NFL

No Huddle – Aaron Rodgers afirma: “Green Bay Packers precisa vencer em San Francisco”

Aaron Rodgers, quarterback do Green Bay Packers

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– O Sunday Night Football desta semana 12 promete muito com o confronto entre San Francisco 49ers e Green Bay Packers, em Santa Clara, na Califórnia. O duelo pode ser decisivo na disputa pelo topo da Conferência Nacional (NFC) e Aaron Rodgers sabe muito bem disso.

Escute o nosso podcast com palpites, opiniões e aves sobre a semana 12 da NFL. Só clicar no play que você já vai para Niners x Packers

Os Niners, com campanha de 9-1, recebem os Packers, que têm 8-2. E o vencedor do duelo aumenta demais suas chances de conquistar a vantagem de mando de campo para os playoffs.

“Na minha opinião, precisamos vencê-los uma vez na casa deles em algum momento. Seria bom fazer isso agora”, falou o camisa 12 dos Packers na última quarta, segundo a ‘ESPN’ norte-americana.

O QB de Green Bay tem noção de que uma derrota para os 49ers pode atrapalhar os planos dos Packers de assegurar mando de campo em janeiro, já que o New Orleans Saints também está forte na briga por uma das melhores campanhas da NFC.

“Nós estamos todos bem cientes de onde estamos em termos de posicionamento entrando na semana 12 e o que está à nossa frente e as oportunidades. Há ainda muito futebol americano a ser jogado e muita coisa pode acontecer. Acho que você está apenas em negação se não pensar nas implicações com um ‘Dub’ ou um ‘L’ (derrota) nesta semana e como isso afeta as coisas. É por isso que eu disse que, da maneira como encaramos, teremos que vencer lá uma vez no restante do ano. Seria bom fazer isso nesta semana”, finalizou.

– Durante uma audiência de apelação com a NFL nesta última quarta, o defensive end Myles Garrett, do Cleveland Browns, acusou o quarterback Mason Rudolph, do Pittsburgh Steelers, de usar uma ofensa racial contra ele antes da briga feia que encerrou o Thursday Night Football da semana passada. A informação foi apurada pelos jornalistas Josina Anderson e Adam Schefter, da ‘ESPN’ norte-americana.

A acusação foi negada de forma veemente pelo signal caller dos Steelers.

“Mason nega veementemente o relato de ter sido acusado de usar uma ofensa racial durante o incidente no Thursday Night em Cleveland. Ele não vai discutir mais essa acusação e seu foco continua na preparação para o jogo de domingo contra o Cincinnati Bengals”, falou Burt Lauten, porta-voz dos Steelers, em nota oficial.

Um porta-voz da NFL afirmou que a liga não encontrou nenhuma evidência para apoiar as acusações feitas por Garrett contra Rudolph.

O agente de Rudolph emitiu um comunicado afirmando que “o uso malicioso dessa acusação selvagem e infundada é um ataque à integridade de Mason”.

Na última quarta, Rudolph disse aos jornalistas que não disse nada para provocar Garrett ou deixar os ânimos exaltados.

PUNIÇÃO MANTIDA – O defensive end Myles Garrett, do Cleveland Browns, seguirá suspenso por tempo indeterminado por sua agressão ao quarterback Mason Rudolph, do Pittsburgh Steelers,. Os oficiais de apelação Derrick Brooks e James Thrash chegaram às suas decisões sobre as punições aplicadas a Garrett nesta quinta-feira, como anunciou a NFL em nota.

Garrett ainda foi multado em US$ 45.623, segundo uma fonte consultada por Ian Rapoport, da ‘NFL Network’. E outros jogadores serão punidos em forma de multas, incluindo Rudolph.

Já a suspensão de três jogos aplicada ao center Maurkice Pouncey, dos Steelers, por seu envolvimento no confronto foi reduzida para duas partidas. A multa de US$ 35.096 foi mantida.

– Jadeveon Clowney chegou nesta temporada ao Seattle Seahawks e logo se estabeleceu como uma das principais forças da defesa da franquia do estado de Washington.

Até agora na temporada, Clowney somou três sacks, 25 tackles combinados, três fumbles forçados, três passes desviados e uma interceptação em 10 jogos (oito como titular) em Seattle.

Em meio a essa ótima produtividade dentro de campo, muitos se lembram que o pass rusher deve se tornar um free agent em 2020. Assim, pouco se sabe se o futuro do defensor será em Seattle ou outro lugar. Mas Clowney garante que não está preocupado com isso neste momento.

