NFL

No Huddle – Calouro dos Bengals, Jonah Williams deve perder toda a temporada 2019

Jonah Williams, offensive lineman calouro do Cincinnati Bengals

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– O offensive tackle Jonah Williams, selecionado pelo Cincinnati Bengals na primeira rodada do draft de 2019, provavelmente vai perder toda a temporada 2019 depois de passar por cirurgia no ombro.

Os Bengals anunciaram nesta terça que Williams deve fazer uma recuperação completa da cirurgia, que foi realizada para reparar uma ruptura no labrum do ombro esquerdo. A expectativa era a de que Williams fosse o left tackle titular da franquia de Ohio logo em sua primeira temporada na liga.

Com Williams fora, Cordy Glenn, titular na posição de left tackle no ano passado, deve ser o dono da posição novamente.

“Nós estamos ansiosos para eu Jonah seja um grande contribuinte no futuro e sabemos que ele não deixará esta lesão detê-lo em seu objetivo de ser uma parte importante deste time. Temos confiança em nossa linha ofensiva enquanto nos aproximamos do training camp, e acreditamos que eles podem fazer a parte deles em ajudar este time a conquistar seus objetivos”, declarou o head coach Zac Taylor, em comunicado.

Jonah Williams foi selecionado com a 11ª escolha geral do draft deste ano, depois de uma grande carreira na Universidade de Alabama, onde ele foi selecionado para o primeiro time All-American de maneira unânime em 2018.

– Joe Theismann, ex-quarterback ídolo do Washington Redskins, apoiou a ideia de o calouro Dwayne Haskins usar sua camisa número 7 na franquia. Mas o astro não deseja ver o jovem entrando em campo já no começo da temporada 2019 da NFL.

Em entrevista à ‘106.7 The Fan’ neste último final de semana, Theismann disse que utilizar o calouro como titular já no início da próxima temporada seria uma receita para o “desastre” por causa dos primeiros jogos dos Redskins. Vale lembrar que Washington abre a temporada com um jogo fora de casa contra o Philadelphia Eagles e depois pega Dallas Cowboys, Chicago Bears, New York Giants e New England Patriots nas primeiras cinco semanas.

“Colocá-lo lá cedo contra aqueles times, é apenas uma fórmula para o desastre para o time, para Jay (Gruden), para os torcedores e para todos os outros. Eu acho que este jovem é o nosso futuro, e vamos proteger o futuro, em vez de jogá-lo lá fora agora e dizer: ‘ok, vá pegá-los’. A tabela que vamos jogar não é uma tabela de ‘vá buscá-los’”, falou Theismann. “Para mim, o melhor cenário para Dwayne seria este – ficar no banco neste ano, Case (Keenum) joga Colt (McCoy) volta, está saudável o suficiente para entrar na competição e/ou ser parte do time… e dar a Dwayne uma chance de processar tudo”, completou.

– O quarterback Drew Brees, do New Orleans Saints, deu as boas-vindas a Zion Williamson à cidade. O jogador foi selecionado pelo New Orleans Pelicans com a primeira escolha geral do draft de 2019 da NBA.

Os Pelicans publicaram em seu Twitter um vídeo com a reação de Williamson quando chegou o presente de Brees em sua posse: uma camisa autografada pelo QB, na qual Brees escreveu: “passando a tocha para você”.

A camisa veio acompanhada de um cartão, no qual se lia: “Zion, bem-vindo à família. Vamos dançar”.

– Teddy Bridgewater deixou passar a chance de competir por uma vaga de titular em um novo time e decidiu continuar como reserva de Drew Brees por, pelo menos, mais uma temporada. Ou seja, em vez de assinar com o Miami Dolphins, Bridgewater preferiu seguir no New Orleans Saints como reserva de um dos maiores QBs de todos os tempos.

Bridgewater disse ao jornalista Duke Johnson, do ‘The Times-Picayune’, durante o minicamp que voltar aos Saints proporciona a ele uma chance de se desenvolver.

“Esta é a melhor oportunidade para eu crescer como jogador”, falou o signal caller. “Como competidor, você quer estar lá sendo titular e competindo. Mas eu me sentei e analisei minhas opções e pensei no que seria melhor para mim. Esta é uma oportunidade para eu crescer, continuar a aprender e expandir minha capacidade mental como jogador de futebol americano”, completou Bridgewater.

– O calouro Kyler Murray, selecionado com a primeira escolha geral do draft de 2019, deve ser o titular absoluto do Arizona Cardinals logo em sua primeira temporada na liga. Mas isso não impede que o companheiro Brett Hundley sonhe com a vaga de número 1 da equipe.

Desde que foi draftado na quinta rodada em 2015, Hundley aprendeu com dois dos melhores QBs da NFL, tendo sido reserva de Aaron Rodgers no Green Bay Packers e de Russell Wilson no Seattle Seahawks. E ele acredita que essas experiências vão ajudá-lo a ser um professor para Murray.

“O conhecimento que eu tenho, eu sou capaz de passá-lo adiante para (Murray), especialmente ao longo desta jornada dele, porque a NFL não é uma corrida rápida. É uma maratona de longa distância”, disse Hundley ao ‘TMZ’, em uma entrevista recente. “Para mim, meu objetivo sempre foi ser titular, não importa em qual posição. Eu não jogo para ser o segundo. Então, acho que meu objetivo número 1 é conseguir essa vaga de titular e, ao mesmo tempo, é uma competição por uma razão”, completou.

– O pass rusher Bruce Irvin, agora no Carolina Panthers, fez uma comparação entre seu novo time e o time em que ele fez fama na NFL. Conversando com o jornalista Scott Fowler, do ‘The Charlotte Observer’, durante o minicamp, Irvin comparou a linha defensiva dos Panthers à defesa do Seattle Seahawks que ajudou o time a vencer o Super Bowl XLVIII.

“Isso meio que se compara àquele front de 2013 que tínhamos, quando ganhamos o Super Bowl”, afirmou o veterano.

Comments
To Top