NFL

Redzone: depois da semana 11, NFC, 16 equipes e 16 parágrafos

NFC Logo

Depois da semana 11, decidi que era hora de falar de todas as equipes. Como nesta segunda-feira ainda terá um duelo da AFC, resolvi falar da NFC hoje e da Conferência Americana amanhã, em uma Redzone dupla. Porque aqui no Quinto Quarto é assim: você não paga nada, recebe em dobro e ainda reclama do colunista.

Líderes da NFC

Crédito: Instagram/reprodução

Crédito: Instagram/reprodução

Carolina Panthers: quem imaginava que os Panthers estariam no fim da semana 11 com 10 vitórias e no topo da Conferência Nacional está mentindo mais que o professor-ditador em “Whiplash” quando parece que ele está bonzinho e arrependido, antes de seu golpe final. Quarto que menos cedeu jardas na liga, quarto melhor da NFL no ataque terrestre e Cam Newton evoluindo a olhos vistos mesmo sem grandes recebedores. É um time à moda antiga – defesa dura, ataque terrestre – com um quarterback moderno. E a vantagem de mando na NFC está praticamente garantida.

Arizona Cardinals: todas as pessoas que gostam de NFL se reuniram no Ibis de Nova York na terça-feira passada e foi decidido por unanimidade que devemos respeitar Carson Palmer. Até o jogo passado ele  tinha 108 de rating na temporada – atrás apenas de Tom Bündchen, 64% de passes completos e 305 jardas por jogo. E isso foi suficiente para calar os ainda reticentes torcedores de longa data dos Bengals. Ontem, jogo empatado, ele ainda pega a bola na linha de 16, com 48 segundos, sem tempos, e em três passes consegue 19, 18 e 20 jardas. RESPEITEM O MENINO.

Green Bay Packers: na escala Jason de time que não morre apesar de estar quase morto e sempre voltar para aterrorizar um pouco mais, os Packers alcançaram a nota 8 neste domingo. Para você ter referência, os Seahawks na final da NFC da temporada passada e no Super Bowl, especialmente na recepção pipoca na panela de Jermaine Kearse, eram 10. A defesa estava um lixo, Aaron Rodgers finalmente parecia humano, os recebedores não conseguiam ficar livres e Eddie Lacy era um gordo. Um jogo depois, Rodgers é um causador novamente, James Jones voltou a vida, Lacy foi melhor que Adrian Peterson e os Packers voltaram ao que é seu de direito desde que A-Rod entrou em cena: à liderança da NFC Norte.

New York Giants: Eli Manning superou sua crise de meia-carreira. Pelo visto. Seis interceptações para 21 TDs. Mas mesmo assim os Giants não são um bom time: eles são completamente irregulares. Perderam para Cowboys e Patriots por erros no play calling final, atropelam os Bills em Buffalo e aí toma uma surra dos Eagles duas semanas depois. A liderança na divisão se deve a uma série de fatores: Chip Kelly acabou com os Eagles, Brandon Weeden e Matt Cassel não ganham um jogo nem na CFL e os Redskins são os Redskins.

NFC Leste

(Crédito: Instagram/Reprodução)

(Crédito: Instagram/Reprodução)

Philadelphia Eagles: podia dar muito certo. E podia dar muito errado. DeMarco Murray passou de 115 jardas por jogo em 2014/15 para 57 em 2015/16, Sam Bradford tem rating pior que 30 quarterbacks titulares – novatos Marcus Mariota e Jameis Winston mais Johnny Manziel incluídos, e já se machucou novamente – e a defesa acabou de levar 45 pontos em casa do Tampa Bay Buccaneers, com 5 passes para TD de um calouro. Hey, não fiz julgamentos, deixo isso para você.

Dallas Cowboys: 0-7 com Brandon Weeden e Matt Cassel. Os dois não são responsáveis únicos pelos Cowboys passarem de time para playoffs para a rabeira da divisão, mas um quarterback ruim não só prejudica o ataque como faz a defesa ter que entrar mais em campo e em posições mais desfavoráveis. Se pudesse apostar, diria que com Cassel ou Weeden a equipe nunca ganharia dos Dolphins ontem. São duas vitórias apenas de diferença para os Giants, mas o desempate deve ir para Nova York (empatados em confrontos diretos, nos confrontos de divisão a diferença é grande) e os texanos jogam contra os Panthers nesta semana e no Lambeau Field na jornada 14. A temporada 15/16 deve ficar marcada como “se aqueles dois put&%$ ganhassem um jogo, poderíamos jogar em janeiro”.

