NFL

‘Ovelha negra’, NFC Sul é cercada por mais dúvidas que certezas

NFC South

Em 2014, pela primeira vez, a NFC Sul (ou NFC South) teve um mesmo campeão em dois anos consecutivos, sendo o Carolina Panthers o responsável por quebrar uma regra que vinha se repetindo desde 2002, quando a NFL realinhou as divisões após expandir o número de times na liga para 32. Sinal dos novos tempos.

Nesta última temporada, os Panthers foram campeões da divisão mesmo com recorde negativo (sete vitórias, oito derrotas e um empate) e a NFC Sul foi, de longe, a mais fraca de toda a National Football League, já que nenhum de seus times chegou sequer a um aproveitamento de 50%.

E os torcedores dos times desta divisão têm muito motivos para ficarem com muitas dúvidas na cabeça para a temporada 2015. Muitas mudanças devem aumentar ou limitar as chances de cada franquia de chegar aos playoffs e, desta forma, vale e muito ficar de olho no draft e na free agency para ver o que cada organização vai conseguir fazer.

O Atlanta Falcons, que terminou na terceira colocação da NFC Sul em 2014, com seis vitórias e dez derrotas, já começou a offseason fazendo uma grande contratação. Logo depois do Super Bowl XLIX, a franquia da Geórgia anunciou a contratação de Dan Quinn, ex-coordenador defensivo do Seattle Seahawks, para o cargo de técnico principal do time. Ele chega para substituir Mike Smith, que foi demitido após somar apenas dez vitórias e 22 derrotas nas últimas duas temporadas.

Quinn foi o grande responsável por montar a mais perigosa defesa da NFL nos últimos anos e, como estamos falando do Seattle Seahawks, que foi aos últimos dois Super Bowls, sendo campeão de um e ficando a apenas uma jarda do segundo título, pouco precisa ser explicado. No Atlanta Falcons, o novo treinador terá como principal missão melhorar um sistema defensivo que cedeu 398,3 jardas de média e permitiu que os adversários convertessem 46,8% das terceiras descidas, ambas as marcas as piores de toda a liga. Em suma, o novo head coach pode começar a arregaçar as mangas, porque terá MUITO trabalho, mas ele pode sim recolocar os Falcons nos trilhos logo em sua primeira temporada como comandante.

O Tampa Bay Buccaneers também pode dar alegrias a seu torcedor em 2015. Sem vencer a divisão desde 2007, a franquia da Flórida dispensou o decepcionante quarterback Josh McCown, titular em 2014, deixando o inconsistente Mike Glennon como principal líder de ataque do elenco. Porém, os Bucs têm a preciosíssima primeira escolha no draft de 2015 e deve usá-la para selecionar Jameis Winston ou Marcus Mariota, ambos quarterbacks com potencial para brilharem no futebol americano profissional.

Esta próxima temporada será a segunda de Lovie Smith como técnico principal da franquia e, com sua mentalidade defensiva, ele pode construir um bom sistema de defesa, além de ter a possibilidade de melhorar bem o ataque, juntamente com o recém-contratado Dirk Koetter, ex-coordenador ofensivo dos Falcons, que pode ser peça vital para que o ataque cresça. O Tampa Bay Buccaneers, em minha opinião, pode definitivamente incomodar neste ano, mas vejo a equipe longe de disputar o título da divisão.

Agora chegou a hora de falar do Carolina Panthers. Campeão da divisão nos dois últimos anos e eliminado na rodada de divisão dos playoffs também por dois anos consecutivos, a franquia da Carolina do Norte terá neste ano um bom espaço no salary-cap da liga para fazer algumas contratações e melhorar um elenco que precisa de algumas peças, sobretudo na posição de wide receiver e na linha ofensiva.

Se o ataque melhorar, e pelo menos os Panthers contam com um grande quarterback em Cam Newton e um grande tight end em Greg Olsen, a defesa não deve representar um grande problema, já que tem o excelente linebacker Luke Kuechly e outros bons nomes, e foi a décima da NFL no geral, o que certamente anima o torcedor. Se o general manager Dave Gettleman souber usar o dinheiro disponível, as panteras não devem decepcionar no segundo semestre e o título da divisão pode ir novamente para a Carolina do Norte.

Por fim, resta o New Orleans Saints, de longe a equipe com a situação mais preocupante da NFC Sul. A franquia da Lousiana é o time que, neste momento, está com o pior espaço no salary-cap, projetado para estourar em mais de US$ 23 milhões. Isso vai exigir que o general manager Mickey Loomis reestruture alguns contratos para liberar espaço e dispense alguns jogadores do elenco. E também vai limitar bastante o que a organização poderá fazer na free agency.

A grande questão para o New Orleans Saints diz respeito ao ataque, cujo poder foi a grande marca da franquia nos últimos anos, mas que não rendeu o esperado em 2014, muito por conta dos constantes altos e baixos vividos pelo quarterback Drew Brees. Já na defesa, é preciso que haja um verdadeiro ‘choque de gestão’. O coordenador defensivo Rob Ryan vai seguir na equipe, mas a defesa, que foi a segunda pior da NFL em jardas (377,1 cedidas por jogo) e a quarta pior em pontos (26,5 cedidos por partida), precisa melhorar consideravelmente, sobretudo contra o jogo terrestre, para que o time seja competitivo em 2015. Para o técnico Sean Payton, resta rezar e trabalhar muito. Para mim, neste momento, a imagem dos Saints sendo campeões da divisão é nada mais do que um sonho louco. Espero que seja apenas pessimismo de um fanático torcedor da franquia.

A NFC Sul, definitivamente, é a ovelha negra, o filho rebelde de National Football League. De fato, é a divisão com mais incógnitas em toda a liga neste momento. Nos resta agora esperar, pois ainda estamos em fevereiro, e quem sabe em junho, julho, a gente não possa ter uma ideia mais clara do que esperar para a próxima temporada.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Popular

To Top