NFL

Em entrevista, Roger Goodell fala sobre mudanças para melhorar ritmo dos jogos

Roger Goodell, comissário da NFL

(Crédito: Twitter/reprodução)

A National Football League está muito interessada em promover mudanças para melhorar o ritmo dos jogos e Roger Goodell, comissário da liga, falou sobre o tema em entrevista com a jornalista Judy Battista, da ‘NFL Network’, nesta quinta-feira (23).

As mudanças que serão implementadas, o que já havia sido revelado Goodell em carta enviada aos fãs, foram abordadas com mais detalhes.

“Tem sido um esforço por um longo período de tempo. Nós conversamos sobre a duração do jogo. Este esforço não é tão centrado na duração do jogo. Ele é focado no que está acontecendo além das jogadas – quão rapidamente a bola é posicionada, o número de interrupções, o número de invasões – para que os fãs possam focar na ação”, declarou o mandatário.

Goodell frisou seu desejo e de muitos de ver menos “interrupções que são desnecessárias ou desnecessárias na duração”, afirmando que a NFL tem um “pacote inteiro de coisas que estudamos ao longo do último ano” para acelerar as coisas.

Uma das ideias é o conceito de um “relógio de chute” que seria utilizado entre o extra point e o kickoff seguinte.

“Eu acho que houve uma reação muito positiva a isso”, falou Goodell, se referindo ao Comitê de Competição da NFL em relação à ideia do cronômetro após os pontos extras. “A maioria dos jogadores que estão durante o extra point – talvez um tight end, um kicker – não estão no grupo que faz o kickoff. Então os treinadores dos special teams terão que se preparar para o time de kickoff e para tirá-los de lá. Claro, isso não é quando vamos para um intervalo comercial. Mas há muito tempo desperdiçado lá quando, novamente, nós desejamos tirar isso do jogo. E isso não afeta as 156 jogadas durante o jogo. Isso tem a ver com o que ocorre fora das jogadas e o que podemos fazer para tentar tirar esse tempo de inatividade”, prosseguiu.

O comissário também observou que o plano incluiria mudar o atual formato de comerciais antes e depois de cada kickoff, o que Goodell reconhece como algo que dá aos torcedores “uma desculpa para sair e fazer outra coisa”.

“Nós chamamos isso de ‘double-ups’. Eles me deixam maluco, deixam muita gente louca. Eles acontecem realmente em cerca de 27% do tempo. Todo mundo diz a mesma coisa. Eu acho que é por isso que você quer se livrar disso. Então nosso objetivo é eliminar isso”, pontuou. “Não é necessariamente o tamanho (dos intervalos comerciais), é o número. Então, vamos reduzi-los em 25%. Vamos acrescentar um comercial para cada um desses (intervalos), mas é algo que estamos testando com nossos fãs, (e) eles realmente nem perceberam isso. O que eles percebem é o número de intervalos”, completou.

Confira outros tópicos abordados por Goodell durante a entrevista:

– Sobre a centralização das revisões por replay, Goodell confirmou que Dean Blandino, vice-presidente sênior de arbitragem da NFL, fará a “decisão final” em todos os replays do jogo.

“O árbitro vai falar com Dean e dizer que é isso o que tivemos no campo, que foi isso que vimos. Ele vai olhar para o mesmo replay que Dean tem. Dean vai fazer a determinação final. Eu acho que isso vai levar à coerência, que é o que todos os técnicos querem. Eu acho que eles estão convencidos disso, mas também acho que outro aspecto disso será que vai ser muito mais rápido e acho que é algo positivo”, frisou o comissário.

Roger Goodell explicou que “em vez de ter (o árbitro) correndo até a lateral, vamos ter um tablet trazido para ele e eles serão capazes de olhar para a jogada, fazerem uma observação e se comunicarem com ele, chegando à decisão certa, mas muito mais rapidamente. E, francamente, uma vez que a decisão for tomada, ela será anunciada. Porque quando eu estou no estádio e o árbitro está lá em pé com a decisão tomada e ele não faz isso por mais um minuto enquanto a televisão está fora, isso é complicado para os fãs no estádio”, falou.

– Goodell também falou sobre as comemorações dos jogadores e as proibições que são determinadas pela liga. Segundo o comissário, a NFL quer encontrar uma solução já que os “torcedores querem ver nossos jogadores sendo capazes de celebrar”.

Roger Goodell planeja conversar com o Comitê de Competição e com os jogadores sobre tentar “encontrar esse equilíbrio entre o bom espírito esportivo e permitir que nossos jogadores mostrem realmente quem são e como estão animados quando pontuam”.

O comissário da NFL ressaltou que não quer que os árbitros percam tempo policiando comemorações.

“Eu quero que nossos árbitros se concentrem nas coisas importantes do jogo, na competição. Certificando-se que estamos focados completamente em obter as marcações corretas e não julgando se alguém está dançando fora ou dentro das regras. É parte do que eles têm que fazer, mas eu gostaria de tornar isso um pouco mais claro para eles, um pouco mais fácil para eles, então a atenção deles poderia estar no que eu considero que são as coisas mais importantes”, finalizou.

Comments
To Top