NFL

Jogos da NFL que você precisa relembrar: Packers x Vikings (semana 8 de 2009)

Brett Favre comemora após vitória sobre Packers no Lambeau Field em 2009

(Crédito: reprodução)

Enquanto já estamos salivando por qualquer coisa relacionada a esporte, já que as competições continuam paralisadas mundo afora, o Quinto Quarto segue com sua série de jogos da NFL que marcaram época.

Neste nosso conteúdo especial intitulado “Jogos da NFL que você precisa relembrar”, já trouxemos algumas partidas como:

E pretendemos fazer mais e mais textos desse com o passar do tempo. Afinal, são artigos que fazem sentido em qualquer época do ano (agora mais do que nunca), são gostosos de ler (e de escrever, garantimos) e também afloram nosso lado nostálgico.

Desta vez, escolhemos Green Bay Packers e Minnesota Vikings, jogo da semana 8 da já longínqua temporada 2009 da National Football League.

Quer saber o que esta partida teve de especial? Chegou o momento.

Entre vários jogos da NFL, por que o QQ escolheu esse?

Bem, o principal motivo de termos selecionado este jogo é bem simples: este foi o retorno do quarterback Brett Favre ao Lambeau Field.

Agora vestindo a camisa do Minnesota Vikings, rival de divisão do Green Bay Packers, Favre retornou ao local onde fez seu nome na NFL e onde foi tão feliz. Mas a volta se deu sob muitas vaias e insultos da torcida local, depois do divórcio nada legal do QB com os Packers.

Na ocasião, Aaron Rodgers já estava estabelecido como QB titular dos Packers (desde 2008) e Favre, após a separação dos Packers pós-temporada 2007, já tinha completado uma passagem relâmpago (e frustrada) pelo New York Jets, estando agora em seu primeiro ano nos Vikings.

Como se pode imaginar, Favre entrou em campo com ‘sangue no zóio’ e o resultado foi um jogo espetacular. Um dos melhores da rivalidade de quase seis décadas entre Packers e Vikings.

Sob o comando de Mike McCarthy, os Packers já vinham de uma derrota por 30 a 23 no Hubert H. Humphrey Metrodome, em Minneapolis, na semana 4, e agora buscavam vingança. Mas deu Favre novamente no Lambeau Field, com um triunfo por 38 a 26.

Os Vikings, do head coach Brad Childress, levaram a melhor de novo e chegaram a 7-1 naquela temporada. Além de Favre, o time tinha grandes nomes como o running back Adrian Peterson (que correu para 97 jardas e um TD naquele jogo), o wide receiver Percy Harvin (cinco recepções para 84 jardas e um TD), o tight end Visanthe Shiancoe (um TD de 12 jardas) e, na defesa, máquinas de destruição como Jared Allen (três sacks), Ray Edwards (dois sacks) e Chad Greenway (11 tackles combinados).

Já os Packers tinham, fora Rodgers, um elenco com nomes como os wide receivers Gren Jennings (sete recepções para 81 jardas e um TD) e Donald Driver (seis recepções para 63 jardas), o running back Ryan Grant, o tight end Spencer Havner (que fez duas recepções para TD na partida) e o fullback John Kuhn.

No lado defensivo, estavam Nick Barnett, Tramon Williams e Clay Matthews.

Favre fechou o seu retorno a Green Bay com números muito bons, acertando 17 passes de 28 para 244 jardas e quatro touchdowns. Rodgers também teve boas estatísticas (26/41 para 287 jardas e três TDs), mas sofreu seis sacks na partida, o que não facilitou em nada sua vida.

Quer saber como foi o jogo? Confira no tópico abaixo.

Como foi a partida (disputada no dia 1º de novembro de 2009)

O jogo no congelante Lambeau Field, que registrava cerca de -17ºC durante a partida, começou igual a temperatura ambiente. Só punts nos primeiros minutos do quarto inicial.

Mas não demorou a esquentar (bastante) em termos de ação.

E foram os Packers que inauguraram o placar, com um field goal de 37 jardas do kicker Mason Crosby, para deixar 3 a 0. O marcador foi alterado pouco depois de Brett Favre não começar bem a noite e o ataque cometer um fumble (no snap do center John Sullivan). A bola foi recuperada pelo defensive tackle Johnny Jolly na linha de 21 jardas do campo dos Vikings.

O field goal dos mandantes foi a faísca que a partida precisava. Ainda no primeiro quarto, os Vikings encaixaram uma campanha de quase quatro minutos de duração. Ela começou com um retorno espetacular de 77 jardas de Percy Harvin e terminou com Adrian Peterson entrando na end zone, em uma corrida de uma jarda, para anotar o touchdown da virada dos Vikings. 7 a 6 após o extra point.

No começo do segundo quarto, após Aaron Rodgers sofrer um sack, os Packers chutaram o punt. E os Vikings não demoraram a capitalizar em cima da bola devolvida.

