NFL

No Huddle – Kevin Colbert fala sobre status de Ryan Shazier

Ryan Shazier, linebacker do Pittsburgh Steelers

No Huddle – O boletim de notícias de NFL do Quinto Quarto

– Desde a semana 13 da temporada 2017 da National Football League que Ryan Shazier não entra em campo para defender o Pittsburgh Steelers. Mas o linebacker segue ajudando a franquia de dentro e o general manager Kevin Colbert não acredita que isso vá mudar.

“Quando você lida com Ryan Shazier, você não está lidando com um cronograma. Você está lidando com um jovem que está tentando recuperar a sua carreira. Nós sempre apoiaremos isso, seja por uma certa data ou certos temos. Há regras com as quais precisamos viver, mas não há teto e não há previsão de tempo em relação à possibilidade do retorno dele”, falou Colbert aos repórteres, segundo o ‘Triblive.com’.

Em março de 2019, os Steelers anunciaram que o contrato de Shazier seria carregado para a temporada, com o linebacker permanecendo no elenco antes de sua eventual ida para a lista de reservas/jogadores sem condições físicas de desempenhar (PUP list).

Shazier sofreu uma lesão grave na coluna vertebral durante um tackle de capacete contra capacete no dia 4 de dezembro de 2017. A contusão exigiu uma cirurgia delicada de estabilização da coluna.

Manter Shazier no elenco significou que os Steelers continuaram pagando o LB durante a temporada e permitiram que ele seguisse recebendo os tratamentos médicos adequados e todos os direitos de um jogador da NFL.

Não há indicação da possibilidade de Shazier retornar em 2020 e “é uma situação única”, como admitiu Colbert.

– O fullback Kyle Juszczyk, do San Francisco 49ers, expressou sua opinião de que o quarterback Jimmy Garoppolo e o técnico Kyle Shanahan foram culpados além da conta pela derrota para o Kansas City Chiefs no Super Bowl LIV.

“Honestamente, essa foi uma das partes mais frustrantes de toda a derrota, ver as críticas a Kyle e Jimmy. Esses são dois caras que não têm que provar absolutamente nada para o resto dos caras no vestiário”, falou Juszczyk durante uma participação no programa Good Morning Football, da ‘NFL Network’.

E todas essas críticas vieram sobretudo devido ao último quarto péssimo dos Niners no Super Bowl LIV, depois de um domínio da equipe californiana nos três períodos iniciais da decisão da temporada 2019 da NFL.

“Você olha para Jimmy, para as pessoas que amam estatísticas, 4.000 jardas de passe, proporção de touchdowns-interceptações melhor do que 2-1, 70 por cento de passes completados. Basta olhar para isso, é um quarterback fenomenal”, frisou o fullback. “(…) Mas, por qualquer motivo, Jimmy parece receber essa crítica extra, esse calor extra. Mas acho que, em um ponto no jogo (Super Bowl LIV), ele estava 19 de 22, 180 jardas e um touchdown”, completou Juszczyk.

– Dias depois que Myles Garrett reiterou suas acusações contra Mason Rudolph, o quarterback do Pittsburgh Steelers e Mike Tomlin, head coach do time, rebateram as declarações do defensive end do Cleveland Browns.

“1000% falso. Mentira deslavada. Eu usei e não usaria uma injúria racial. Essa é uma tentativa repugnante e imprudente de assassinar meu caráter”, escreveu Rudolph no Twitter, no último sábado.

Pouco depois do tweet de Rudolph, Tomlin emitiu um comunicado.

“Eu apoio Mason Rudolph não apenas porque eu o conheço, mas também porque eu estava no campo imediatamente após a briga com Myles Garrett e, posteriormente, após o jogo. Interagi com muitas pessoas da organização Cleveland Browns – jogadores e treinadores. Se Mason tivesse dito o que Myles alega, teria surgido durante as muitas interações que tive com as da organização Browns. Nas minhas conversas, tive muitas expressões de tristeza pelo que aconteceu. Não recebi nenhuma indicação de algo racial ou algo dessa natureza nessas interações”, afirmou Tomlin, em nota.

– O linebacker Joe Schobert foi um dos poucos pontos positivos para o Cleveland Browns em uma temporada 2019 para ser esquecida. E, em meio às mudanças pelas quais a franquia passou nesta offseason, a especial chegada de Andrew Berry para ser o novo general manager parece ter um peso essencial nas chances de o LB continuar sua carreira na organização.

“Nós nos comunicamos desde que ele foi contratado, o que meio que quebrou com o regime anterior. Mas acho que ainda precisamos ver para onde ela vai, para onde ela leva e se os dois lados podem chegar a um acordo, seria ótimo. Eu adoraria isso. Mas você nunca sabe e, por enquanto, eu realmente não ouvi falar de nada. Mas, como eu disse, acho que há mais um mês e provavelmente eles estão muito ocupados por lá, planejando coisas para si mesmos com um staff completamente novo”, falou Schobert, em entrevista recente à rádio ‘SiriusXM NFL’.

Schobert foi selecionado na quarta rodada do draft de 2016 pelos Browns, ano em que Berry era vice-presidente do departamento pessoal da franquia.

Ao longo dos últimos três anos, Schobert foi uma presença constante na defesa titular dos Browns, tendo sido uma vez selecionado ao Pro Bowl (2017), mas tendo sigo ‘ignorado’ nesta última temporada para a honraria.

Schobert somou 133 tackles nesta última temporada, além de nove passes defendidos, quatro interceptações, dois sacks, sete tackles para perda de jardas e dois fumbles forçados.

– J.J. Watt, defensive end do Houston Texans, se casou com Kealia Ohai, meio-campista do Chicago Red Stars, neste último sábado. A cerimônia foi realizada em Bahamas.

Na manhã deste domingo, o pass rusher postou várias fotos e tweetou: “melhor dia da minha vida. Sem dúvidas”.

Os dois se conheceram através de Brian Cushing, ex-linebacker dos Texans, que é casado com a irmã de Ohai. Cushing atualmente é treinador assistente de força e condicionamento físico dos Texans.

Ohai foi draftada pelo Houston Dash, da National Women’s Soccer League (NWSL) em 2014, mas foi trocada com Chicago em janeiro. Atualmente com 27 anos de idade, Ohai já atuou em três partidas com a camisa da seleção feminina dos Estados Unidos.

– O Arizona Cardinals contratou recentemente Chris Straveler, que veio da Canadian Football League (CFL). E o general manager Steve Keim espera que o atleta pode se transformar no que Taysom Hill foi para o New Orleans Saints em 2019.

Em participação no Doug & Wolf Show, da ‘Arizona Sports 98.7 FM’, Keim não escondeu suas expectativas, mas também tentou manter os pés no chão.

“Ele tem que conquistar uma vaga no time antes, mas é alguém que seguimos. Ele é competitivo, é divertido de assistir, é um cara corajoso, ele pode realmente correr, fazer jogadas com os pés”, falou o executivo. “Será interessante vê-lo neste ataque. Talvez haja um pouco de Taysom Hill, ele traz coisas diferentes. Mas é tudo projeção”, completou.

Comments
To Top