NFL

Myles Garrett pega suspensão por tempo indeterminado; veja mais movimentações na NFL

Myles Garrett, defensive end do Cleveland Browns

O defensive end Myles Garrett tomou uma punição dura e exemplar. A National Football League anunciou nesta sexta-feira (15) que o defensive end do Cleveland Browns foi suspenso pelo restante da temporada 2019 (incluindo os playoffs, caso a equipe se classifique).

Além disso, o camisa 95 terá que se encontrar com o comissário Roger Goodell antes de ser possivelmente reintegrado em 2020.

Garrett arrancou o capacete do quarterback Mason Rudolph, do Pittsburgh Steelers, no Thursday Night Football que abriu a semana 11, e utilizou o objeto como arma para atingir a cabeça do adversário. A briga feia ocorreu nos segundos finais da vitória dos Browns por 21 a 7, que ficou totalmente em segundo plano.

“Na noite passada, eu cometi um erro terrível. Eu perdi a cabeça e o que eu fiz foi egoísta e inaceitável. Sei que todos somos responsáveis por nossas ações, e eu apenas posso provar meu verdadeiro caráter por meio de ações daqui para a frente”, falou o DE, em comunicado emitido nesta sexta. “Eu quero pedir desculpas a Mason Rudolph, meus companheiros, a toda nossa organização, nossos fãs e a NFL. Eu sei que tenho que ser responsável pelo que aconteceu, aprender com meu erro, e pretendo fazer isso absolutamente”, completou.

A suspensão de Garrett, que será de pelo menos seis jogos, é a mais longa da história da NFL por um incidente ocorrido dentro de campo.

Em um comunicado, a NFL disse: “Garrett violou as regras de força desnecessária e conduta antidesportiva, bem como lutar, remover o capacete de um oponente e usar o capacete como arma”.

A NFL também suspendeu o defensive tackle Larry Ogunjobi, dos Browns, por um jogo devido a um empurrão dado em Rudolph pelas costas, logo depois de Garrett ter dado a capacitada no QB dos Steelers. E o center Maurkice Pouncey, dos Steelers, que pulou em cima de Garrett e deu chutes e socos em retaliação às ações do pass rusher dos Browns, pegou uma punição de três partidas.

Todos os três jogadores foram ejetados do TNF, foram suspensos e ainda terão que pagar multas. Além disso, o Cleveland Browns e o Pittsburgh Steelers foram multados em US$ 250 mil cada.

Garrett vai apelar da suspensão, como disse uma fonte ao jornalista Jeremy Fowler, da ‘ESPN’. Pouncey e Ogunjobi têm três dias úteis para apresentar uma eventual apelação.

Apesar das ações de Garrett, o técnico Freddie Kitchens expressou apoio ao defensor e frisou que a franquia de Ohio continuará a apoiá-lo.

“Ele entende a magnitude do que ocorreu ontem à noite e sente muito remorso, sente muito por suas ações. Ele entendeu que se decepcionou, que ele decepcionou seus companheiros de equipe e que decepcionou sua organização”, afirmou o head coach. “Nós olhamos para o time como uma família. E, em uma família, algumas vezes seus parentes cometem erros. Você os apoia de todas as maneiras que pode, mesmo que seja um erro flagrante”, ressaltou.

Garrett já havia sido multado em mais de US$ 50 mil por socar o tight end Delanie Walker, do Tennessee Titans, e por duas pancadas atrasadas dadas em cima do quarterback Trevor Siemian, do New York Jets, a última das quais tirou Siemian do restante da temporada devido a uma contusão no tornozelo.

Antes de Garrett, a maior punição da história da NFL por um incidente dentro de campo havia sido imposta em 2006 ao então defensive lineman Albert Haynesworth, do Tennessee Titans, que foi suspenso por cinco jogos por remover o capacete do center Andre Gurode, do Dallas Cowboys, e chutar e pisar em seu rosto.

