland Browns, se reuniu com a NFL nesta segunda para tratar de sua reintegração à liga, como confirmou a jornalista Mary Kay Cabot, do ‘Cleveland.com’, e outros sites da imprensa dos Estados Unidos.

Segundo o ‘Cleveland.com’, o comissário Roger Goodell estava presente na reunião, realizada no escritório da liga, em Nova York.

Ainda de acordo com o jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, Garrett deve ser reintegrado em breve, já que ele cumpriu tudo de principal que foi exigido pela liga, incluindo aconselhamento. Entretanto, não há uma palavra final do quanto o defensive end será reintegrado oficialmente.

Garrett foi suspenso por tempo indeterminado em novembro devido ao seu envolvimento em um confronto ao final do jogo contra o Pittsburgh Steelers, no dia 14 de novembro. Garrett tirou o capacete do quarterback Mason Rudolph, dos Steelers, e atingiu o adversário na cabeça com o objeto.

Devido à ação grave, o pass rusher dos Browns perdeu os seis jogos finais da temporada regular.

– O Washington Redskins oficializou a contratação de Jennifer King como estagiária de treinamento por um ano. Assim, ela se torna a primeira mulher afro-americana a ser treinadora assistente em tempo integral na NFL.

King trabalhará no staff ofensivo com foco nos running backs, como anunciou a equipe da capital dos Estados Unidos nesta segunda.

Ron Rivera, novo head coach dos Redskins, contratou King como estagiária de treinamento para os Carolina Panthers nos últimos dois verões. Ela também foi assistente ofensiva em Dartmouth College nesta temporada passada.

“Jennifer é uma jovem treinadora brilhante e será uma ótima adição para nossa equipe. Sua familiaridade com minhas expectativas como treinadora e meu conhecimento em primeira mão de sua ética de trabalho e preparação foram grandes fatores para trazê-la para os Redskins”, afirmou Rivera, em nota oficial.

– O cornerback titular Quinton Dunbar, titular do Washington Redskins, está insatisfeito com seu atual contrato e, desta forma, ele pediu para ser trocado ou dispensado. A informação foi apurada por John Keim, da ‘ESPN’ norte-americana, na noite desta segunda.

Atualmente com 27 anos de idade, Dunbar tem um ano remanescente em seu contrato, com um salário-base de US$ 3,25 milhões, nenhuma parte disto sendo garantida. Ele também tem um bônus de elenco no valor de US$ 250 mil.

Dunbar conversou com a administração anterior sobre uma extensão, mas uma fonte disse que não houve mais nenhum contato com os Redskins desde que Ron Rivera foi contratado como novo head coach, após o término da temporada 2019.

– O tight end veterano Greg Olsen continua sua série de visitas aos times nesta segunda, com o Washington Redskins, e posteriormente ele atravessará os Estados Unidos para se reunir com o Seattle Seahawks, segundo Ian Rapoport, da ‘NFL Network’. Ao final desta semana, Olsen espera já ter chegado a uma decisão sobre seu futuro para 2020.

A passagem marcante de Olsen pelo Carolina Panthers chegou ao fim em janeiro, quando as duas partes se separaram em uma decisão mútua, após nove temporadas.

Em 13 temporadas no total como profissional, tendo sido draftado pelo Chicago Bears, Olsen soma 718 recepções para 8.444 jardas e 59 touchdowns.

– O Minnesota Vikings contratou Dom Capers como assistente defensivo sênior para sua comissão técnica em 2020.

Tua Tagovailoa, quarterback da Universidade de Alabama e um dos principais prospectos para o draft de 2020 da NFL, recebeu boas notícias.

Segundo Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, a tomografia computadorizada realizada no atleta, três meses depois de ele sofrer uma fratura no quadril, mostrou que as coisas vão indo bem. O quadril e sua amplitude de movimento estão bem, mas deve levar cerca de um mês a mais para o QB ser liberado para as atividades relacionadas ao futebol americano.

Comments
To Top