NFL

No Huddle – Odell Beckham: não seria capaz de atingir “todo o potencial” no New York Giants

Odell Beckham Jr., wide receiver do Cleveland Browns

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– O wide receiver Odell Beckham Jr., astro do Cleveland Browns, afirmou que sua saída do New York Giants era necessária porque ele sentiu que “não seria capaz de atingir todo o meu potencial lá”.

OBJ falou sobre a saída dos Giants em uma entrevista ao ‘Complex’ publicada nesta semana, frisando que a oportunidade de se juntar aos Browns vai permitir que sua produtividade em campo floresça.

“Eu apenas senti com os Giants que eu estava preso em um lugar que não estava funcionando para mim mais”, frisou Beckham. “Senti que não seria capaz de atingir meu pleno potencial lá. Mentalmente, fisicamente, espiritualmente, tudo que eu sentia que era capaz de fazer, eu simplesmente não podia ver isso acontecendo lá. Então, eu acho que me permitindo estar em um ambiente onde eu posso ser eu mesmo e dar uma abordagem diferente, sinto que meu futebol americano vai se beneficiar disso. Estou muito animado por poder jogar futebol de novo e não ter que lidar com todas as outras coisas e políticas que vieram com meu papel anterior”, ressaltou na entrevista.

O wideout disse ao ‘Complex’ que ele está ansioso pelo “novo começo” que representa atuar com uma nova camisa.

“Eu estava esperando para explodir em jogo, e eu tenho trabalhado extremamente forte (para levar) meu jogo ao próximo nível. Isso é exatamente o que acho que posso fazer nos Browns”, completou.

– O quarterback Alex Smith, do Washington Redskins, sofreu uma lesão devastadora na perna que ameaça acabar com sua carreira na National Football League. Mas engana-se quem acha que o signal caller está desistindo do futebol americano profissional.

Em sua primeira entrevista desde a grave fratura, Smith conversou com Angie Goff, da ‘FOX5 DC’, no The Oh My Goff Show, e o QB dos Redskins afirmou que pretende prosseguir com sua carreira profissional na NFL em algum momento.

“Esse é o plano. É o plano. Passos. Eu tenho que conquistar mais alguns passos antes de chegar lá. Aprender a correr novamente. Esse é um grande deles. Eu já estou lançando. Já sinto que lançar bolas não é um problema. Sinto que posso lançar. Mas fazer o drop, mover-me por aí, todo esse tipo de coisa, mudança de direção”, falou.

Smith disse que, atualmente, está trabalhando nos passos de “estilo de vida” – jogar basquete com seus filhos, voltando a uma rotina normal. O QB afirmou que foi capaz de jogar golfe e que pode dirigir e treinar agora.

O jogador de 35 anos de idade disse que deve usar o fixador externo por mais quatro a seis semanas. No total, Smith vai usar o aparelho, que ele disse que vem da Sibéria, por cerca de sete meses e meio. “Acredite ou não, essa coisa vai salvar a minha perna, salvar meu osso, permitir que eu me cure e ande de novo e, tomara, jogue futebol americano de novo”, frisou.

– Jim Bernhardt, ex-treinador assistente do Houston Texans, morreu na última quinta-feira. Bernhardt serviu como diretor de pesquisa de futebol americano sob o head coach Bill O’Brien de 2014 a 2017. Suas funções incluíam ajudar com a preparação de jogo e administração de jogo, entre outras coisas.

“Estou entristecido ao saber da morte do meu amigo e mentor Jim Bernhardt. Jim era um treinador fantástico e teve uma enorme influência em minha carreira. Ele foi um pai maravilhoso para seus três meninos, um ótimo marido para sua esposa Catherine e um grande amigo para muitos”, falou O’Brien, em comunicado oficial. “Jim teve um tremendo impacto em inúmeros jogadores e treinadores ao longo de sua carreira. O Houston Texans estende suas mais profundas condolências à família Bernhardt. Sentiremos a falta de Jim”, finalizou o head coach.

– Deshaun Watson está entrando em seu terceiro ano na NFL, depois de uma temporada de calouro muito boa em 2017, antes da lesão, e de outro ano consistente em 2018. Agora completamente saudável, o quarterback acredita que o ataque do Houston Texans será bem melhor em 2019.

“Eu sinto que estou à frente de onde estava, é claro, no ano passado. Apenas tomada de decisão, operação do ataque, sendo capaz de fazer coisas que eu não podia fazer um ano atrás e, definitivamente, no meu ano de calouro. Ser capaz de assumir o controle e assumir a liderança deste ataque e ser capaz de fazer com que os jovens estejam posicionados, de que a proteção está correta, de que a bola está sendo colocada na direção certa ou onde a bola precisa estar contra essa cobertura. Tem sido um ótimo camp e estamos apenas tentando continuar a melhorar o ataque e fazer esse ataque fluir”, declarou Watson, segundo o site oficial dos Texans.

– O Comitê de Competição da NFL confirmou a regra de revisão de interferência no passe nesta última quinta e frisou que a atual configuração vale apenas para a temporada 2019. Portanto, é capaz de imaginar que ela ser ajustada no próximo ano, depois de um período de teste.

E o quarterback Matt Ryan, do Atlanta Falcons, espera que a regra fique ajustada com o tempo.

“Eles vão acertar”, disse Ryan, segundo o ‘The Atlanta Journal-Constitution’. “Eles vão acertar em algum momento. Essa é a maior coisa que vi com tudo isso, a intenção deles é de tentar acertar. Como jogador, você só pode respeitar e apreciar isso”, observou.

Recentemente, Ryan também falou sobre o fato de Julio Jones, seu wide receiver número 1, não ter participado dos treinamentos de offseason. E o QB não se mostrou preocupado com o fato de o wideout não estar participando dos treinos, em meio ao desejo por um novo contrato.

“Eu acho que há definitivamente um ritmo que vem quando você começa a treinar junto. Mas, de todos os caras que estão no nosso time, eu tenho mais sintonia com ele. Eu só tenho muitas repetições acumuladas de jogos em diferentes situações que passamos em nossas carreiras. Toda cobertura que vocês possam imaginar, nós vimos juntos”, ressaltou. “Eu sei exatamente como ele vai operar em certas situações e há uma liberdade que vem com isso. Obviamente, a parte de treino ajuda e nós vamos ter isso quando conseguirmos, mas o mais importante é tê-lo descansado e tão explosivo quanto possível para o dia do jogo. Quando ele é explosivo e está descansado, é difícil parar. Então, vou levá-lo assim”, finalizou Matt Ryan.

Comments
To Top