“No momento, estou apenas tentando me preparar para pegar os Eagles”, disse Clowney sobre o jogo deste domingo, segundo o jornal ‘Seattle Times’. “Muito futebol americano por vir, e estou realmente focado nesta temporada. Eu não me importo de olhar para o futuro, apenas um jogo de cada vez, porque podemos fazer algo especial aqui. (…) É nisso que estou realmente focado, em tentar ajudar este time a encontrar uma maneira de chegar aos playoffs e chegar ao Super Bowl”, completou.

– O safety Eric Weddle, do Los Angeles Rams, vai enfrentar seu ex-time, o Baltimore Ravens, no Monday Night Football desta semana 12. Mas, mesmo após passar três temporadas na equipe comandada pelo head coach John Harbaugh, Weddle não vai revelar segredos de Estado ao técnico Sean McVay, dos Rams, em relação à operação da defesa dos Ravens.

“Eu poderia contar muitas coisas a eles, mas isso não representa que eu sou. Então, vamos jogar em campo e o melhor time vencerá”, falou Weddle, segundo Lindsey Thiry, da ‘ESPN’ norte-americana.

Questionado se é injusto por parte de um jogador compartilhar informações sobre uma equipe que passou, McVay frisou: “é totalmente a abordagem individual de cada pessoa”.

Harbaugh também minimizou o assunto, ressaltando que a pauta de Weddle não dar informações para seu novo time é “muito barulho por nada”.

– O cornerback Marcus Peters, do Baltimore Ravens, também vai se reencontrar com seu ex-time no Monday Night Football, já que vai enfrentar o Los Angeles Rams, time que o trocou com a franquia californiana. Mas o defensive back não está alimentando nenhum sentimento de vingança nem nada do time.

“Eu não tenho algo a provar. Como terminou? Fui trocado, e estou gostando da situação em que estou agora. Continuo em frente. Não preciso de outras coisas assim. Entendo o negócio do futebol americano”, falou Peters nesta quinta, segundo a ‘ESPN’. “Eu apenas foco na gente. Temos um jogo a disputar na noite de segunda. Apenas vamos sair e fazer a nossa parte”, completou.

– O wide receiver DeAndre Hopkins é um dos grandes astros do ataque do Houston Texans (e da NFL como um todo) e responsável por muitas conversões de primeiras descidas da franquia texana. O recebedor gerou 47 first downs em 75 recepções nesta temporada 2019, estando empatado na segunda colocação neste quesito com Mike Evans, do Tampa Bay Buccaneers, e atrás apenas de Michael Thomas, do New Orleans Saints.

Além de suas habilidades atléticas evidentes, Hopkins também sabe percorrer rotas de maneira precisa e isso é fundamental para as primeiras descidas, apresentando-se como um alvo certo para o quarterback Deshaun Watson.

E, para melhorar neste quesito na última offseason, Hopkins estudou o wide receiver Julian Edelman, do New England Patriots, por quem ele não esconde a admiração.

“(Ele) sempre tem um talento especial para conseguir quatro ou cinco jardas extras. Ele é um dos meus receivers favoritos na NFL por causa disso. Porque ele mantém as correntes em movimento”, falou Hopkins, segundo a jornalista Sarah Barshop, da ‘ESPN’.

– O ex-kicker Fred Cox, líder de pontos na história do Minnesota Vikings, morreu nesta última quarta-feira aos 80 anos de idade, como anunciou o time de maneira oficial.

Cox jamais perdeu um jogo em suas 15 temporadas vestindo a camisa dos Vikings entre 1963 e 1977. Ele finalizou sua carreira com 1.365 pontos e liderou o time em pontos por 11 temporadas consecutivas.

Além de ser campeão do último NFL Championship Game em 1969, ele também foi a quatro Super Bowls com os Vikings, mas acabou sendo derrotado em todas as oportunidades.

Quando ele se aposentou, ele era o segundo na história da NFL em pontos atrás apenas de George Blanda (que também jogava como quarterback). No total, Cox converteu 282 field goals.

Em 1972, quando ainda jogada pelos Vikings, ele teve uma ideia genial e criou uma bola de futebol americano mais macia voltada para crianças, de forma a prevenir lesões nas pernas. Essa bola ficou conhecida como Nerf football.

Comments
To Top