Washington Redskins: teve a polêmica com Robert Griffin III no começo do ano, a desconfiança com Jay Gruden, a lesão de Junior Galette, que mal tinha sido contratado. Devo admitir que depois de 11 semanas achava que os Redskins estariam 0-18. Mas com 4-6 o ano não está tão ruim, com Kirk Cousins aparecendo bem em alguns momentos e jogos bons, como o atropelo contra o Saints. Tudo bem que na semana seguinte eles levaram o mesmo atropelo dos Panthers, mas isso foi inesperado? Não. Assim como em Chicago, os torcedores dos Redskins podem estar estranhamente satisfeitos até agora.

NFC Sul

 

Crédito: instagram/reprodução

Crédito: instagram/reprodução

Atlanta Falcons: foi bom se iludir com Matt Ryan, Julio Jones e Devonta Freeman mais uma defesa sólida. Durou cinco jogos e agora os Falcons estão 6-4, ainda vão enfrentar os Panthers duas vezes e tem mais dois duelos dentro da divisão. A equipe ainda luta forte pelo wild card, mas três derrotas seguidas, duas por três pontos e uma por um, podem ter impactado demais na equipe. Mas mesmo assim, fique esperto com Julio Jones: caso ele mantenha o mesmo ritmo até agora, termina a temporada com 1897 jardas, 142 recepções e 10 TDs. Como base, o Megatron teve 1964, 122 recepções e 5 TDs na temporada histórica que fez em 2012/13.

New Orleans Saints: tive que parar minha campanha TROQUEM BREES porque parecia que os Saints podiam fazer algo depois de emendar três vitórias seguidas. Mas a última delas já dava o prenúncio do que vinha: a equipe levou 49 pontos em casa dos Giants, depois levou 4 TDs de Marcus Mariota e 34 pontos dos Titans no Superdome e foi simplesmente arrasado pelo glorioso Kirk Cousins, com 47 pontos no lombo para os Redskins. Se o chapeiro fizesse três mistos quentes seguidos trocando queijo por rúcula e o presunto por Toddynho, seria demitido. Rob Ryan fez a versão futebolística disso e foi para a rua merecidamente. Até ele admite (mais ou menos). Mais quatro equipes na NFC estão 4-6 e o segundo wild card são os Falcons com 6-4. Ainda não acabou, mas pelo que vem jogando está quase.

Tampa Bay Buccaneers: todo mundo sabia que ia ser assim, mas não é que está indo bem? 10 jogos dentro da era Jameis Winston, os Bucs estão 5-5. O camisa 3 como se esperava lançou algumas pick six e passes horrorosos, mas mostra evolução a cada snap e bateu o recorde de passes para TD em única partida como calouro neste domingo. Além disso Doug Martin retomou sua carreira e os bons números. Não será suficiente para playoffs, mesmo estando a um jogo apenas dos Falcons – combinação defesa que leva pontos demais mais tabela com Panthers e Colts fora dificulta tudo -, mas já é suficiente para sorrir.

NFC Norte

(Foto: Reprodução/Instagram)

(Foto: Reprodução/Instagram)

Minnesota Vikings: eu aceito que você diga que eu ziquei os Vikings uma semana antes do duelo contra os Packers. Mas Aaron Rodgers é famoso por tirar genialidade daquele buraco que não deve ser citado e tirando Adrian Peterson (que falhou feio no fim) e Terence Newman (que deixou James Jones sozinho na end zone para o último TD da partida), o time é novo. E isso faz com que existam mais erros que o normal em partidas “grandes”. Aliado a erros dos veteranos, deu no que deu. O problema maior agora é que a tabela está cheia de jogos difíceis (os últimos seis rivais tem 35 vitórias e 25 derrotas somados; o dos Packers 29-31), como Falcons fora e precisando vencer, na próxima semana, Cardinals fora também, Seahawks em casa e o último confronto com A-Rod no Lambeau.

