NFL

Prévia Dallas Cowboys para a temporada 2018

Prévia Dallas Cowboys

O Dallas Cowboys vem intercalando temporadas com classificação aos playoffs e sem classificação aos playoffs desde 2014. O torcedor da franquia texana que foi mais supersticioso pode se apegar a isso para ficar otimista de que o time conseguirá a sua vaguinha na fase decisiva na temporada 2018, certo?

Bem, não é bem assim. Estou abrindo esta prévia desta maneira apenas para prender a sua atenção, leitor do Quinto Quarto. Mas devo confessar que estou bem perdido em relação aos Cowboys neste ano.

Categoria: 6-10 ou 10-6
Desempenho em 2017: 9-7
Falamos que teria: 10-6
Previsão nada científica para 2018: 8-8
Linha de Las Vegas (você pode apostar em mais ou menos vitórias que o número a seguir): 8,5
Jogadores de Pro Bowl em 2017: Tyron Smith, Zack Martin, Travis Frederick, Jason Witten e Demarcus Lawrence.

Se existe ainda alguma certeza envolvendo os Cowboys, ela responde por boas peças que seguem por lá, tais como o quarterback Dak Prescott, o running back Ezekiel Elliott e o linebacker Sean Lee, além dos principais membros da linha ofensiva. Mas não vai muito além disso.

O time de Jerry Jones passou por diversas reformulações nesta offseason e alguns setores da equipe agora preocupam.

A começar pelo ataque, o corpo de recebedores é totalmente outro. O wide receiver Dez Bryant foi dispensado por motivos financeiros/técnicos enquanto que o tight end Jason Witten, um dos maiores ídolos da história da organização, anunciou sua aposentadoria.

E lá se vão os alvos para os quais Prescott pode lançar. O jovem signal caller apresentou uma regressão no ano passado em relação ao seu ano de calouro, em 2016, e o desmanche de seu grupo de receivers não deve ajudar na causa.

Depois de acertar 67,8% de seus passes para 3.667 jardas, 23 touchdowns e quatro interceptações em seu primeiro ano na liga, o QB completou apenas 62,9% dos lançamentos para 3.324 jardas, 22 touchdowns e 13 interceptações no ano passado. O passer rating despencou de 104.9 em 2016 para 86.6 em 2017.

Sobre o corpo de recebedores, vou falar em um dos tópicos abaixo.

O suporte de Elliott será fundamental para Prescott neste ano e o RB desta vez não terá que se preocupar com suspensão. Ele só precisa jogar futebol americano e ser 70% do ataque texano. É moleza.

Brincadeiras à parte, o camisa 21 do Dallas Cowboys atuou em apenas dez jogos no ano passado devido a uma suspensão e ainda assim quase atingiu as mil jardas terrestres, fechando a temporada com 983 jardas e sete touchdowns terrestres, além de 26 recepções para 269 jardas e dois TDs.

O grupo de apoio no backfield ofensivo também promete ser interessante, com Rod Smith e o versátil Tavon Austin também podendo contribuir de maneira decisiva no ataque.

A linha ofensiva, que sempre precisa ser lembrada, ainda é muito sólida, mas sobre ela também vou falar mais abaixo.

Por fim, vamos tratar um pouco da defesa. Afinal, foi um jogador defensivo que os Cowboys selecionaram na primeira rodada do draft de 2018.

O linebacker calouro Leighton Vander Esch chega para contribuir de maneira imediata e pode fazer muita diferença na segunda linha, porém o jovem é cercado de algumas dúvidas em relação às lesões.

Se conseguir se manter saudável, ele já é comparado por muitos com Brian Urlacher, ídolo do Chicago Bears que entrou no Hall da Fama neste ano.

Sean Lee está lá mais uma vez e segue como o líder da defesa, mas ele também precisa se manter longe das lesões.

