NFL

Cincinnati Bengals está disposto a trocar Andy Dalton; veja mais movimentações na NFL

Andy Dalton, quarterback do Cincinnati Bengals

O Cincinnati Bengals parece determinado a selecionar um quarterback com a primeira escolha geral do draft de 2020 da National Football League. E isso significa que Andy Dalton pode estar de saída da franquia de Ohio.

É o que tudo indica.

Como o jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, noticiou no programa NFL NOW desta quarta-feira (12), os Bengals pretendem trabalhar com Dalton na tentativa de facilitar uma troca quando for o momento correto. A informação é de uma fonte com conhecimento dos planos da equipe.

“Uma coisa que está muito clara é a grande consideração que a organização Bengals tem com Andy Dalton; fora de campo, dentro de campo, no vestiário, como ele lidou com o último ano e tudo mais. Meu entendimento é que, de acordo com alguém informado dos planos do time, eles vão trabalhar com Andy Dalton para facilitar uma troca quando for a hora certa”, falou Rapoport. “Todo mundo supõe que eles vão selecionar Joe Burrow ou pelo menos um quarterback, e isso é algo que foi comunicado a Dalton. Também é algo que Duke Tobin me contou no podcast RapSheet + Friends algumas semanas atrás. Eles valorizam Dalton e querem trabalhar com ele e eles não vão fazer nada que o prejudique ou que ele não concorde daqui em diante”, completou.

O camisa 14 tem uma temporada remanescente em seu contrato com os Bengals, mas o acordo não prevê mais nenhum dinheiro garantido. O time de Cincinnati liberaria US$ 17,7 milhões no salary cap ao se separar de Dalton, seja via troca ou mesmo uma dispensa.

Não é nem um pouco surpreendente que os Bengals estejam tentando negociar seu signal caller. O maior problema será encontrar uma franquia da NFL disposta a ceder alguma escolha de draft para pegar Dalton e seu contrato de um ano em vez de tentar arriscar e esperar que ele fique à disposição na free agency.

Uma ideia que também é plausível é que os Bengals concordem em arcar com parte do salário de Dalton para tentar obter uma escolha melhor de draft em uma eventual troca.

Em janeiro, em participação no podcast RapSheet + Friends, Duke Tobin, diretor de elenco dos Bengals, expressou o respeito que a franquia tem por Dalton e deixou claro que a organização pretende jogar limpo com o QB.

“Eu posso dizer uma coisa, que o que Andy Dalton fez pelo Cincinnati Bengals não é algo que vamos esquecer e não vamos, quer queira, quer não, fazer algo acontecer com ele que a) ele se sinta desconfortável e, b) com o qual ficamos desconfortáveis”, frisou o executivo. “Ele entrou e venceu para nós imediatamente, e ele certamente não está acabado. Ele tem muito talento, tem muita liderança. (…) Nós temos o maior respeito e consideração por Andy Dalton e não acreditamos que a carreira dele acabou”, pontuou.

Confira mais movimentações e rumores importantes na NFL nesta quarta (12):

– A National Football League reintegrou Myles Garrett nesta quarta-feira, dois dias depois que o pass rusher do Cleveland Browns se reuniu com o comissário Roger Goodell em Nova York.

Garrett estava suspenso por tempo indeterminado depois de arrancar o capacete do quarterback Mason Rudolph, do Pittsburgh Steelers, e desferir um golpe com o objeto na cabeça do adversário. O incidente ocorreu ao final de um Thursday Night Football entre Browns e Steelers, no dia 14 de novembro, válido pela semana 10.

Apesar da apelação, na qual Garrett acusou Rudolph de usar uma injúria racial para ofendê-lo (algo que o QB dos Steelers negou posteriormente), a suspensão foi mantida e Garrett perdeu os seis jogos finais da temporada 2019 da NFL.

“Nós estamos recebendo Myles Garrett de volta à nossa organização de braços abertos. Sabemos que ele está grato por ter sido reintegrado, ansioso para deixar o passado para trás e continuar a evoluir e crescer como líder. Estamos ansiosos para ter sua forte presença positiva de volta como companheiro de equipe, jogador e pessoa em nossa comunidade”, falou o general manager Andrew Berry, em nota oficial.

Selecionado com a primeira escolha geral do draft de 2017 pelos Browns, Garrett somou 10 sacks antes da suspensão.

Com 30,5 sacks desde que entrou na liga, Garrett é o recordista da história dos Browns em sacks nos primeiros três anos da carreira.

Em outra notícia relacionada a esse confronto entre Garrett e Rudolph, o jornalista Mike Garafolo, da ‘NFL Network’, apurou que a multa de US$ 50 mil aplicada ao QB dos Steelers pelo envolvimento no confronto foi mantida recentemente após apelação.

– O quarterback Jameis Winston, do Tampa Bay Buccaneers, passou pela cirurgia LASIK no olho. A informação foi apurada em primeira mão pelo jornal ‘Tampa Bay Times’ e confirmada pelo jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’.

A operação não deixa de vir em boa hora, já que, meses antes, Winston se tornou o primeiro quarterback na história da NFL a lançar passes para 30 touchdowns e sofrer 30 interceptações na mesma temporada.

