NFL

No Huddle – Cowboys falaram com Prescott e Elliott sobre distanciamento social

Dak Prescott, quarterback do Dallas Cowboys

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– O quarterback Dak Prescott, do Dallas Cowboys, causou durante a quarentena devido à pandemia do novo coronavírus (COVID-19) e organizou uma reunião de pessoas neste último final de semana. O running back Ezekiel Elliott estava presente.

E Stephen Jones, vice-presidente executivo dos Cowboys, falou sobre o assunto na rádio ‘105.3 The Fan’, nesta terça (14), frisando que a franquia texana conversou com Prescott e Elliott sobre não fazer aglomerações durante um momento tão complicado nos Estados Unidos e no mundo.

“Certamente nos comunicamos com Dak e Zeke. E acho que agora eles certamente estão cientes de quão sensíveis são essas situações. Acho que vocês não verão mais isso. Eles são certamente caras pelos quais temos o maior respeito. Eu certamente sei que eles entendem a sensibilidade da situação em que estamos, é certamente muito sério e algo que sabemos que eles entendem”, falou Jones, segundo o jornalista Jon Machota, do ‘The Athletic’.

O jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, obteve um comunicado emitido por Prescott posteriormente:

Entendo e aceito que existem responsabilidades adicionais e escrutínio da mídia como quarterback da NFL, mas é muito frustrante e decepcionante quando as pessoas fornecem informações completamente imprecisas de fontes anônimas, especialmente agora.

Para esclarecer as coisas – sei que todos precisamos fazer o possível para nos distanciar socialmente e, como todo mundo, continuo me ajustando ao que é necessário, mas a verdade é que eu estava com menos de 10 pessoas em uma casa para um jantar – não uma festa – na sexta à noite. Sou muito sensível aos desafios que todos enfrentamos e certifico-me de apoiar os socorristas e o pessoal médico e todo mundo que se dedica por horas demais. Estamos todos no momento em que precisamos continuar nos educando sobre a importância da saúde e do isolamento durante esta pandemia e continuarei me certificando de fazer minha parte seguindo as diretrizes até que sejamos aprovados para começar a retornar às atividades normais”.

– O linebacker Zack Baun, da Universidade de Wisconsin, informou aos 32 times da NFL que ele testou positivo para uma amostra diluída durante os testes antidoping realizados no NFL Scouting Combine.

Os representantes do prospecto para o draft de 2020 enviaram uma carta às franquias da NFL, cuja cópia foi obtida por Ian Rapoport, da ‘NFL Network’.

“Zack estava genuinamente confuso, chateado e envergonhado com os resultados, pois o ‘diluído’ foi o resultado dele bebendo quantidades significativas de água antes de sua pesagem (o teste de urina ocorreu imediatamente depois). Zack gostaria de ter a oportunidade de falar com qualquer um sobre isso diretamente, para sua conveniência … na verdade, ele ficaria animado em fazê-lo”, disse o agente na carta.

Uma amostra diluída devido ao consumo excessivo de água pode ser usada para mascarar outras substâncias proibidas que podem ser encontradas em uma amostra de urina. Sob o antigo acordo coletivo de trabalho (CBA), uma amostra diluída teria desencadeado um teste reprovado, mas esse não é mais o caso no novo CBA.

– O quarterback Jake Fromm, da Universidade da Geórgia, chamou a atenção durante o NFL Scouting Combine pelo tamanho da mão e não tanto pelo seu desempenho nos testes dentro de campo. Mas, ao que parece, ele está ficando mais forte antes do draft da próxima semana.

O nome de Fromm está “gerando alvoroço” por causa de suas entrevistas com times em potencial, e ele se tornou o favorito dos treinadores de quarterbacks ao redor da liga, segundo Ian Rapoport, da ‘NFL Network’.

A mistura de liderança, competitividade e capacidade de Fromm de motivar seus companheiros de equipe é evidente há algum tempo e também está conquistando as equipes da NFL, mas o lado físico de seu futuro significa que ele provavelmente é uma seleção dos dias 2 ou 3 do draft de 2020.

– O quarterback Kirk Cousins, do Minnesota Vikings, viu Stefon Diggs, seu wide receivers número 1, ser trocado com o Buffalo Bills nesta offseason. E, após a perda de uma peça importante, o signal caller defende que o time poderia adotar uma postura ofensiva.

Talvez adicionando um tight end ou fullback ao ataque.

“Francamente, sou alguém que é proponente de um ataque com dois ou três tight ends, ou de ter um fullback no jogo – especialmente quando você tem C.J. Ham. Não existe uma regra que diga que precisamos jogar com quatro ou cinco wide receivers por vez”, frisou Cousins, segundo Chad Graff, do ‘The Athletic’.

– Zac Taylor, técnico do Cincinnati Bengals, não vê seu time trocando a escolha número 1 do draft de 2020.

“Não parece assim. Se existe um cara em quem você acredita que pode realmente mudar a franquia nos próximos 10 a 15 anos, isso é algo difícil de deixar passar. Você sabe, as pessoas o tempo todo me perguntam o que seria necessário para desistir dessa escolha e, se há alguém por quem as pessoas estão dispostas a desistir muito, nos quais elas acreditam, então isso apenas verifica realmente o que pensamos sobre esses jogadores também”, falou Taylor no Dan Patrick Show, segundo o jornal ‘Cincinnati Enquirer’.

Comments
To Top