Rudolph tomará multa e agente está considerando opções legais – O quarterback Mason Rudolph, dos Steelers, será multado pela NFL por suas ações em campo durante o confronto com Myles Garrett. A informação foi apurada por Tom Pelissero, da ‘NFL Network’, que acrescentou que o valor da multa ainda será determinado.

A notícia não é uma surpresa, visto que já se esperava que o signal caller seria multado, mas não suspenso.

O agente de Rudolph não está descartando correr atrás de opções legais após o incidente ocorrido no TNF.

“Eu estou coletando todas as informações e nenhuma opção está fora da mesa”, disse Tim Younger, agente do QB dos Steelers, ao ser contatado via mensagem de texto pela ‘ESPN’ norte-americana.

A sargento Jennifer Ciaccia, da polícia de Cleveland, disse nesta sexta que eles não estão investigando Myles Garrett, adicionando que eles não receberam uma reclamação de Rudolph.

Younger utilizou seu Twitter para falar sobre o incidente logo após a partida.

“Há muitos riscos que um QB da NFL assume a cada snap que está em campo. Ser atingido na cabeça sem proteção por um capacete sendo lançado por um DE de 125kg não é um deles. Esta noite poderia ter um final catastrófico. O assunto será analisado minuciosamente”, escreveu o representante do camisa 2 dos Steelers.

Após o jogo, Rudolph disse que a atitude de Garrett foi “muito covarde, bem de várzea”.

Confira mais movimentações interessantes na NFL nesta sexta (15):

– A reunião de Antonio Brown com a NFL na última quinta para tratar das acusações de agressão sexual contra ele durou cerca de oito horas e pode haver mais um acompanhamento antes que uma decisão sobre o futuro do atleta seja tomada. A informação é da jornalista Josina Anderson, da ‘ESPN’.

A reunião aconteceu na Flórida e Brown negou as acusações. A NFL teve três representantes no encontro, que foi liderada por Lisa Friel, vice-presidente sênior/conselheira especial para investigações da NFL.

Uma fonte disse que Brown sentiu que tudo correu bem e que ele respondeu às perguntas feitas pela liga.

O jornalista Adam Schefter, também da ‘ESPN’, já havia noticiado que, a menos que haja uma mudança brusca no cenário, Brown não deve jogar mais nesta temporada 2019.

Atualmente com 31 anos, Brown está sendo investigado pela NFL sob a política de conduta pessoal da liga, após uma ação movida por Britney Taylor, ex-preparadora do jogador, que alegou que foi sexualmente agredida por Brown em várias ocasiões. Brown também foi acusado de má conduta sexual por uma artista que estava trabalhando na casa do jogador em 2017.

Brown atuou em apenas uma partida nesta temporada, na semana 2 contra o Miami Dolphins. Ele foi dispensado pelo Oakland Raiders antes da temporada e, posteriormente, pelo New England Patriots antes da semana 3, após vir à tona que ele teria mandado mensagens ameaçadoras à artista que o acusou de má conduta sexual.

O WR entrou com oito queixas contra os Raiders e os Patriots, segundo Dan Graziano, também da ‘ESPN’. O atleta está buscando US$ 39.775 em salários perdidos, bônus e dinheiro garantido.

– O wide receiver Antonio Callaway, ex-Cleveland Browns, perdeu a apelação de sua suspensão. O jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, apurou nesta sexta que o jogador perdeu a apelação de uma suspensão de 10 jogos por uma violação da política de abuso de substâncias da National Football League.

Os Browns cortaram Callaway na última quinta, após duas temporadas do recebedor vestindo a camisa da organização.

Em 20 jogos em Cleveland, Callaway somou 51 recepções para 675 jardas e cinco touchdowns.

A suspensão não foi o único motivo pelo qual os Browns decidiram cortar o wideout, mas foi um fator importante, segundo Rapoport. Atualmente com 22 anos, o jogador está à disposição para ser adquirido por outra equipe.

Comments
To Top