Agora, com a visão melhorada, esperamos que Winston pare de sofrer tantos turnovers.

Brincadeiras à parte, Winston não colocou a culpa na miopia depois de sofrer tantos turnovers. Mas, como certeza, uma visão mais clara só tende a ajudar um jogador que atua na posição que mais exige precisão na NFL.

“Ele não queria descartar quaisquer opções que ele tinha que poderiam ajudá-lo com o esporte que ele tanto ama. Ele não quer perder uma oportunidade que se apresenta. Este é o esporte que ele ama e quer ser o melhor, e se houver alguma opção que possa melhorar seu jogo, ele está disposto a fazer isso”, disse Denise White, assessora de Winston, a Rapoport.

– O New England Patriots chegou a um acordo de extensão de contrato com Nick Caserio, diretor de administração de jogadores da franquia de Foxborough. A renovação foi noticiada em primeira mão pelo jornal ‘Boston Globe’ e confirmada por Ian Rapoport, da ‘NFL Network’.

Caserio está nos Patriots desde 2001, tendo exercido várias funções diferentes, mas ele está no cargo atual desde 2008. Ele também tem experiência como jogador e treinador, o que torna Caserio ainda mais valioso nas operações do dia-a-dia de campo nos Pats.

– Após dois anos afastado do futebol americano, Lamarr Houston decidiu se aposentar da National Football League.

Selecionado pelo Oakland Raiders na segunda rodada do draft de 2010, Houston está se aposentando após oito temporadas atuando na NFL. Ele assinou um contrato de um dia com o time nesta quarta e será colocado na lista de reservas/aposentados dos Raiders.

Houston passou suas quatro primeiras temporadas na liga nos Raiders, onde atuou em 64 jogos, somando 16,5 sacks e sendo nomeado para o All-Rookie Team em 2010. Depois que seu contrato de calouro expirou, Houston assinou um contrato lucrativo de cinco anos com o Chicago Bears.

Em Illinois, contudo, ele não correspondeu às expectativas geradas pelo contrato e passou mais tempo lesionado do que em campo. Seus problemas começaram no primeiro ano em Chicago, quando ele rompeu o ligamento cruzado anterior durante uma comemoração (??) de sack, quando os Bears estavam perdendo para o New England Patriots por 25 pontos (???).

Ele retornou aos gramados em 2015 para atuar nos 16 jogos e somou oito sacks, mas ele sofreu nos dois anos seguintes, atuando em apenas 12 partidas no total. Houston foi cortado pelos Bears em setembro de 2017 e foi para o Houston Texans, mas lá foi dispensado novamente em novembro. O pass rusher então retornou aos Bears para disputar os cinco jogos finais de sua carreira.

Lamarr Houston deixa a NFL com 76 pancadas no QB, 30,5 sacks, nove fumbles recuperados, cinco fumbles forçados e uma interceptação.

– No Atlanta Falcons, o futuro de Devonta Freeman está cercado de dúvidas. O jornalista Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, apurou nesta quarta que a franquia da Geórgia está considerando se separar do running back, antes de ele atingir a metade de sua extensão de contrato de cinco anos.

O impacto financeiro é a principal razão para tal consideração, já que Freeman passou pelas três temporadas com maior impacto no teto salarial. O ‘peso’ do contrato do RB no salary cap cai de US$ 12,75 milhões para US$ 6 milhões em 2020, facilitando esse tipo de dispensa e os encargos financeiros que vêm com ela.

O contrato foi designado para uma eventual separação abrupta no futuro quando ele foi assinado em 2017.

Na época em que assinou a extensão, Freeman era uma parte importante do ataque dos Falcons, que chegaram ao Super Bowl LI com Kyle Shanahan como coordenador ofensivo e retornaram aos playoffs em 2017. De 2015 a 2017, Freeman correu para exatamente 3.000 jardas e 29 touchdowns, fazendo valer o investimento.

Mas, desde então, o camisa 24 atuou em apenas 16 jogos nas últimas duas temporadas, somando 724 jardas terrestres e dois touchdowns, além de 433 jardas recebidas e quatro TDs.

As 3,9 jardas por carregada de Freeman em 2019 foi a pior marca de sua carreira, mas óbvio que o RB foi prejudicado pela campanha horrível de Atlanta e, também, pelo fato de que ele estava retornando de uma lesão na virilha que o limitou a apenas dois jogos em 2018.

– O running back Rashaad Penny, do Seattle Seahawks, trouxe atualizações sobre seu status atual. Vale lembrar que a temporada do atleta terminou precocemente em dezembro, depois que ele sofreu uma ruptura no ligamento cruzado anterior do joelho.

Atualmente com 24 anos de idade, Penny informou via Twitter que ele voltou a trabalhar na bicicleta ergométrica nesta terça, em meio ao seu processo de reabilitação.

O técnico Pete Carroll observou após a temporada que a cirurgia de Penny no ligamento cruzado anterior também exigiu a ‘limpeza’ de outros problemas. Apesar disso, o head coach acrescentou que o jovem jogador já estava adiantado no cronograma de recuperação.

Voltar a trabalhar na bicicleta menos de dois meses depois da cirurgia é um grande sinal, mas Penny precisa continuar a se dedicar na reabilitação antes da temporada 2020.

Comments
To Top