NFL

GM do Detroit Lions: podemos ganhar um Super Bowl com Matthew Stafford

Matthew Stafford, quarterback do Detroit Lions

(Crédito: Twitter/reprodução)

Bob Quinn, general manager do Detroit Lions, fez questão de ressaltar que ele não está aberto à ideia de trocar Matthew Stafford e expressou sua opinião de que sente que o quarterback de 30 anos de idade pode levar o time a um título de Super Bowl.

“Eu acho. Eu acho, sim”, afirmou o executivo.

Conversando com a imprensa pela primeira vez desde o draft de 2018, Quinn disse que Stafford seguirá como signal caller da franquia de Michigan, como ele foi ao longo da última década, e o GM não deseja trocar o camisa 9.

“Matthew Stafford é o nosso quarterback. Ele será o nosso quarterback aqui. Ouça, esse cara é um jogador muito talentoso e eu, assim como os treinadores, preciso colocá-lo em situações melhores para permitir que ele faça uso de seu conjunto de habilidades”, frisou. “Matt é extremamente durão. Ele é extremamente diligente em sua ética de trabalho. Ele define um grande exemplo para todos os nossos jogadores, e para realmente toda a nossa equipe, sobre como fazer o seu trabalho. A situação de lesão, é o que foi durante toda a temporada. Ele teve a coisa nas costas. Ele passou por inúmeras coisas sobre as quais ele queria passar por cima e jogar e os médicos disseram que ele poderia jogar com isso e ele mostrou muita resistência”, prosseguiu o general manager.

Em 2018, Stafford teve sua pior temporada em termos estatísticos desde 2010, temporada reduzida por causa de lesão. Nesta última temporada regular, em 16 jogos como titular, o signal caller acertou 66,1% de seus passes para 3.777 jardas, 21 touchdowns e 11 interceptações.

Para assegurar que esse ano tenha sido uma exceção, Quinn observou que os Lions precisam melhorar na missão de colocar jogadores talentosos ao redor do QB e fazer um esquema para aproveitar ao máximo as habilidades de Stafford.

O GM falou que o contrato de Stafford não é um fator nessa discussão e que o quarterback é o primeiro a se responsabilizar por seus erros.

“Ele se mantém em um padrão muito alto. Escute, nós não ganhamos jogos suficientes. Matthew não teve um nível de estatísticas tão bom quanto tem normalmente, e vamos melhorar isso na offseason”, prometeu.

Quinn também defendeu a capacidade de ser líder demonstrada por Stafford, mencionando como o quarterback trabalhou com o wide receiver Bruce Ellington antes de depois dos treinos quando o recebedor foi trazido no meio da temporada, ao ser adquirido no mercado depois da troca que mandou o wide receiver Golden Tate ao Philadelphia Eagles.

Segundo o GM, esse é o estilo Stafford de liderar, sendo que o atleta não se vangloria disso. O QB apenas cuida do seu trabalho e isso é parte do que faz os Lions admirarem Stafford. E parte do que convence a organização de Michigan a mantê-lo no elenco para o futuro.

Sobre o futuro novo coordenador ofensivo, que será contratado por Detroit nesta offseason depois da demissão de Jim Bob Cooter, Quinn afirmou que essa contratação será feita pelo técnico Matt Patricia e o GM mostrou não ter certeza do quanto Stafford vai pesar nessa decisão.

“Ainda não fomos tão longe”, finalizou Bob Quinn.

Comments
To Top