NFL

DeMarcus Lawrence é a melhor ‘contratação’ que o Dallas Cowboys poderia fazer

DeMarcus Lawrence, defensive end do Dallas Cowboys

(Crédito: Twitter/reprodução)

As duas partes tinham até o dia 15 de julho para chegarem a um aperto de mãos. Mas nem precisou de tudo isso. O Dallas Cowboys e o defensive end DeMarcus Lawrence selaram uma extensão de contrato de cinco anos, com valor de US$ 105 milhões, na noite desta sexta-feira (5).

Como apuraram os jornalistas Ian Rapoport e Mike Garafolo, da ‘NFL Network’, e Todd Archer, da ‘ESPN’ norte-americana, o acordo inclui US$ 65 milhões garantidos.

Os Cowboys haviam colocado a franchise tag no grandalhão de 26 anos de idade antes de a free agency começar, para impedir que o defensor ficasse à disposição no mercado, e a tag teria garantido US$ 20,5 milhões ao camisa 90 na temporada 2019. Entretanto, a ideia de utilizar a tag era, desde o começo, servir como uma garantia apenas para ter mais tempo para dar a Lawrence o contrato que ele tanto merece.

Agora, Lawrence tem um contrato cujo pagamento no primeiro ano (US$ 31,1 milhões) é o maior em toda a National Football League para não-quarterbacks, segundo Archer, Rapoport e Garafolo. Anteriormente, o defensor recordista era Khalil Mack, do Chicago Bears, com seus US$ 31 milhões. E, agora, Lawrence, Mack e Aaron Donald (do Los Angeles Rams) são os únicos atletas defensivos da liga com média salarial superior a US$ 20 milhões por ano.

Mas o que a renovação de Lawrence significa em aspectos gerais? Para mim, é a melhor ‘contratação’ que Dallas poderia ter feito.

Lawrence é um jogador que, sozinho, consegue mudar a defesa de um time de maneira considerável.

Entrando em sua sexta temporada na liga, o pass rusher vem de duas seleções consecutivas ao Pro Bowl. Pegando a temporada 2018, ele disputou todos os 16 jogos do time na temporada regular e fez 64 tackles combinados, 10,5 sacks, dois fumbles forçados, uma interceptação e dois passes desviados.

Desde o começo da temporada 2017, ele está empatado em quarto na NFL em sacks (25 no total), empatado em oitavo em tackles para perda de jardas (29), empatado em sétimo em pancadas nos QBs (49) e empatado em sexto em fumbles forçados (seis).

Ele também foi o primeiro jogador dos Cowboys a somar dois dígitos em sacks em temporadas consecutivas desde que DeMarcus Ware conseguiu o feito em sete temporadas seguidas (entre 2006 e 2012).

Em resumo, com Lawrence, os Cowboys se tornam imediatos candidatos a um título de Super Bowl. Ainda há buracos para serem preenchidos, mas o camisa 90 é a peça central de todo o front seven da equipe.

Dallas se manteve praticamente quieto durante a free agency até agora, tendo acertado o retorno do tight end Jason Witten, a contratação do wide receiver Randall Cobb e a troca para  adquirir o defensive end Robert Quinn junto ao Miami Dolphins.

Contudo, o ‘splash’ que eles precisavam fazer se concretizou nesta sexta.

O investimento em Lawrence, que foi selecionado com a 34ª escolha geral do draft de 2014, após uma troca acertada pelos Cowboys com seu arquirrival Washington Redskins para subir de posição, não rendeu lucros de maneira imediata.

O pass rusher originário de Boise State não fez um sack sequer em seu ano de calouro, disputando apenas sete jogos em 2014, mas logo em seguida, em 2015, ele liderou o time em sacks com oito.

Em 2016, mais um contratempo, com uma lesão nas costas que exigiu duas cirurgias e o limitou a nove jogos (e apenas um sack). Nos últimos dois anos, entretanto, ele engrenou de vez.

Pense que apenas Donald (31,5), Chandler Jones (30) e Ryan Kerrigan (26) tiveram mais sacks do que Lawrence nas últimas duas temporadas.

A renovação de Lawrence também manda uma mensagem a todo o vestiário dos Cowboys em relação ao comprometimento da organização de draftar e manter seus jogadores no longo prazo. E com bons contratos.

A mensagem, inclusive, é a de que os Cowboys querem vencer. E querem vencer agora.

Não bastasse isso tudo, com a renovação de Lawrence acertada, a franquia do Texas agora pode voltar suas atenções para nomes como o wide receiver Amari Cooper, o quarterback Dak Prescott, o running back Ezekiel Elliott e o cornerback Byron Jones, todos astros que precisarão de novos contratos em breve.

Cooper, Prescott e Jones têm contratos apenas até 2019, enquanto que Elliott pode ficar sob contrato até 2020 devido à opção pelo quinto ano de seu contrato que os Cowboys certamente exercerão em um futuro próximo.

Sim, os pass rushers estão se tornando tão importantes quanto quarterbacks na NFL e o contrato de Lawrence é mais uma prova recente disso.

Comments
To Top