NFL

New York Jets contrata Adam Gase como seu novo head coach

Adam Gase, head coach da NFL

(Crédito: Twitter/reprodução)

Adam Gase já encontrou um novo emprego como técnico principal e ele vai continuar trabalhando na divisão AFC East. O New York Jets está contratando o ex-comandante do Miami Dolphins para ser seu novo head coach.

A informação foi confirmada pelo jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, na noite desta quarta-feira (9).

Os Jets entraram em contato com Gase depois que ele foi demitido pelos Dolphins no dia 31 de dezembro. Ele somou apenas 23 vitórias e 25 derrotas em três temporadas comandando a franquia da Flórida, mas ele dominou os Jets, saindo vitorioso em cinco dos seis encontros entre os times de Miami e de Nova York.

Gase se torna o primeiro head coach dos Jets desde Bill Parcells (1997) com experiência anterior como técnico principal na National Football League. Ele também preenche a necessidade de uma mente mais voltada para o ataque, algo que os Jets não tinham em seu head coach desde Rich Kotite (1995-1996).

Com um potencial franchise quarterback em Sam Darnold, o NY Jets queria um técnico com histórico de desenvolver QBs. Gase trabalhou com vários, sendo o lendário Peyton Manning o mais chamativo da lista.

O ex-head coach dos Dolphins também deve ser o responsável por chamar as jogadas ofensivas nos Jets.

A diretoria da organização nova-iorquina optou por Gase em vez de nomes como Mike McCarthy, ex-head coach do Green Bay Packers, e Matt Rhule, técnico da Universidade de Baylor que vem demonstrando uma rápida ascensão na carreira.

McCarthy, que era um dos favoritos ao cargo, disse ao jornalista Tom Pelissero, da ‘NFL Network’, que vai tirar um ano sabático em 2019 e que estará pronto para a temporada 2020.

Gase era considerado uma estrela em ascensão em 2016, quando assumiu o posto de head coach dos Dolphins, e ele chegou a liderar o time em uma campanha 10-6 em sua primeira temporada, levando a equipe aos playoffs pela primeira vez desde 2008. Entretanto, Miami regrediu nas últimas duas temporadas.

O técnico chegou como um mentor ofensivo, mas seu Miami Dolphins nunca terminou uma temporada melhor do que a 17ª posição em pontuação ou 24ª posição em jardas. Um dos fatores principais para isso foi a instabilidade na posição de quarterback, pois Ryan Tannehill atuou em apenas 24 dos 48 jogos devido às lesões.

Na temporada 2018, depois de um início 3-0, os Dolphins terminaram com campanha 7-9, em grande parte devido ao ataque que foi o segundo pior em jardas.

O relacionamento entre Gase e Stephen Ross, proprietário dos Dolphins, ficou bastante desgastada até o final da temporada, com o head coach rejeitando o desejo de Ross de ceder o controle do elenco de 53 jogadores, segundo Jeff Darlington, da ‘ESPN’. Em determinado momento, Gase gritou com Ross, de acordo com o jornal ‘Miami Herald’.

Nos Jets, Gase não terá controle sobre o elenco de 53 jogadores para a temporada, já que ele pertence ao general manager Mike Maccagnan, que chegou com Todd Bowles em 2015.

Bowles foi demitido horas depois do término da temporada para os Jets. Em quatro temporadas no comando do time, ele somou 24 vitórias e 40 derrotas, sem classificações aos playoffs.

Adam Gase está herdando um time que não chega à pós-temporada desde 2010 e que tem apenas um título de Super Bowl em sua história, conquistado há 50 anos. Ele é o 14º head coach em tempo integral desde Weeb Ewbank, que liderou a organização em sua única campanha de título, com a vitória no Super Bowl III.

A vaga de head coach do NY Jets era considerada um dos empregos mais cobiçados no mercado neste ano, em grande parte devido a Sam Darnold, que demonstrou potencial em sua primeira temporada como profissional. Contudo, além de Darnold e o safety Jamal Adams, o elenco precisa de reforços, sobretudo nas linhas ofensiva e defensiva.

As boas notícias? Os US$ 100 milhões de espaço projetado no teto salarial e a terceira escolha geral do draft de 2019.

Comments
To Top