NFL

Cleveland Browns demite o head coach Hue Jackson; Todd Haley também sai

Hue Jackson, ex-head coach do Cleveland Browns

(Crédito: Twitter/reprodução)

A passagem de Hue Jackson no Cleveland Browns chegou ao fim nesta segunda-feira, de acordo com Ian Rapoport da ‘NFL Network’. O treinador, que não tinha uma boa relação com o coordenador ofensivo Todd Haley, estava sob contrato até o fim de 2019.

O coordenador defensivo Gregg Williams será o técnico interino, como a jornalista Mary Kay Cabot, do ‘Cleveland Plain Dealer’, noticiou em primeira mão e Rapoport confirmou. Williams está em seu segundo ano trabalhando em Cleveland.

Williams tem grande experiência como coordenador defensivo na NFL e foi head coach do Buffalo Bills de 2001 a 2003. Ele ficou bastante conhecido por ter sido suspenso pela liga por um ano em 2012 devido ao seu envolvimento central no esquema de recompensa para lesionar atletas adversários (Bountygate) promovido pelo New Orleans Saints na época em que ele era coordenador defensivo na organização da Louisiana.

Segundo Ian Rapoport, por causa dos problemas na comissão técnica, a equipe poderia escolher entre trocar seu coordenador ofensivo ou dispensar seu head coach. Jimmy Haslam aparentemente queria manter Jackson, enquanto o general manager John Dorsey queria uma troca de comando.

“Nós apreciamos muito o comprometimento de Hue com a organização Cleveland Browns nos últimos dois anos e meio. Nós entendemos o quão crítico esse período de tempo é para o desenvolvimento do nosso time de futebol americano, e acreditamos ser do melhor interesse da organização fazer uma mudança neste momento, a fim de maximizar nossas oportunidades no restante desta temporada. Nós certamente só desejamos a Hue, Michelle e sua família o melhor seguindo em frente”, declararam Dee e Jimmy Haslam, proprietários dos Browns, em nota oficial.

Ao longo de mais de duas temporadas, ele teve desempenho de 3-36-1, sendo que só teve um triunfo nos seus dois primeiros anos na franquia de Ohio, se tornando a segunda equipe, junto com o Detroit Lions de 2008, a ter campanha de 0-16 na história da NFL. Em 2018, a equipe está 2-5-1.

Esta é a sexta vez consecutiva que um head coach dos Browns foi demitido após perder a segunda partida contra o Pittsburgh Steelers na temporada. O treinador de 53 anos se junta a Romeo Crennel, Eric Mangini, Pat Shurmur, Rob Chudzinski e Mike Pettine.

Hue Jackson, que comandou o Oakland Raiders em 2011 e teve campanha de 8-8 antes de assumir o Cleveland Browns, havia recebido um voto de confiança e uma última chance do proprietário Jimmy Haslam após as mudanças na diretoria após a última temporada.

Desde 2016, a equipe de Ohio é a última da NFL em porcentagem de vitórias, eficiência ofensiva, pontos por jogo e quarterback rating. Hue Jackson tem um percentual de vitórias de 20,5% em sua carreira, o que é a segunda pior marca da história entre os head coaches que tiveram, pelo menos, 40 jogos.

Segundo o Elias Sports Bureau, o retrospecto de três vitórias, 36 derrotas e um empate de Jackson com os Browns é o pior de um head coach em um único time na história da NFL (mínimo de 40 jogos).

No total, sete quarterbacks foram titulares dos Browns sob o comando de Jackson e apenas Tyrod Taylor não teve mais derrotas do que vitórias: Taylor (1-1-1), Baker Mayfield (1-4), Robert Griffin III (1-4), Kevin Hogan (0-1), Josh McCown (0-3), Cody Kessler (0-8) e DeShone Kizer (0-15).

Depois que as notícias das mudanças nos Browns vieram à tona, Lincoln Riley, treinador da Universidade de Oklahoma que trabalhou com Mayfield, foi questionado se tem algum interesse em ser treinador na NFL.

“Eu sabia que isso (pergunta) ia surgir”, disse Riley durante sua coletiva de imprensa. “Não, não agora. Você se senta aqui e responde essas perguntas, e eu sempre quero ser sincero. A verdade é que, para mim, eu amo Oklahoma. Eu amo treinar aqui. Eu amo o futebol americano universitário. Certamente não tenho esse comichão nesse momento. Não sei se um dia vou ter. Mas eu nunca serei o cara que vai aparecer aqui e dizer que de jeito nenhum, sem chance, que essas coisas nunca vão acontecer. Eu não sei. Mas eu sei que agora eu não poderia me importar menos com a NFL”, completou.

Os Browns somaram 20 derrotas em 20 jogos fora de casa durante a passagem de Jackson pelo time, sendo esse o pior retrospecto como visitante de um técnico com um time na era Super Bowl (desde 1966).

Neste próximo domingo (4), os Browns enfrentam o forte Kansas City Chiefs (7-1).

Curiosamente, a demissão de Jackson se dá um dia depois que o Cleveland Cavaliers demitiu o técnico Tyronn Lue, que liderou o time a um título da NBA em 2016, mas estava enfrentando muitas dificuldades em seu primeiro ano sem o astro LeBron James.

– Todd Haley também é demitido

Além da demissão de Jackson, a franquia de Ohio também anunciou a demissão do coordenador ofensivo Todd Haley, que não vinha fazendo um grande trabalho na organização.

Com sua saída, o treinador de running backs/head coach associado Freddie Kitchens vai assumir a função de coordenador do ataque dos Browns.

Houve rumores de que a relação entre Jackson e Haley estava tão deteriorada que uma mudança precisava ser feita. Haley estava em seu primeiro ano com os Browns depois de ser coordenador ofensivo do Pittsburgh Steelers entre 2012 e 2017.

De acordo com o jornalista Chris Mortensen, da ‘ESPN’ norte-americana, as mudanças foram feitas com o desenvolvimento do quarterback calouro Baker Mayfield em mente.

Haley foi contratado na offseason por Jackson por ajudar a reconstruir um ataque muito ruim e a lapidar Mayfield.

Sob a liderança do quarterback calouro, o ataque mostrou evolução, mas seguiu sendo inconsistente. Cleveland evoluir de marcar apenas 14,6 pontos por jogo (pior marca da NFL) em 2017 para 21,1 pontos por partida (24ª marca da liga) em 2018.

Entretanto, com o comando de Haley, os Browns foram bastante previsíveis no ataque. Após passes incompletos ou sacks, tornou-se quase uma certeza que os Browns chamariam uma jogada de corrida. Se isso era claro até para os espectadores, imagine só para as defesas adversárias.

Os Browns tiveram uma taxa de sucesso de apenas 6% nessas corridas, de acordo com Warren Sharp.

E tudo isso veio congelando o desenvolvimento de Mayfield.

Outro problema era o uso dos Browns de suas armas ofensivas. A falta de utilização do running back Duke Johnson, por exemplo, chega a ser ultrajante.

O relacionamento entre Jackson e Haley pareceu desgastada desde o início. Durante o primeiro episódio da série Hard Knocks, da ‘HBO’, ficou evidente que o coordenador ofensivo não concordava plenamente com o esquema de trabalho do head coach. E, nos últimos dias, os problemas de relacionamento entre os dois vieram à tona.

Agora, os dois estão desempregados e precisarão se recolocar no mercado, provavelmente como coordenadores novamente.

Comments
To Top