NFL

Não tínhamos grandes surpresas no NFL Draft 2020, aí os Packers…

jordan love packers nfl draft 2020

Nós temos algo a admitir: os textos de Joe Burrow e Chase Young indo para Bengals e Redskins já estavam preparados desde o meio da semana. E o NFL Draft 2020 seguiu sem grandes surpresas e até com poucas trocas. A primeira só veio na 13ª posição, com o Tampa Bay Buccaneers seguindo sua sanha incontrolável de agradar Tom Brady. O New Orleans Saints escolheu um center, o que foi algo surpreendente, e CeeDee Lamb caiu até a 17ª posição para o Dallas Cowboys. Isso foi o máximo de WOW.

Quando o sono começava a bater, o Green Bay Packers subiu da 30ª posição para a 26ª posição para deixar Aaron Rodgers com fogo naquele lugar. A intenção dos Packers é clara: Jordan Love foi selecionado para tentar fazer uma transição suave Favre-Rodgers-Love passando por 30 anos de história de franquia.

Quando isso vai acontecer? Isso vai depender de Rodgers, já que é mais fácil fazer essa mudança quando você tem Alex Smith em campo e Patrick Mahomes comendo a bola nos treinos do que tirar um futuro Hall da Fama, campeão e MVP com o uniforme de Green Bay.

Confira nosso podcast com as impressões sobre a primeira rodada do Draft de 2020, inclusive a seleção de Jordan Love

São várias coisas que são chocantes nessa seleção. Primeiro, o New Orleans Saints tinha muita mais razão para selecionar Love, já que Brees entra na sua provável última temporada e Teddy Bridgewater se foi.

Em Green Bay nós não sabemos a vontade de continuar que Rodgers têm. Seu jogo na temporada foi abaixo de sua média, algo planejado, já que Matt LaFleur assumiu com a função de criar um ataque menos dependente da genialidade do camisa 12. Mas a queda também foi forçada pela falta de armas, especialmente wide receivers. Por isso a escolha por um recebedor para fazer companhia a Davante Adams fazia mais sentido.

Não foi isso que aconteceu.

Love chega em Green Bay e o relógio da contagem regressiva de Rodgers começa. Outra coisa para ficar atento: a relação de QBs veteranos consagrados com concorrência jovem sempre é gélida, com o próprio Favre e Rodgers como exemplo. Duvido que o camisa 12 seja dos mais carinhosos com o coitado do Amor, já que o cara é mais temperamental que artista em show com público abaixo do esperado.

NFL Draft 2020: não vou dar notas, mas faço um ranking

Como já disse nos podcasts, textos, lives no Instagram e em conversas com o porteiro do meu prédio, eu odeio notas para Draft e análises definitivas de algo que a graça é ser surpreendido, ver busts que analistas garantiam o sucesso e jogadores que foram estapeados na cara e no fim se dão bem nas suas carreiras.

Por isso não vou aqui analisar que time foi bem ou que franquia foi mal, porque isso só poderemos dizer, com segurança completa, daqui dois anos. Pelo menos. A ‘ESPN’ americana não se importa com minha regra e você pode conferir no link acima as notas deles. SÓ VEJA DEPOIS DE TERMINAR DE LER NOSSO POST.

Mas eu posso fazer um ranking. E vou fazer. Este é o ranking “eu, Miguel Amado, estou animado para ver esse cara nesse time” (EMAEAPCECNT).

Pela métrica EMAEAPCECNT, este é o top 4 do Draft NFL 2020.

4- CeeDee Lamb – Dallas Cowboys

O pobre CD estava ficando mais para trás que o querido CD depois da invenção do mp3. Mas mesmo que seja um pouco humilhante cair no Draft, poder chegar em um time e logo de cara já jogar partidas que importam é legal. E os Cowboys tem uma linha ofensiva ótima, um running back entre os melhores, Amari Cooper que realmente “ORNOU (palavra de avó)” e Dak Prescott, que por mais que eu não seja um grande fã, é um QB competente. Lamb já pode sonhar com mil jardas logo de cara, ainda mais com Mike McCarthy no comando.

3 – Justin Herbert – Los Angeles Chargers

Eu era pró-seleção do Tua. Se isso vai dar certo ou não é outro papo, mas se o QB de Alabama se mantiver saudável é difícil que Tua seja um bust. Já Herbert é menos polido, mas o cara é uma torre e ainda consegue se movimentar. E ele chega nos Chargers com playmakers a seu lado: Keenan Allen, Austin Ekeler e Mike Williams.

Pode fazer falta maior proteção na linha e talvez vejamos o papo mole de “ah, nosso QB titular é Tyrod Taylor, Herbert é para o futuro”, que sempre dura até o time começar 0-2 e as vaias soarem. Quero muito ver Justin Herbert em ação pelos Chargers, até porque Burrow e Tua chegam em times que serão melhores que suas versões 2019, mas não tem tanto potencial para 10-6 como eu ainda acho que os Chargers têm.

2 – Chase Young – Washington Redskins

Os Redskins ainda têm muita coisa para definir, inclusive se eles tentam Cam Newton ou se vão mesmo de Dwayne Haskins. Mas a linha defensiva com Chase Young, Montrez Sweat, Jonathan Allen e Daron Payne com Ron Rivera de treinador é algo para se empolgar imediatamente. Coitadas das linhas ofensivas rivais.

1 – Isaiah Simmons – Arizona Cardinals

Uma das quase surpresas do topo do Draft porque eu imaginava que os Cardinals fossem proteger Kyler Murray e dar tempo para ele lançar para DeAndre Hopkins. Eles preferiram Simmons, que será onipresente na defesa da equipe enquanto Chandler Jones tenta derrubar todos os QBs adversários do mundo. Ainda tem o veteraníssimo Patrick Peterson como mais um playmaker. Os Cardinals já querem sentir o cheirinho dos playoffs em uma divisão que tem três vices de Super Bowl nos últimos cinco anos.

Veja os resumos de todos os jogadores selecionados na primeira rodada do Draft NFL 2020.

Comments
To Top