NFL

No Huddle – Darius Leonard conta sua experiência com racismo em restaurante na Carolina do Sul

Darius Leonard, linebacker do Indianapolis Colts

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– O linebacker Darius Leonard, do Indianapolis Colts, disse nesta última quinta-feira (25) que ele e sua família foram racialmente discriminados em um restaurante da rede Chipotle, em Florence, na Carolina do Sul, e posteriormente receberam um pedido para deixar o local.

Leonard disse que, próximo ao final da refeição, ele e seus familiares foram abordados pelo gerente do restaurante.

“Ele veio com uma atitude terrível, perguntando se nós tivemos algum problema. Então, ficamos todos perdidos, tentando descobrir o que estava acontecendo. Ele disse que um cara branco disse que estávamos abusando verbalmente dele, falando bobagens para ele. Era basicamente uma mentira. Basicamente, fomos expulsos do Chipotle por causa disso. E eles disseram que iriam chamar a polícia ou que queriam chamar a polícia para nós. Isso é o que é ser negro nos Estados Unidos neste momento”, disse Leonard, em um vídeo publicado no Instagram.

 

Ver essa foto no Instagram

 

@chipotle in Florence SC

Uma publicação compartilhada por Darius Shaquille Leonard (@mr_highflyer10) em

Em um comunicado publicado em primeira mão pelo ‘The Athletic’, Brian Niccol, CEO e presidente do Chipotle, afirmou que o incidente está atualmente sob investigação e que o gerente foi suspenso.

“Atualmente, estamos investigando o incidente envolvendo Darius Leonard em Florence, na Carolina do Sul. Temos uma política de tolerância zero para qualquer tipo de discriminação e suspendemos nosso gerente enquanto conduzimos uma investigação completa. Conversei pessoalmente com Darius e estou comprometido em garantir que as ações apropriadas sejam tomadas assim que a investigação for concluída”, falou Niccol.

Leonard disse nesta sexta, no programa First Take, da ‘ESPN’ norte-americana, que ainda estava em “choque total” pelo incidente e que se questionou o que teria acontecido se ele fosse alguém que não tivesse a plataforma que ele tem como atleta profissional.

“Isso é algo que eu penso. Por isso disse alguma coisa”, falou. “Eu não disse algo por atenção. Não disse nada para tentar conseguir dinheiro ou qualquer coisa. Eu, sendo um atleta profissional negro, estava usando minha plataforma para mostrar que não importa quem você é nos Estados, as coisas ainda estão sendo ditas, você está sendo maltratado. E, para mim, definitivamente estou tentando promover mudanças. E se é isso que eu tenho que fazer para promover a mudança com toda a reação adversa e tudo o que estou recebendo por vir e responsabilizar o gerente e o Chipotle, então vocês sabem que é algo que eu vou defender, essa é a reação que vou enfrentar”, pontuou.

Leonard disse que quer ver Chipotle “dar um passo à frente e mudar em vez de apenas pedir desculpas”.

Os Colts emitiram um comunicado sobre o incidente: “a experiência de Darius demonstra a luta que muitos negros americanos e pessoas de cor enfrentam todos os dias. Também demonstra por que precisamos de uma ação séria de nossos líderes governamentais, agentes da lei, empresas e americanos comuns para acabar com o racismo e a injustiça sistêmica e para continuar esse importante diálogo sobre como inspirar mudanças positivas em nosso país”.

Darius Leonard, que vai entrar em sua terceira temporada com os Colts em 2020, foi ao Pro Bowl na temporada passada e foi selecionado para o primeiro time All-Pro em 2018, quando também foi eleito o Calouro Defensivo do Ano da NFL.

– O comitê de competição da NFL espera apresentar uma proposta revisada para recompensar os times pela identificação e desenvolvimento de treinadores e executivos de grupos étnicos minoritários durante o Fall League Meeting, encontro da liga que está marcado para outubro.

A informação foi confirmada por Troy Vincent, vice-presidente executivo de operações de futebol americano da NFL, ao jornalista Tom Pelissero, da ‘NFL Network’.

A liga ainda está recebendo feedback de equipes e especialistas externos, segundo Pelissero, mas a proposta está viva para o próximo ciclo de contratação após a temporada 2020.

Em maio, a NFL expandiu a Regra de Rooney para exigir que os clubes entrevistassem pelo menos dois candidatos minoritários externos para vagas de treinador e pelo menos um candidato minoritário para qualquer cargo de coordenador.

– Adam Gase, técnico do New York Giants, não está muito interessado em discutir publicamente a situação de Jamal Adams.

Nesta sexta, em uma teleconferência, o head coach disse aos repórteres que ele está mantendo todas as conversas sobre o pedido do safety para ser trocado como um assunto interno.

“Qualquer coisa que lide com a comunicação com Jamal ficará entre nós. É assim que estamos operando internamente e mantendo nosso vestiário fechado”, falou Gase, segundo Kim Jones, da ‘NFL Network’.

Apesar do jogador querer ser trocado, Gase conta com seu astro na defesa da equipe.

“Meu relacionamento com Jamal tem sido bom desde o momento em que chegamos aqui. Para mim, sempre nos demos bem (dentro e fora do campo)”, frisou. “Sim, eu quero Jamal em nosso time”, ressaltou.

– Chris Jones e o Kansas City Chiefs não estão próximos de acertar um contrato de longo prazo que mantenha o defensive tackle na franquia por mais do que uma temporada.

O jornalista James Palmer, da ‘NFL Network’, noticiou nesta sexta que não tem havido muitos avanços em relação a uma extensão de longo prazo entre Chiefs e Jones, de acordo com uma fonte com conhecimento da situação.

Palmer observou que a franquia do Missouri que Jones por lá no longo prazo, mas que as incertezas em relação ao futuro devido à pandemia do COVID-19 e o que isso pode impactar no teto salarial para 2021 estão pesando na insegurança de fechar um novo acordo neste momento.

Jones e os Chiefs têm até 15 de julho para fechar um acordo de longo prazo, ou defensive lineman, um Pro Bowler, jogará sob a franchise tag de um ano, no valor de US$ 16,1 milhões.

– O Washington Redskins está apostando todas as suas fichas no desenvolvimento do quarterback Dwayne Haskins em seu segundo ano na NFL. E Doug Williams, o vice-presidente de desenvolvimento de jogadores dos Redskins, rasgou elogios ao jovem signal caller.

“Eu não me importo com quem foi selecionado este ano, no ano passado, não há um quarterback selecionado nos últimos dois anos que tenha a capacidade – do ponto de vista da força do braço e talento do braço – que Dwayne Haskins tem”, afirmou Williams, de maneira contundente, à rádio ‘106.7 The Fan’, segundo a ‘NBC Washington’.

– O linebacker Jason Pierre-Paul, do Tampa Bay Buccaneers, passou por uma pequena cirurgia no joelho nesta semana. A informação foi apurada por Tom Pelissero, da ‘NFL Network’.

Apesar do procedimento, JPP deve estar pronto para o training camp, no final de julho.

Pierre-Paul postou vídeos no Snapchat entrando e saindo da cirurgia na manhã desta sexta, segundo Rick Stroud, do ‘Tampa Bay Times’.

Comments
To Top