NFL

Peyton Manning crê que Andrew Luck precisa de repetições para voltar à forma

(Crédito: Twitter/reprodução)

Com experiência na carreira em termos de lesão, o ex-quarterback Peyton Manning, futuro membro do Hall da Fama do Futebol Americano Profissional (PFHOF), sabe um pouco das dificuldades pelas quais Andrew Luck vem passando.

É certo que as lesões do ex-QB do Indianapolis Colts e do atual líder de ataque da franquia de Indiana são distintas, mas Manning tem a noção exata do obstáculo mental que Luck vai enfrentar depois de perder uma temporada inteira devido ao problema físico.

Tudo indica neste momento que Luck estará de volta aos campos com os Colts na temporada 2018 da NFL, depois de perder toda a temporada passada devido a uma lesão no ombro direito, que ele originalmente machucou na semana 3 da temporada 2015.

Vale lembrar que Manning perdeu a temporada 2011 inteira por causa de uma contusão severa no pescoço e essa acabou sendo sua última temporada nos Colts, antes de rumar para o Denver Broncos.

“Tudo é uma coisa individual, então você tem que ser cuidadoso ao falar disso já que lesões são distintas”, afirmou Manning à ‘ESPN’ norte-americana, depois de participar do Pro-Am no Memorial, em Ohio, nesta quarta (30). “Mas também é universal. Para mim, eu era um cara (de repetição). Eu gostava de ter todas as repetições no treinamento. A teoria das 10.000 repetições, eu acredito nisso. Eu senti que estava um pouco atrás porque não vinha recebendo as repetições, ainda que você tenha muita experiência. Demorei alguns jogos antes de me sentir como se estivesse voltando. Conseguir tantas repetições quanto possível é fundamental”, observou.

A questão envolvendo Luck é que ele está participando atualmente de maneira limitada dos treinamentos de offseason dos Colts. O camisa 12 não está recebendo todas as repetições no momento porque ele não lança uma bola de futebol americano desde outubro do ano passado.

Frank Reich, novo técnico dos Colts, afirmou no dia 23 de maio que ele prevê que Luck vai começar a lançar no período entre o final do minicamp obrigatório, no dia 14 de junho, e o começo do training camp, no final de julho.

Luck, que admitiu recentemente que exagerou demais na tentativa de voltar na temporada passada, perdeu 26 jogos ao longo dos últimos três anos. O signal caller precisa da maior quantidade de repetições possíveis com seus companheiros de time porque ele está em maio ao processo de aprender o novo ataque de Frank Reich, que ele trouxe consigo do Philadelphia Eagles.

“Para mim, depois de perder o ano inteiro com o (problema no) pescoço, eu sabia que teria que jogar de uma forma diferente, um tipo diferente de estado físico”, pontuou Manning. “Eu estava em busca de coisas como o feedback positivo dos recebedores em relação a se a bola era a mesma e, então, quando você entra no jogo e lança uma rota deep out. Nós jogamos um jogo de pré-temporada e eu joguei uma rota comeback profunda, e isso era uma coisa para marcar como verificada. Você quer fazer tudo pela primeira vez novamente. Você quer ser atingido, quer fazer um passe apertado, ter um drive de dois minutos. Eu queria fazer todas essas coisas de novo”, prosseguiu.

Luck foi o substituto de Manning quando os Colts o selecionaram com a primeira escolha geral do draft de 2012 e os dois mantêm a amizade até hoje.

“Estou torcendo pela volta de Andrew. Eu mantenho contato com ele. Eu fui ao Combine. Ele e eu nos sentamos por duas ou três horas e conversamos sobre a rotina durante a temporada e a rotina de offseason”, finalizou Peyton Manning.

Comments
To Top