NFL

Cam Newton é dispensado pelo Carolina Panthers; veja boletim

Cam Newton, quarterback do Carolina Panthers

Agora é oficial. Cam Newton não é mais quarterback do Carolina Panthers.

A franquia da Carolina do Norte anunciou a dispensa do signal caller de maneira oficial nesta terça-feira (24).

“Cam significou muito para esta organização e para as Carolinas. Todo mundo viu suas performances em campo. Tive o privilégio de ver o quanto ele trabalhava fora de campo e seu compromisso com esse time quando ninguém estava assistindo. Ele é o maior competidor e, fisicamente, ele fica machucado ao perder. Ele conduziu essa equipe à vitória em muitas ocasiões e sempre será considerado um dos maiores jogadores da história desta franquia. Suas contribuições para esse time, essa comunidade e o jogo de futebol americano deixarão um impacto duradouro em nossa organização”, declarou o general manager Marty Hurney, em nota oficial.

Os Panthers já haviam anunciado há uma semana que Newton tinha recebido a permissão para buscar uma troca. Mas, com poucos times querendo ceder escolhas de draft para adquiri-lo e muitas dúvidas em relação à sua saúde, nada se concretizou.

Então, a franquia resolveu cortá-lo e deixá-lo livre no mercado.

Segundo Adam Schefter, da ‘ESPN’ norte-americana, Newton, que segue se reabilitando de cirurgia no pé, passou por um teste físico em Atlanta na última segunda que foi coordenador pelos Panthers e sua agência. O QB passou nos exames e está saudável, com seu ombro e seu pé “se saindo bem”.

Newton “está mais faminto do que nunca e ansioso pela próxima oportunidade”, disse uma fonte.

Selecionado com a primeira escolha geral do draft de 2011 pelos Panthers, Newton imediatamente se transformou na cara da franquia. Ele comandou o time a três títulos seguidos da divisão NFC South entre 2013 e 2015, levou a organização ao Super Bowl 50 e a quatro Super Bowls no total.

Newton faturou o prêmio de MVP da NFL em 2015 e foi selecionado a três Pro Bowls durante sua passagem pelos Panthers.

Contudo, as lesões pesaram no camisa 1 nos últimos três anos.

Cam passou por várias cirurgias no ombro e só disputou duas partidas na temporada 2019 devido a uma lesão no pé que, posteriormente, também obrigou o signal caller a passar por um procedimento cirúrgico.

Depois de o novo técnico Matt Rhule declarar no NFL Scouting Combine, em fevereiro, que “absolutamente” queria trabalhar com Newton, o time mudou rapidamente de direção.

Após o anúncio de que Newton havia recebido permissão para buscar uma troca, o próprio QB utilizou as redes sociais para dizer que “o time me forçou a isso”. Nada bom para um fim de relacionamento. E isso no mesmo dia em que os Panthers acertaram um contrato de três anos, US$ 63 milhões, com o quarterback Teddy Bridgewater.

Prestes a completar 31 anos de idade, Newton fica disponível em um mercado de QB que viu vários times já escolherem os seus futuros titulares.

O jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, apurou que os Panthers tiveram conversas de troca com o Chicago Bears e o Los Angeles Chargers antes de decidirem dispensar Newton.

Agora, resta saber onde reside o futuro do quarterback…

Confira mais movimentações importantes na NFL nesta terça (24):

– Que Trent Williams deseja sair do Washington Redskins não é mais uma novidade. Mas, agora, o left tackle levou esse desejo a um outro patamar e resolveu abrir o jogo publicamente.

Vincent Taylor, agente do atleta, divulgou um comunicado nesta terça, obtido por Mike Garafolo, da ‘NFL Network’, expressando o desejo de Williams de ser trocado ou dispensado pelos Redskins:

“O relacionamento entre os Redskins e Trent Williams chegou a um ponto em que é do melhor interesse que os Redskins o troquem ou o dispensem.

Apesar de conhecer as diferenças irreconciliáveis, Washington não conseguiu (ou não quis) negociar uma troca de Williams. A equipe deu a Williams e seus representantes o direito de procurar parceiros comerciais. Os representantes de Williams forneceram à equipe opções de negociação, mas os Redskins não demonstraram interesse em negociar de boa fé e, de fato, deram exigências inconsistentes sobre o que desejam em troca em uma negociação.

