NFL

No Huddle – Representantes de Colin Kaepernick seguem sem respostas de times da NFL

Colin Kaepernick

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– Em meio à busca do quarterback por um emprego na National Football League, os representantes de Colin Kaepernick disseram que entraram em contato com todos os 32 times da liga sobre possíveis oportunidades para o QB, mas receberam “pouca ou nenhuma resposta”.

Esta atualização foi parte de um longo comunicado divulgado nesta quinta-feira (10) pelos agentes Jeff Nalley e Jasmine Windham, com o título “Fatos para abordar as narrativas falsas sobre Colin Kaepernick”.

Os representantes de Kaepernick dizem que ele não exigiu um salário específico e que ele ainda quer jogar na liga.

“Nenhum time trouxe Colin para um teste. Seattle levou Colin para uma visita, mas não o testou. (…) Nenhuma outra equipe da NFL entrevistou ou testou Colin nas últimas três temporadas, apesar de outras afirmações falsas à imprensa dizendo o contrário. (…) Em 25 anos, eu nunca vi nada como isso”, afirma o comunicado.

O safety Eric Reid, do Carolina Panthers, que é amigo de Kaepernick, divulgou a nota via Twitter.

Kaepernick, que vai completar 32 anos de idade no dia 3 de novembro, não joga na NFL desde 2016, quando começou a protestar contra a brutalidade policial e as injustiças raciais nos Estados Unidos ajoelhando-se durante o hino do país. Ele optou por sair do seu contrato com o San Francisco 49ers em março de 2017.

– Daniel Jones, quarterback calouro do New York Giants, confessou que sofreu durante sua infância quando o quarterback Tom Brady, astro do New England Patriots, venceu o seu segundo Super Bowl. Jones e Brady se enfrentam no Thursday Night Football desta noite.

Com seis anos na época e sendo torcedor do Carolina Panthers, Jones ficou triste quando Brady ajudou os Pats a derrotarem o time da Carolina do Norte no Super Bowl XXXVIII.

“Eu lembro onde eu assisti. Fui à casa de um amigo. A casa dos Dickens. Um amigo da família”, falou Jones, atualmente com 22 anos, a Jordan Raanan, da ‘ESPN’ norte-americana. “Obviamente foi de partir o coração quando (o kicker Adam) Vinatieri acertou aquele field goal”, relembrou.

Mas Jones garante que não guarda mágoas de Brady ou dos Patriots: “na verdade não. Não ache que eu sabia muito naquela idade. Eu sabia que gostava dos Panthers”.

– Landry Jones, wide receiver do Cleveland Browns, defendeu Odell Beckham Jr., seu companheiro de equipe e de posição, e disse que a equipe precisa envolver mais OBJ no ataque para ter melhores resultados na temporada.

“Eu não estou chamando jogadas ou projetando algo. Mas, no final das contas, obviamente (Beckham) é uma parte essencial do nosso ataque, esteja a bola nas mãos dele ou não. Temos que encontrar maneiras de outros jogadores continuarem a fazer jogadas. Mas, do jeito que está acontecendo, não estamos fazendo jogadas suficientes sem ele tocar na bola”, frisou Landry aos repórteres, segundo o ‘The Plain Dealer’. “Então, definitivamente precisamos encontrar uma maneira de incluí-lo mais no ataque e ser intencional com isso. Não importa se a defesa sabe disso. Temos que ter a intenção de mandar a bola para ele. Mandar a bola para os playmakers, ponto final”, ressaltou.

– O wide receiver A.J. Green, do Cincinnati Bengals, ainda não atuou nesta temporada devido a uma lesão no tornozelo. Mas o problema físico não evitou com que o nome de Green fosse tirado das especulações de troca.

Apesar disso, o técnico Zac Taylor deu uma resposta enfática sobre os rumores nesta quinta.

“Eu ouvi a especulação. Não vamos trocar esse cara”, frisou o head coach, segundo Paul Dehner Jr., do ‘The Athletic’.

Em uma matéria publicada mais cedo no site oficial dos Bengals, Green disse que seu telefone está tocando desde que seu nome circulou pela primeira vez nos rumores de troca.

“Eu digo a todo mundo que não ouvi nada. Eu não fantasiava com qualquer coisa assim. Só estou tentando ficar saudável e seguir a partir daí”, ressaltou.

– O safety Jamal Adams, do New York Jets, não terá que pagar uma multa por sua pancada em cima do quarterback Baker Mayfield, do Cleveland Browns, no mês passado. O jornalista Tom Pelissero, da ‘NFL Network’, noticiou nesta quinta que o defensive back dos Jets ganhou a sua apelação de uma multa de pouco mais de US$ 21 mil por sua pancada dada em Mayfield, na semana 2.

Adams tomou uma falta por pancada atrasada em Mayfield, durante uma situação de terceira descida durante a derrota do NY Jets para os Browns por 23 a 3. Dias depois, a liga confirmou que a falta pessoal foi corretamente aplicada e Adams acabou sendo multado. Mas ele apelou da decisão e venceu.

Comments
To Top