Chicago Bears: exatamente a mesma coisa dos Redskins. O coordenador ofensivo Adam Gase conseguiu descutlear Jay Cutler e ele só foi interceptado seis vezes em 10 jogos, contra 18 da temporada passada em 15 jogos. E mesmo com a lesão de Matt Forte, Jeremy Langford entrou bem por dois jogos (nem “tanto” contra os Broncos). Playoffs era um sonho alucinógeno.

Detroit Lions: a temporada está finalizada. Matthew Stafford nunca decolou para ser um dos melhores QBs da liga, Calvin Johnson está ficando velho e vendo sua carreira tomar o mesmo caminho da de Barry Sanders – grande jogador em times nada grandes, frustração crescente – e Ndamukong Suh já puxou o carro. Mas depois de ser azarão para as casas de apostas, em casa, contra os Raiders, algo tocou no brio dos jogadores e eles venceram. EU AINDA ACREDITO EM SUPER BOWL ATÉ 2020.

NFC Oeste

Faltou aprender algumas lições

Faltou aprender algumas lições

San Francisco 49ers: 2015 está sendo tão ruim que nem para a equipe dar uma de Philadephia 76ers, tankar rumo a um honroso 1-15 e conseguir a primeira escolha do Draft logo. Neste momento têm três franquias 2-8 enquanto os Niners têm uma vitória a mais em uma temporada que eles não vão conseguir nada. Pior ataque da liga  – quarenta e duas jardas POR JOGO atrás do quarto pior ataque – sexta pior defesa contra o jogo aéreo e sexta pior defesa contra o jogo corrido, além de Blaine Gabbert como quarterback titular. A era Colin Kaepernick já pode terminar nesta offseason, já que o contrato multimilionário e multianual que ele assinou tem mais saídas que a Marginal Pinheiros. Por que essa equipe sequer tenta ganhar jogos?

Seattle Seahawks: eu não queria dizer nada para não irritar os “12” brasileiros. Mas os Seahawks tinham o mesmo retrospecto que Bears, Raiders, Redskins e Buccaneers até ontem. Os Bucs se mantém empatados. A combinação é simples: linha ofensiva que deixa Russell Wilson correndo pela vida e a Legion Of Boom, que caiu uns 50% de rendimento e cagação nas calças que causava no resto da liga. NÚMEROOOOSS:

2015/16 (10 jogos): 34 jogadas de passe contra a defesa que renderam 20 ou mais jardas. 2 que renderam 40 ou mais. 207 jardas por jogo cedidas no jogo aéreo.  7 TDs terrestres sofridos.

2014/15 (16 jogos): 32 jogadas de passe contra a defesa que renderam 20 ou mais jardas. 6 que renderam 40 ou mais. 185 jardas por jogo cedidas no jogo aéreo.  8 TDs terrestres sofridos.

Só que os Seahawks sabem ligar o “modo Jason” como ninguém. Ai rola TD pipoca na panela de recebedor, fake field goal que vira touchdown, onside kick certo, 7 vitórias seguidas… Só mata com três tiros no coração, decepando e enterrando em um caixão de chumbo.

St. Louis Rams: alguma vez Jeff Fisher terminou acima de 8-8 na vida? (sim, mas finja que não). Incrível como os Rams são sempre o time do ano que vem. Pontos positivos: Todd Gurley já é top 3 running backs da liga e só não falo que é o primeiro porque… na verdade ele é o primeiro mesmo. Só que é sempre bom TER um ataque aéreo – a troca Foles/Bradford foi ruim para os dois lados, incrível – e a defesa perdeu Chris Long por vários jogos. Aaron Donald é mesmo um monstro. Ou seja, Donald e Gurley são as duas peças fundamentais para o futuro. Mas quando se trata de Rams é sempre futuro. E provavelmente os torcedores de St. Louis verão esse futuro em Los Angeles em breve.

Comments
NFL, NBA e MLB. Notícias, relatos e colunas. E uma pitada de humor de tiozão. Contato: [email protected]
Copyright © 2021 - https://www.quintoquartobr.com/

+18


Jogue com responsabilidade


Copyright © 2015 The Mag Theme. Theme by MVP Themes, powered by Wordpress.

To Top