NFL

Kiko Alonso rompe ligamento cruzado anterior; veja boletim de lesões/transações

Kiko Alonso, linebacker do New Orleans Saints

O linebacker Kiko Alonso, do New Orleans Saints, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito durante a derrota do time para o Minnesota Vikings por 26 a 20, na rodada de wild card dos playoffs da Conferência Nacional (NFC).

A informação foi apurada em primeira mão pelos jornalistas Ian Rapoport e Tom Pelissero, da ‘NFL Network’.

Atualmente com 29 anos de idade, Alonso agora soma três rupturas no ligamento cruzado anterior desde os tempos de futebol americano universitário. Apesar disso, ele deve estar pronto para o início da temporada 2020, em setembro.

Ele rompeu o ligamento do joelho direito quando estava na Universidade de Oregon e o ligamento do joelho esquerdo em sua segunda temporada na NFL, em 2014, quando ainda estava no Buffalo Bills.

O linebacker também sofreu uma entorse no joelho durante a temporada 2015, quando defendia o Philadelphia Eagles. Mas ele superou todas as lesões para ter carreiras produtivas nos Bills, Eagles, Miami Dolphins e Saints.

Alonso somou pelo menos 115 tackles em três temporadas consecutivas em Miami de 2016 a 2018. Ele atuou bem nesta temporada, em uma função de rotação, depois de ser adquirido pelos Saints em troca com os Dolphins, em meio a uma grande reformulação na organização da Flórida.

O camisa 54 se tornou o principal middle linebacker dos Saints em formações base depois que o titular Alex Anzalone sofreu uma lesão no ombro na semana 2. Assim, o tempo de jogo de Alonso subiu para 33 snaps por jogo quando ele estava saudável ao longo da segunda metade da temporada. Ele perdeu três jogos em dezembro com uma lesão no quadríceps.

O linebacker de 29 anos de idade teve um total de 20 tackles e um passe desviado nos últimos cinco jogos dos Saints na temporada regular, ajudando a franquia da Louisiana a fechar com a quarta melhor defesa contra o jogo terrestre.

Kiko Alonso ainda tem um ano remanescente em seu contrato, mas ele e os Saints provavelmente terão que concordar com um corte salarial para que ele siga em Nova Orleans. Ele deve faturar US$ 7,85 milhões em 2020, incluindo um bônus de assinatura de US$ 1,45 milhão.

Confira mais notícias de lesões e outras movimentações na NFL nesta segunda (6):

– O quarterback Tom Brady, do New England Patriots, estava lidando com uma lesão no pé sofrida em algum momento no mês de dezembro. A informação, que não era conhecida até então, foi apurada por Mike Giardi, da ‘NFL Network’.

Essa contusão se somou ao cotovelo de tenista, lesão contra a qual Brady lutou por grande parte da temporada 2019.

Esta nova informação pode ajudar a explicar ao menos uma parte das dificuldades ofensivas enfrentadas pelos Pats em 2019. Dificuldades essas que ajudaram o time a ser eliminado na rodada de wild card dos playoffs pelo Tennessee Titans.

– O defensive back veterano Ron Parker anunciou nesta segunda que está se aposentando da National Football League.

Em um comunicado postado no Twitter, Parker agradeceu ao Kansas City Chiefs e à família Hunt, proprietária da franquia, “por acreditarem em mim e me darem a oportunidade de decolar”. Ele também agradeceu ao técnico Andy Reid por acreditar “em mim quando ninguém mais acreditou”.

E os Chiefs agradeceram Parker de volta, também via Twitter.

Atualmente com 32 anos de idade, Parker passou por quatro times da liga em suas duas primeiras temporadas (2011 e 2012) antes de chegar aos Chiefs em 2013 e se tornar titular em tempo integral de 2014 a 2018. Ele não atuou na NFL nesta temporada 2019.

Ele fecha sua carreira com 11 interceptações, 48 passes defendidos, oito sacks e 394 tackles em 105 jogos disputados (78 como titular).

– O Carolina Panthers anunciou uma extensão de contrato de um ano de duração com o defensive end Efe Obada. Ele ia se tornar um free agent de direitos exclusivos.

Nativo de Londres, na Inglaterra, Obada atuou em sua segunda temporada na NFL, participando em todos os 16 jogos e somando 24 tackles (incluindo dois para perda de jardas), e um passe defendido.

Atualmente com 27 anos, o atleta entrou na NFL como parte do International Pathway Program, que dá chance para talentos de fora dos EUA. Ele se juntou inicialmente ao elenco de treinamento (practice squad) dos Panthers em 2017.