Na secundária, os Cowboys têm dois cornerbacks talentosos em Byron Jones e Chidobe Awuzie, além de Jourdan Lewis. Na posição de safety, nomes como Jeff Heath, Xavier Woods e Kavon Frazier não enchem os olhos, mas podem surpreender.

Acha que esqueci da linha defensiva? De jeito nenhum. Também será um assunto abordado em breve.

O que me faz sorrir no Dallas Cowboys

Três coisas, basicamente: a dupla Dak Prescott-Ezekiel Elliott, a linha ofensiva (menos do que antes, mas ainda sim) e a volta de algumas peças na defesa.

Como já falei sobre Prescott e Elliott, vamos agora focar na linha ofensiva.

O setor continua sendo um dos principais pontos fortes do time do Texas. Entretanto, o monstruoso center Travis Frederick recentemente foi diagnosticado com uma doença autoimune chamada de síndrome de Guillain-Barré e ficará afastado por tempo indeterminado. Será um desfalque enorme.

Entretanto, o grupo de homens que vai proteger Prescott e vai abrir espaço para Elliott causar estrago com as pernas ainda conta com o left tackle Tyron Smith, com o right guard Zack Martin (que escapou de uma lesão mais séria) e com o right tackle La’el Collins. Assim, a OL ainda vai muito bem, obrigado.

Uma questão diz respeito ao guard calouro Connor Williams, selecionado na segunda rodada do draft de 2018. Ele vem sendo criticado por muitos, que apontam que falta força ao jovem para atuar como guard. Espere o novato tendo dificuldades neste ano.

Na linha defensiva, o defensive tackle David Irving perderá as primeiras quatro semanas devido a uma suspensão, mas o interior da DL conta com Maliek Collins, que quebra o galho.

A volta do reintegrado Randy Gregory somada à presença do produtivo DeMarcus Lawrence já pode criar um pass rush bem interessante, vale ressaltar.

O que me faz chorar no Dallas Cowboys

O corpo de wide receivers. Sem sombra de dúvidas.

Dez Bryant saiu e quem os Cowboys trouxeram durante a free agency? Allen Hurns. O ex-wide receiver do Jacksonville Jaguars é o típico recebedor número 2 ou 3 que terá que ser o número 1 em Dallas. Perigo!

Assim sendo, os Cowboys terão que apostar no calouro Michael Gallup, selecionado na terceira rodada do draft, em Terrance Williams e em Cole Beasley, típico slot receiver.

A vida de Prescott não será fácil. Ele com certeza dará alguns Rolex com forma de demonstrar gratidão a Elliott.

Produção, o que foi isso?

Como que, entra ano e sai ano, Jason Garrett segue como head coach do Dallas Cowboys. Ele não é nada demais em termos estratégicos e é o típico técnico que tenta ganhar na motivação.

Eu não sei se Jerry Jones não enxerga isso, finge que não enxerga ou se Garrett sabe algum ‘podre’ envolvendo o dono dos Cowboys, algo como que ele usa Crocs dentro de casa.

Jones segue insistindo que o técnico não está ameaçado no cargo. Vamos ver se mais uma campanha mediana, sem classificação aos playoffs, não muda esse pensamento.

Por que fiz a previsão de 8 vitórias para o Dallas Cowboys?

A falta de um corpo de wide receivers decente e uma tabela bastante complicada para os Cowboys faz com que eu pareça até otimista colocando oito vitórias para o time em 2018. Mas vou deixar assim por… feeling.

O time começa a temporada 2018 com adversários complicados como Carolina Panthers (fora), New York Giants (casa), Seattle Seahawks (fora). Mais adiante, os Cowboys ainda pegam Houston Texans (fora), Jacksonville Jaguars (casa), Atlanta Falcons (fora), New Orleans Saints (casa). Enfim, vamos parar para não desanimar os torcedores do Dalas Cowboys.

Tabela Dallas Cowboys 2018

Comments
To Top