NFL

Prévia Carolina Panthers para a temporada 2018

Carolina Panthers

Depois de chegar ao Super Bowl na temporada 2015, o Carolina Panthers ficou fora dos playoffs em 2016. Mas o time se recuperou no ano passado e avançou até a pós-temporada, ainda que a caminhada tenha sido curta (caiu para o New Orleans Saints na rodada de wild card).

Agora, uma nova era começa na franquia da Carolina do Norte. Menos dentro de campo e mais fora, já que um novo proprietário assumiu o comando da organização e quer resultados imediatos.

Eles virão imediatamente em 2018? Bem, eu não acredito.

Categoria: 6-10 ou 10-6
Desempenho em 2017: 11-5
Falamos que teria: 9-7
Previsão nada científica para 2018: 8-8
Linha de Las Vegas (você pode apostar em mais ou menos vitórias que o número a seguir): 9
Jogadores de Pro Bowl em 2017: Trai Turner, Thomas Davis, Luke Kuechly e Graham Gano

Sim, pode ser que eu erre bastante nesta previsão e já aviso de antemão, caso eu seja massacrado pelos críticos (o bando de cinco que lerão esta prévia) no final de dezembro, quando os Panthers estiverem com suas dez ou 11 vitórias. Mas eu não acredito mesmo e uma tabela um tanto quanto chata é um dos principais motivos.

Agora, Jerry Richardson não é mais o dono dos Panthers. Sai ele e entra David Tepper, um empresário bem-sucedido e respeitado que deseja instaurar um novo ambiente de trabalho na organização. Um cenário positivo para a franquia após as acusações de assédio contra Richardson.

Mas saindo do extracampo, o time continua com o bom técnico Ron Rivera, que entra em sua oitava temporada no comando dos Panthers, mas a comissão técnica tem novas peças. Entre elas o coordenador ofensivo Norv Turner.

A principal missão de Turner? Mudar um pouco o estilo do quarterback Cam Newton.

Conhecido por seu estilo de jogo ousado (às vezes inconsequente até), o signal caller é conhecido por ganhar jardas com as pernas e estender as jogadas usando toda sua mobilidade. E isso, às vezes, não apenas deixa Newton exposto aos riscos de lesões como também impede que ele faça a bola chegar aos recebedores e running backs, por exemplo.

Turner quer mudar isso, a começar por aumentar a porcentagem de passes precisos de Newton, que tem 58,5% de lançamentos certos em sua carreira.

O ataque também deve ajudar. Newton agora tem à sua disposição um wide receiver jovem como D.J. Moore, selecionado na primeira rodada do draft de 2018, que parece ser essa Coca-Cola toda, dispondo de grande talento atlético.

Além disso, o veterano Torrey Smith também chegou, vindo do Philadelphia Eagles, e também pode ser uma grande arma.Isso sem falar que o ótimo e incansável tight end Greg Olsen ainda segue por lá.

Sobre Christian McCaffrey eu não vou falar agora porque ele merece estar no tópico abaixo.

O que me faz sorrir no Carolina Panthers

Agora sim chegou o momento de falar sobre Christian McCaffrey. E depois também vou falar sobre o front seven, que também me faz sorrir.

O running back selecionado na primeira rodada do draft de 2017, com a oitava escolha geral, é um verdadeiro canivete suíço. E ele deve ganhar ainda mais espaço no ataque de Norv Turner (sim, podem comemorar torcedores dos Panthers).

O camisa 22 representa um verdadeiro terror para linebackers e defensive backs adversários, sendo dinâmico tanto no jogo corrido quanto no jogo aéreo. Na temporada regular de 2017, em 16 jogos, ele correu 117 vezes para 435 jardas e dois touchdowns, além de fazer impressionantes 80 recepções para 651 jardas e cinco TDs.

Para apoiar McCaffrey no backfield, a chegada de um bom veterano como C.J. Anderson também pode contribuir.

O front seven de Carolina também me anima muito. A linha defensiva contou com a chegada de Dontari Poe, que chega para substituir Star Lotulelei no miolo da DL, e do defensive end calouro Marquis Haynes, que saiu na quarta rodada do draft e deve participar ativamente da rotação.

Isso sem falar que a linha de defesa conta com nomes como o defensive tackle Kawann Short no meio e, nas pontas, pass rushers competentes como Mario Addison e Wes Horton.

Entretanto, é olhar para o corpo de linebackers que faz os olhos realmente brilharem.

O middle linebacker Luke Kuechly continua jogando o fino da bola (valeu, pai, por essa expressão) e é um dos melhores em toda a liga. O time ainda tem o experientíssimo Thomas Davis, ainda que ele vá ter que cumprir uma suspensão de quatro jogos, e o talentoso Shaq Thompson.

O que me faz chorar no Carolina Panthers

A secundária. Se falamos bem do front seven dos Panthers, agora chegou a hora de tratar do calcanhar de Aquiles defensivo da franquia.

Basta olhar para os selecionados pelos Panthers no draft deste ano para ter uma prova irrefutável da necessidade por talentos no fundo da defesa.

O cornerback Donte Jackson foi selecionado na segunda rodada e chega para jogar, o cornerback Rashaan Gaulden saiu na terceira rodada e o também cornerback Jermaine Carter foi escolhido na quinta rodada. Esses dois últimos, entretanto, devem ser utilizados na posição de safety e linebacker, respectivamente.

Para reforçar o corpo de CBs, os Panthers trouxeram Ross Cockrell e ele terá uma chance na rotação para atuar no lado oposto ao de James Bradberry, que demonstrou bastante inconsistência em 2017.

Na posição de safety, Mike Adams segue sendo o líder, mas ele completou 37 anos de idade e pode sofrer. E lá também chegou o veterano Da’Norris Searcy, que é mediano no máximo.

Produção, o que foi isso?

Como vocês deixaram Andrew Norwell sair, Carolina Panthers? Essa é a pergunta que eu me faço.

A saída do guard para o Jacksonville Jaguars durante a free agency será a responsável por uma grande regressão na linha ofensiva dos Panthers, que perderam um dos melhores offensive guards de toda a NFL. O substituto pode ser Amini Silatolu, que não é nada demais.

O resto da linha conta com o center Ryan Kalil, que está prestes a se aposentar mas ainda pode render, e com seu irmão Matt Kalil como left tackle, ainda que ele tenha sofrido na função em 2017.

Do lado direito, contudo, as coisas são melhores, com o ótimo guard Trai Turner segurando as pontas e o bom Daryl Williams na posição de right tackle. Ainda assim, o setor deve ser pior.

Por que fiz a previsão de 8 vitórias para o Carolina Panthers?

Ainda que a tabela do Carolina Panthers seja chatinha, com jogos contra rivais de divisão poderosos como Atlanta Falcons e New Orleans Saints, além de Pittsburgh Steelers, o atual campeão Philadelphia Eagles e o sempre enjoado Seattle Seahawks, o time comandado por Ron Rivera sempre arranja formas de vencer.

Mas não espero 11 vitórias como no ano passado porque enxergo alguns buracos preocupantes, sobretudo na secundária e no corpo de recebedores.

Tabela Carolina Panthers 2018

Comments
To Top