“Ainda é uma batalha complicada. Eu não acho que me estabeleci e, com todas as mudanças na organização, haverá novos olhos na comissão técnica, com um novo sistema e novas filosofias. Será como um ano de calouro para mim, meio que um ano para se provar. Ao mesmo tempo, também é uma oportunidade. Trata-se da minha ética de trabalho e apenas melhorar”, falou Efe Obada, segundo o site oficial dos Panthers, depois de assinar seu novo contrato.

– No Minnesota Vikings, o cornerback Mackensie Alexander tem uma pequena ruptura lateral no menisco e está se consultando com os médicos para que seja determinado se ele precisará de cirurgia. A informação é de Tom Pelissero, da ‘NFL Network’, que acrescentou que uma decisão é esperada nas próximas 24 horas. Alexander não atuou no domingo contra o New Orleans Saints depois de sofrer a lesão na semana 17 da temporada regular.

– Em seu retorno de lesão, o defensive end J.J. Watt permaneceu fora de boa parte primeira metade do jogo do Houston Texans contra o Buffalo Bills, válido pela rodada de wild card dos playoffs da Conferência Americana (AFC). Mas, nos dois quartos finais, a franquia texana deixou o pass rusher atuar por mais tempo.

Voltando de ruptura no músculo peitoral, Watt atuou em apenas 16 dos 36 snaps defensivos nos primeiros dois quartos. Já nos dois quartos finais (e na prorrogação), o camisa 99 atuou em 34 dos 44 snaps defensivos do time.

Agora, antes da rodada de divisão contra o Kansas City Chiefs, o técnico Bill O’Brien pretende dar mais tempo de jogo ao ser líder de defesa.

“Vamos ver como ele estará durante a semana, como está se sentindo. Há muita comunicação entre ele, eu e Romeo (Crennel). Ele faz isso há muito tempo, então ele nos ajudará a determinar como está se sentindo e o quanto estará lá”, frisou o head coach, segundo Aaron Reiss, do ‘The Athletic’.

Em outra notícia do departamento médico dos Texans, O’Brien preferiu não entrar em detalhes sobre o status do wide receiver Will Fuller, que ficou de fora da vitória sobre os Bills com uma contusão na virilha.

“Continuando a trabalhar com ele, progredindo na direção certa, ele está fazendo progresso”, afirmou O’Brien, segundo Aaron Wilson, do jornal ‘Houston Chronicle’.

O jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, noticiou neste final de semana que os Texans esperam ter Fuller de volta, a menos que haja um contratempo na recuperação durante a semana.

– No Seattle Seahawks, com o time se preparando para enfrentar o Green Bay Packers no Lambeau Field, na rodada de divisão dos playoffs da Conferência Nacional (NFC), o técnico Pete Carroll disse na rádio ‘710 ESPN Seattle’ nesta segunda que pretende aumentar a carga de trabalho do running back Marshawn Lynch.

“Sim, acho que ele está indo muito bem. Estou realmente empolgado com isso. Quero vê-lo fazer mais agora. Ele conseguiu passar por, novamente, dois jogos. Ele se sentiu bem na noite passada. Não o vi hoje, o dia depois, mas ele se sentiu bem novamente. E, portanto, acho que podemos aumentar o papel dele e permitir que ele seja um pouco mais ativo. Ele traz um elemento que amamos e é esse estilo e essa resistência. Vimos isso nas laterais quando ele está saindo de campo. Vimos isso na linha de goal quando ele foi até a end zone depois de tomar a pancada na (linha de) 3 ou 4 e ainda finalizou. Mas ele tem todos esses elementos que amamos, então acho que veremos mais dele nas próximas semanas aqui”, frisou Carroll.

– No Los Angeles Chargers, Shane Steichen deve continuar como coordenador ofensivo da equipe em 2020, como apuraram os jornalistas Ian Rapoport e Mike Garafolo, da ‘NFL Network’, com fontes com conhecimento dos planos da equipe.

O contrato de Steichen termina em breve e um novo acordo deve ser fechado, mas o plano é que ele continue como play-caller dos Chargers na próxima temporada.

Os Chargers foram uma grande decepção em 2019, fechando com campanha 5-11 mesmo com um elenco lotado de talento. Ken Whisenhunt durou apenas oito semanas como coordenador ofensivo antes de o head coach Anthony Lynn decidir pela demissão e optar por Steichen para substituí-lo. E, nos últimos oito jogos, o ataque dos Chargers melhorou de 350,63 jardas por jogo sob o comando de Whisenhunt para 384,25 jardas por partida com Steichen.

Comments
To Top