NFL

No Huddle – David Johnson prevê sucesso para quarterbacks Kyler Murray e Josh Rosen

Kyler Murray, quarterback do Arizona Cardinals

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– O Arizona Cardinals teve uma troca de quarterbacks nesta offseason, com Kyler Murray sendo selecionado pelo time com a primeira escolha geral do draft e, na sequência, Josh Rosen sendo trocado pela franquia com o Miami Dolphins. Mas ambos os QBs devem ser bem-sucedidos na National Football League.

Pelo menos é o que pensa David Johnson.

O running back dos Cardinals acredita que os Cards e os Fins serão vencedores e seus respectivos signal callers terão uma carreira brilhante pela frente.

“Eu acho (que Rosen) vai acabar sendo um dos quarterbacks mais dominantes nesta liga”, falou Johnson ao jornalista Adam Schein, no programa Mad Dog Sports Radio, da rádio ‘SiriusXM NFL’.

Johnson também teve excelentes palavras para falar em relação ao seu atual quarterback: “ele (Murray) vai ser grande. Vai ser assustador para jogadores de linha defensiva. Eu lembro que estava conversando com Chandler (Jones), ele tem meio que hesitar quando vai atrás (de Murray).

– O linebacker Telvin Smith, do Jacksonville Jaguars, disse que o time o multou em US$ 88.650 por ele ter perdido o minicamp obrigatório do time nesta última semana. Smith postou uma foto da carta com sua multa no Instagram e adicionou: “ainda é amor”.

O defensive end Yannick Ngakoue, que deseja um novo contrato, também perdeu o minicamp e é outro que deve tomar multa.

– O Chicago Bears teve uma espécie de ano de renascimento em 2018, conquistando seu primeiro título da divisão NFC North e indo pela primeira vez aos playoffs desde 2010. Contudo, a campanha não terminou como o esperado, com a equipe caindo para o Philadelphia Eagles na rodada do wild card da pós-temporada.

E, falando durante um evento de caridade, o safety Eddie Jackson deixou claro que o fim de temporada ainda dói, mas ele espera que as coisas mudem bastante em 2019.

“Tudo – quão perto, e quão longe, chegamos”, disse o defensive back ao jornalista Patrick Finley, do ‘Chicago Sun Times’, ao ser questionado sobre o que o manterá motivado durante esta pausa de meio de ano. “Da campanha negativa (em 2017) para a campanha positiva (em 2018). Quão perto chegamos, com o jogo da primeira rodada dos playoffs com o field goal. Agora nós só queremos construir tudo e deixar que seja o combustível para o nosso fogo. Nós planejamos ganhar essa coisa toda”, completou.

– Depois da morte de Pat Bowlen na última quinta, aos 75 anos, o ex-quarterback Peyton Manning, que ganhou o Super Bowl 50 com o Denver Broncos, expressou gratidão em relação ao falecido proprietário da franquia do Colorado.

“Minhas mais profundas simpatias vão para toda a família Bowlen. Eu conheci o Sr. Bowlen pela primeira vez quando jogava pelo Indianapolis Colts e eu estava no Havaí no Pro Bowl, quando ele também estava por lá em sua casa havaiana. Eu o vi várias vezes ao longo dos anos e tive curtas conversas com ele que realmente curti”, disse Manning, em comunicado emitido neste final de semana.

“Chegando aqui para jogar por Denver, apesar da saúde dele estar em declínio, eu gostei de algumas conversas com o Sr. Bowlen. Em meu primeiro ano, em 2012, eu estava aqui muito na offseason. Assim que assinei com os Broncos, eu estava basicamente morando nas instalações – estudando as gravações, me reabilitando e treinando. Eu era geralmente um dos últimos a deixar as instalações durante aquele período. Eu dizia: ‘pensei que fui o último a sair’, mas o Sr. Bowlen ainda estava lá. Ele costumava estar na sala de treinamento fazendo elíptico, e eu ia lá e conversava com ele. Ele me perguntava se já tínhamos achado um lugar para morar, e lembro que uma vez disse a ele que encontramos, e ele me disse que costumava morar bem perto dali, e falamos um pouco sobre isso. Apenas breves conversas, e aproveitei esse tempo com ele”, ressaltou o ex-QB.

“Foi uma honra jogar pela organização do Sr. Bowlen, como já disse várias vezes. Sempre tive grande respeito pelo Denver Broncos durante meu tempo jogando pelos Colts e competindo contra a organização dele. Muito desse crédito vai para Pat Bowlen e seu desejo de ser o melhor e vencer. Isso teve muito peso na minha decisão de assinar com o Denver Broncos – que eu sabia que o Sr. Bowlen só pensava em ganhar e eu sabia que as pessoas que ele havia contratado continuariam aqui com essa tradição e legado. Foi uma grande decisão vir jogar aqui – ainda moramos por aqui hoje. Sou grato pelo Sr. Bowlen e pelo legado que ele estabeleceu nos Broncos, na NFL e certamente nesta comunidade de Denver. Sua falta será sentida por muitos. Foi uma honra conhecer o Sr. Bowlen e um grande prazer ter jogado por seu time – o Denver Broncos”, finalizou Peyton Manning.

– O running back Alvin Kamara, do New Orleans Saints, deixou claro que continua querendo evoluir e provar o seu valor na National Football League, mesmo depois de temporadas muito produtivas como profissional.

“Eu estou tão ansioso para ver como ‘o que mais?’ Vocês sabem o que estou dizendo? O que mais eu poderia fazer? Onde mais eu poderia me alinhar? De que outra maneira eu poderia ter sucesso? Esta é a melhor parte desta profissão para mim. Qual é o próximo passo que você vai dar? ‘Ok, ele foi bem no ano passado. Como você vai provar que você é o que é?’”, frisou Kamara.

Comments
To Top