Durante todo o processo, Williams manteve seu silêncio e não falou negativamente sobre a equipe, nem procurou ações legais em potencial. Esta parece não ser uma estratégia bem-sucedida. Jogadores que são externamente críticos da equipe são trocados.

Embora Trent Williams sempre ame e respeite Dan Snyder, seus companheiros de equipe e os torcedores do Washington Redskins, ele quer ser negociado ou liberado. Chegou a hora da organização agir de maneira que seja do interesse de Williams e do time”.

– Com a atual pandemia de novo coronavírus no mundo todo, o mundo da NFL vem sendo afetado devido à impossibilidade de realizações de testes físicos e reuniões. Mas Tua Tagovailoa, um dos principais prospectos para o draft de 2020, deu seu jeito.

Reabilitando-se de cirurgia no quadril, o QB publicou um vídeo em suas redes sociais no qual aparece se movimentando e lançando bola muito bem com a sua canhota.

Apesar do vídeo curto, a boa movimentação e agilidade demonstrada por Tagovailoa mesmo voltando de uma lesão significativa é algo a ser comemorado.

– Mais jogadores vindos da XFL seguem assinando com times da NFL. O defensive back Dravon Askew-Henry, vindo do New York Guardians, acertou um contrato de dois anos com o New York Giants. A informação foi apurada por Ian Rapoport, da ‘NFL Network’.

Já o cornerback Deatrick Nichols, que defendeu o Houston Roughnecks, fechou um contrato de um ano com o New Orleans Saints, como anunciou a equipe de maneira oficial.

– O pass rusher Bradley Chubb, astro do Denver Broncos, está no caminho certo para retornar às atividades no início do training camp, como apurou o jornalista James Palmer, da ‘NFL Network’. Ele sofreu uma ruptura parcial do ligamento cruzado anterior do joelho.

Palmer disse que Chubb, que sofreu a lesão na semana 4 da temporada passada, está trabalhando sozinho nas instalações do time com o mesmo preparador diariamente. Isso é um esforço de garantir que não haja contratempos em sua recuperação e, ao mesmo tempo, uma tentativa de se manter seguro em meio à pandemia do novo coronavírus.

Também nos Broncos, o time do Colorado fechou um contrato de três anos, com valor de US$ 7,05 milhões, com o punter Sam Martin, ex-Detroit Lions.

– O Seattle Seahawks chegou a um acordo com o offensive tackle Brandon Shell, ex-titular do New York Jets. A linha ofensiva é uma das prioridades dos Seahawks neste ano e Shell, que está entrando em sua quinta temporada na liga, foi titular dos Jets nos últimos três anos.

– O tight end Richard Rodgers, ex-Green Bay Packers e Philadelphia Eagles, fechou com o Washington Redskins, segundo Ian Rapoport, da ‘NFL Network’.

– O Tampa Bay Buccaneers acertou novos contratos com o safety Andrew Adams e com o defensive lineman Rakeem Nuñez-Roches, como anunciou o time.

– O Arizona Cardinals fechou contratos de um ano de duração com o offensive lineman Max Garcia e com o safety Charles Washington.

– O Detroit Lions acertou um novo contrato com o offensive lineman Oday Aboushi.

– O contrato do quarterback Brian Hoyer com o New England Patriots é de um ano, com valor de US$ 1,05 milhão, e também inclui um incentivo de US$ 2 milhões por tempo de jogo, segundo Tom Pelissero, da ‘NFL Network’. Assim, o signal caller pode faturar até US$ 3,05 milhões.

Os Patriots estão mantendo o defensive end Shilique Calhoun no time, segundo Ian Rapoport, da ‘NFL Network’. Ele disputou 15 jogos em 2019, sendo um como titular.

– O Baltimore Ravens fechou um contrato de um ano de duração com o wide receiver Chris Moore.

– O Cincinnati Bengals está adicionando o linebacker Josh Bynes à sua defesa, fechando um contrato de um ano de duração com o defensor. Bynes foi titular em sete jogos na temporada passada com a camisa dos Baltimore Ravens, em sua segunda passagem pelo time, e também soma passagens por Detroit Lions e Arizona Cardinals.

– O Kansas City Chiefs está mantendo o defensive tackle veterano Mike Pennel, segundo Tom Pelissero, da ‘NFL Network’. Ele atuou em oito jogos em seu primeiro ano em KC e, como Pelissero acrescenta, ele teve outras ofertas, mas queria voltar ao time.

Comments
To Top