Em outro drive consistente, com Favre lançando bons passes e mesclando corridas de Peterson, os Vikings chegaram ao segundo TD da noite, em passe do camisa 4 para Visanthe Shiancoe. 14 a 3 depois do ponto extra.

Os Packers seguiram sofrendo com muitos punts chutados e Rodgers pressionado em vários momentos. E isso que a defesa do time da casa até apareceu bem em uma quarta para uma jarda dos Vikings e conseguiram conter Peterson, impedindo a conversão e forçando o turnover on downs.

Mas a última pontuação antes do intervalo foi um field goal de 41 jardas do kicker Ryan Longwell (com esse nome, só podia ser kicker) para deixar a vantagem dos visitantes em 17 a 3.

Primeiro tempo foi um pesadelo para os Packers. E não demorou a piorar.

No comecinho do terceiro quarto, Favre encontrou Harvin no meio do campo e conectou um passe de 51 jardas para TD. Em pouco tempo, o buraco já era de 24 a 3 para os Packers.

Na campanha seguinte, Green Bay descontou com um field goal de 26 jardas de Crosby, em mais um drive frustrado por um sack em cima de Rodgers.

Ainda havia 18 pontos separando os dois times. Mas foi por pouco tempo.

Após um squib kick (uma espécie de kickoff chutado mais baixo) de Crosby, a bola foi na direção do defensive end Brian Robison. Com pouquíssima intimidade com a bola nas mãos, o defensor sofreu um fumble e ela foi recuperada pelo defensive back Nick Collins, dos Packers, já no território adversário.

Em apenas cinco jogadas, os anfitriões entraram na end zone, em passe de 16 jardas de Rodgers para Spencer Havner. A diferença caiu para 24 a 13 após o ponto extra.

No final do terceiro quarto, ainda houve tempo para Rodgers conectar outro passe para TD com Havner, desta vez de cinco jardas, para reduzir a desvantagem para quatro pontos (24 a 20).

Agora sim tínhamos um jogo.

Minnesota, entretanto, não estava interessado em deixar o rival reagir. Primeiro, Harvin encaixou mais um bom retorno de kickoff, de 48 jardas, facilitando a vida do ataque. Harvin ainda ajudou o ataque a fluir agarrando um passe de 15 jardas no drive seguinte e, nos minutos iniciais do último quarto, Favre acertou passe de duas jardas para um TD do tight end Jeff Dugan.

31 a 20.

Os Packers deram uma rápida resposta e, em passe de 10 jardas de Rodgers para Greg Jennings, o placar foi para 31 a 26. Sim, só cinco pontos porque os Packers arriscaram a conversão de dois pontos, mas o passe de Rodgers para Ryan Grant não foi bem-sucedido.

A partir daí só deu Vikings. Crosby errou um field goal de 51 jardas para os Packers. Do outro lado, Favre ainda lançou para mais um TD, de 16 jardas, recebido pelo wide receiver Bernard Berrian.

O placar de 38 a 26 permaneceu até o final da partida.

Um gosto mais do que doce na boca de Favre, que vibrou fervorosamente no estádio em que brilhou na liga. E um sabor totalmente amargo na torcida Cheesehead.

    • Melhores momentos

Desfecho

A vitória do Lambeau Field trouxe os Vikings para 7-1 antes da bye week. O time terminou a temporada regular com 12-4, ganhando a divisão NFC North e ficando com uma das melhores campanhas da Conferência Nacional (NFC).

Nos playoffs, os Vikings venceram o Dallas Cowboys por 34 a 3, na rodada de divisão, mas então perderam para o New Orleans Saints no Louisiana Superdome, em uma final épica da NFC que terminou com triunfo dos Saints por 31 a 28, na prorrogação.

Aquele foi o primeiro dos únicos dois anos de Favre em Minnesota. No ano seguinte, o teve 6-10 (5-8 com Favre como titular antes de sofrer com lesões, incluindo uma concussão e perder três jogos). Em janeiro de 2011, ele se aposentou.

Já os Packers ficaram com 4-3 após aquela derrota, mas conseguiram fechar a temporada com 11-5 e ficaram com uma das vagas como wild card da NFC para os playoffs.

A queda na pós-temporada veio cedo, com uma derrota por 51 a 45 para o Arizona Cardinals, logo na primeira fase do mata-mata.

Entretanto, pode-se dizer que o revés fez bem e, na temporada 2010, os Packers voltaram com tudo e conquistaram o primeiro (e único até agora) Super Bowl com Rodgers no comando do ataque. No Super Bowl XLV, os Packers bateram o Pittsburgh Steelers por 31 a 25 e levantaram o Vince Lombardi Trophy.

O desfecho dos vários meses que se seguiram acabou sendo um fim de carreira melancólico para Favre e o surgimento de uma nova lenda em Green Bay para Rodgers.

Comments
To Top