NFL

Com base de 2014, Cardinals querem voar mais alto em 2015

arizona cardinals

Arizona Cardinals

Desempenho em 2014/15: 115

Rex MITO Grossman do rolê: Larry Fitzgerald

Ponto fraco: contusões

No Natal estará esperando para… lutar por uma vaga no wild card

Desde a chegada do técnico Bruce Arians em 2013, o Arizona Cardinals passou de um time mediano/fraco, que lutava com o Saint Louis Rams para não ser o lanterna da NFC Oeste, para uma equipe forte e equilibrada, que tomou o lugar do San Francisco 49ers na disputa pela liderança da divisão com o Seattle Seahawks, tanto que a franquia não teve grandes dificuldades para chegar aos playoffs na última temporada, após ganhar oito dos primeiros nove jogos.

Contudo, a torcida ficou angustiada em 2014. Afinal, o Super Bowl seria na casa dos Cardinals, no University of Phoenix Stadium, e este início arrasador fez com que os fãs sonhassem com o tão esperado primeiro anel da franquia. Porém, a contusão de Carson Palmer acabou decretando o fim da temporada para o time de Glendale, que ainda tentou uma sobrevida com Drew Stanton, quarterback reserva, mas ele também acabou se machucando e deixando o time nas mãos de Ryan Lindley e Logan Thomas.

Assim, após perder quatro dos últimos setes jogos da temporada regular, o Arizona não foi páreo para o Carolina Panthers nos playoffs e acabou sendo eliminado ainda no wild card. Para este 2015, a diretoria preferiu trazer reforços mais pontuais para a linha ofensiva e apostou na recuperação dos lesionados para manter o time em alto nível. Só isso, provavelmente, já é o suficiente para colocar a franquia na pós-temporada outra vez. Entretanto, o “algo a mais” para desbancar os Seahawks ainda não tenha chego em Tempe.

Recuperado de contusão, Palmer é um dos trunfos ofensivos dos Cardinals para a temporada 2015 (Foto: Reprodução/Instagram)

Recuperado de contusão, Palmer é um dos trunfos ofensivos dos Cardinals para a temporada 2015 (Foto: Reprodução/Instagram)

Ataque

Com a recuperação de Palmer, os Cardinals voltam a ter um bom ataque aéreo. Afinal, mesmo veterano, Larry Fitzgerald ainda tem muita lenha para queimar e continua sendo um dos melhores recebedores da liga. Já seu parceiro Michael Floyd sofreu com algumas contusões nesta pré-temporada, mas deverá estar saudável para a estreia da franquia. O jovem John Brown, que fez uma boa temporada de calouro ano passado, aparece como boa opção de velocidade para Palmer.

Entretanto, o ataque terrestre, que foi o segundo pior da NFL em 2014, precisará ajudar mais nesta temporada. Andre Ellington perdeu diversas partidas por contusão no ano passado e terá que ser mais presente em campo para dar dinamismo a ofensiva do Arizona. Além de ele ser uma ameaça correndo, o camisa 38 é bom em rotas curtas e vira opção para Palmer. Para ajudar o time a usar mais o jogo terrestre, o veterano Chris Johnson chegou e poderá ganhar snaps com Arians.

Os grandes reforços dos Cardinals chegaram para ocupar o setor mais problemático do time nas últimas duas temporadas, a linha ofensiva. Mike Iupati chegou do rival 49ers e já deve assumir como left guard titular. Além dele, D. J. Humphries, escolhido na 24ª posição do último Draft, também deve ingressar a linha principal, dando, assim, um respiro para Palmer pensar as jogadas e espaços para Ellington correr.

Defesa

O setor defensivo do Arizona Cardinals, em números, não foi um dos melhores da NFL. Contudo, na prática, ele foi o que sustentou a equipe quando Palmer se machucou. Mesmo sendo uma das piores contra o jogo aéreo em jardas cedidas, a secundária do time conseguiu roubar bolas dos adversários, o que decidiu inúmeras partidas em favor dos Cardinals.

O excepcional Patrick Peterson perdeu seu parceiro Antonio Cromartie, mas seu novo companheiro não deverá deixar o nível cair tanto. Jerraud Powers deverá ficar com a posição, mas Deone Bucannon e Tyrann Mathieu, improvisado, também podem aparecer como cornerbacks.

O veterano ídolo Darnell Dockett e Dan Williams também acabaram deixando a franquia, comprometendo o interior da linha defensiva, que costumava pressionar bastante os adversários. Deste modo, Corey Peters chegou para tentar suprir um pouco dessas ausências. Já entre os linebackers, LaMarr Woodley e Sean Weatherspoon foram contratados e podem formar um forte quarteto com Alex Okafor e Matt Shaughnessy.

Além da saída de jogadores, os Cardinals acabaram perdendo o coordenador defensivo Todd Bowles, o que pode atrapalhar um pouco mais o setor. Afinal, o novo técnico James Bettcher preferiu mudar para o sistema 3-4, deixando o bom Calais Campbell ainda mais preso na linha ofensiva. Sem dúvidas, a defesa precisará de alguns jogos para poder se adaptar e estabilizar totalmente.

Patrick Peterson terá um novo companheiro na secundária dos Cardinals, mas continuará sendo o pesadelo dos quarterbacks adversários (Foto: Reprodução/Instagram)

Patrick Peterson terá um novo companheiro na secundária dos Cardinals, mas continuará sendo o pesadelo dos quarterbacks adversários (Foto: Reprodução/Instagram)

O que falta?

Mesmo com algumas alterações na defesa, o Arizona Cardinals é praticamente o mesmo da última temporada, ou seja, não deve sofrer tanto para conseguir uma vaga nos playoffs. Contudo, será que só isso basta? A torcida chegou a imaginar como teria sido a última pós-temporada se Palmer estivesse saudável. No mínimo, o duelo contra os Panthers teria sido bem mais equilibrado.

Além disso, nesta temporada, a tabela não saiu nada bem para a equipe de Glendale. Além dos habituais complicados confrontos internos de divisão contra Seahawks, logo o último jogo da temporada regular, que pode estar valendo muita coisa, e 49ers, o time irá encarar a forte AFC Norte, inclusive contra o Pittsburgh Steelers fora de casa.

Por todos esses problemas, o Arizona não se pode dar ao luxo de demorar para se encaixar neste ano se quiser lutar pela liderança da divisão. Além disso, os jogadores precisam apresentar um pouco mais de agressividade dentro das quatro linhas, mostrando que eles podem ir mais longe e não vão ficar satisfeitos só com uma posição mediana na tabela. Com isso, talvez os Cardinals consigam decolar mais alto e superar as próprias expectativas.

Comments
To Top